Análise do inimigo: Os Grey

sábado, novembro 16, 2013

Uma das figuras mais icônicas da cultura pop-alien, um ser que causa medo e repulsa (ou em alguns casos admiração e devoção) das pessoas, está presente em diversos enredos de ficção científica, livros e séries de TV, enchendo o imaginário popular com sua imagem simples, porém bizarra, desprovida de adornos, mas cheia de pesadelos vívidos de abduções, raptos e experiências médicas.




Leia também:

Leve-me ao seu líder
Também chamados de "Roswell Greys", "Greys" ou simplesmente "Grays" ou "aliens cinzentos", esta figura estranha ronda o imaginário popular há décadas, vindo supostamente das estrelas. Tem baixa estatura, longos e magros membros, ausência de cabelo, pelos, nariz e órgãos sexuais aparentes. São cabeçudos, com grandes olhos escuros e uma boca fina e pouco visível. Não parece que usam roupas, mas o filme Fogo no Céu, que alega ser baseado em fatos reais, os aliens utilizavam uma roupa especial cinza, com grandes olhos negros. Vá saber...


Uma busca rápida na internet dá uma boa amostra de como esse tipo de alien é bem difundido por aí. São N portais especulando sobre quem são eles, o que fazem na Terra, enquanto outros conseguiram ser bem mais precisos (!) e dão nome, raça, etnia, time do coração e número de RG intergaláctico destas criaturas. A produção cultural em cima desta figura é tamanha que vemos sua imagem espalhada por aí em camisetas, bonés, adesivos, capas para celular, bonecos e desenhos animados.

Se podemos colocar um começo no mito a largada ficaria com HG Wells que, em 1893 escreveu sobre o ser humano se tornar uma criatura mais atarracada, de pele cinzenta, com um cabeção em "Man of the Year Million". O mesmo autor em "The First Men in the Moon" descreve os nativos lunares da mesma forma. Gustav Sandgren, em 1933, publicou Den okända faran (The Unknown Danger), onde ele descreve os aliens:

[...] As criaturas não se assemelham a qualquer raça de seres humanos. Eles eram baixos, menores do que a média japonesa, e suas cabeças eram grandes e carecas, com testas quadradas, fortes, pequenos narizes e bocas e queixos fracos. O mais extraordinário sobre eles eram os olhos - grandes, escuros, brilhantes, com um olhar aguçado. Eles usavam roupas feitas de um tecido cinza suave, e seus membros parecem ser semelhantes aos dos seres humanos.


Os avistamentos de objetos desconhecidos se popularizaram no período entre guerras e pós guerras, conforme a corrida armamentista se acentuava, mas foi em 1965 com a suposta abdução de Betty e Barney Hill que a visão do grey se espalhou, impulsionada por livros que traziam aliens na capa. Juntando tudo isso com o caso Roswell começava um dos maiores e mais populares mitos da modernidade.

 Os Grey não têm propósitos muito claros em suas visitas à Terra. Uma raça alienígena com capacidade de viagem intergaláctica vem para cá desenhar em plantações e roubar vacas e material genético do ser humano não me parece muito coerente. São eles os culpados pelas milhares de supostas abduções ao redor do mundo, por fazerem experimentos dolorosos nos seres humanos e por tentar realizar a junção de material genético humano com alienígena.

 A presença deles é forte na ficção científica, que não tardou em se apropriar de seu caráter bizarro para ganhar alguns milhões de dólares. Contatos Imediatos de Terceiro Grau, de 1977, mostram estes seres como criaturas benignas genuinamente interessadas no contato pacífico. Nos anos 80, o livro de Whitley Strieber, chamado Communion, causou sensação quando foi lançado, em 1987, pois relata com detalhes a suposta abdução do autor em 85 por seres alienígenas. A descrição dos seres bate com todas as descrições de greys que já vimos.


Foi nos anos 90 que a coisa explodiu de vez, com a cultura pop-alien tornando-se um fenômeno mundial. Desde o incidente em Roswell, em 1947, que os aliens são associados ao evento e aos demais eventos de abduções e de avistamentos de objetos não identificados. Surgiram as conspirações mirabolantes de associação dos militares norte-americanos com os ETs e em 1994 surgia Arquivo X, baseando sua mitologia nesta suposta conspiração, onde aliens e agentes do governo dos Estados Unidos trabalhavam juntos para iniciar a colonização em massa da Terra.

 Foi também nesta década que filmes de autópsias em corpos de alienígenas surgiram. Admito que fiquei impressionada quando passou no Fantástico naquela época, mas depois aquilo foi desconstruído tão rapidamente que hoje, assistindo de novo, é tudo amador demais. Todos os dias pela internet surgem "casos, evidências, filmagens" de encontros com aliens e no fim é tudo armação. Desde que o mundo é mundo que a zueira never ends, antes mesmo de surgir a internet aqui onde antes era tudo mato.


Stargate SG-1 aproveitou o mito do alienígena no passado como ninguém. Taí outra coisa que é atribuída aos aliens, em especial os greys: toda a nossa cultura, civilização e biologia. Alega-se que eles já estiveram por aqui e foram os responsáveis por modificar nossa genética, nos ensinar a empilhar pedras e desaparecer por completo por milhares de anos. Gente boa esses aliens.

Em Stargate, eles compõem a benéfica e super avançada raça dos Asgard, que ajudam a equipe da Montanha Cheyenne várias vezes em seus embates com os inimigos. Em Babylon 5 eles são os Vree e são parceiros comerciais da Terra, volta e meia sofrendo processos por abduções passadas. Em 2005, Frederick V. Malmstrom escreveu na revista Skeptic, vol. 11, que a identificação que temos com os grey se dá porque eles são memórias residuais dos primeiros estágios do desenvolvimento infantil.

A face dos grey seria baseada no rosto da mãe ou dos pais, baseado na percepção e sensação infantis. O cérebro, ainda não completamente formado, guardaria as impressões iniciais como imagens sem muita forma e substância, dando este aspecto bizarro que vemos nos grey. Estaria assim explicado porque os seres humanos adotaram esta fisionomia como sendo a favorita entre todos os alienígenas já criados pela ficção.

Você não leu este post. Na verdade, passou a última meia hora vendo Alienígenas do Passado. 
Pontuação
Eles são bizarros, eles são estranhos, eles são esquisitos ladrões de vacas. São principalmente um fruto criativo da mente humana que busca preencher as imperfeições de seu mundo da melhor maneira que pode. Se são imagens residuais de nossa infância, ou uma mera fantasia criada por um autor de ficção científica, a questão é que eles podem ser retratados tanto como bonzinhos quanto seres malignos que adoram causar sustinho na gente. No entanto, eles não parecem ter uma vontade genuína de destruir a Terra ou a nossa civilização. Seja pelo motivo que for, eles não são mais tão assustadores como eram antes e por isso levam só quatro malignos.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris