Resenha: Jack, O Estripador - Rastro de Sangue, de Kerri Maniscalco

Jack, O Estripador é um nome bem conhecido. Bem ou mal, sabemos que ele foi um notório assassino de mulheres que nunca foi pego pela polícia de Londres. Mas e se uma jovem curiosa e interessada em medicina legal resolvesse caçar o misterioso homicida? É essa a premissa de Rastro de Sangue, de Kerri Maniscalco.



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Audrey Rose Wadsworth, nossa heroína, estuda medicina legal e forense (ainda uma área muito recente e improvisada para a era vitoriana) escondido do pai junto de seu tio. Seu pai tem um verdadeiro pavor do mundo que existe fora de sua casa e se souber dos interesses da filha, vai ter um colapso. Audrey não se importa de ter sangue sob as unhas ou de cheirar a formol. Ela tem fascínio pelos mistérios do corpo humano, mas é impedida de frequentar aulas formais por ser mulher.


Aqui entra algo muito legal feito pela autora, o fato de Audrey questionar as convenções, de não se conformar com elas. Sim, ela é uma mulher, sim, ela tem seus interesses em roupas bonitas e maquiagem, mas se quiser estudar corpos ou ajudar a polícia, ela quer ter esse direito, o que lhe é negado por quase todos os homens ao seu redor. Parece que apenas seu tio a entende.

É com os crimes de Jack, o Estripador, que Audrey tem a chance de usar seu conhecimento. Junto do irritante, inteligente e charmoso Thomas Cresswell, Audrey vai se esgueirar pelas vielas escuras de Londres em busca do assassino. Devo admitir que o flerte dela com Thomas me irritou em vários momentos, pois ele chegam a tomar a atenção, onde esquecemos que um assassino está à solta. Foco, sabe? Depois vocês se paqueram. Ainda assim, Kerri criou personagens irritantes, aqueles dos quais você quer andar ao lado e participar do enredo.

A ambientação daquela Londres vitoriana foi muito bem feita. Kerri explora o cheiro, a cor, a textura dos lugares, em especial dos assassinatos. De maneira geral, ela conseguiu se manter fiel à lista de crimes de Jack e à forma como a mídia deu atenção ao caso na época. Jack ainda rende discussões e especulações de polícias do mundo todo, já que o verdadeiro assassino nunca foi pego, mesmo com todas as investigações.

A morte não tinha preconceitos com coisas mortais como posição ou gênero. Ela vinha da mesma forma para reis, rainhas e prostitutas, com frequência deixando os vivos com arrependimentos. O que poderíamos ter feito de diferente se soubéssemos que o fim estava tão próximo?

Página 32

Outra coisa fantástica do livro: Audrey não se conforma com o mundo e sua maneira de tratar as mulheres. Quando conhece os detalhes dos crimes de Jack e que suas vítimas eram sempre mulheres, Audrey se recusa a ficar inerte enquanto vê mulheres sendo tratadas de tal maneira ignóbil. É assim que ela se joga na investigação, colocando até a própria vida em risco. Em mundo em que mulheres devem se preocupar com chás da tarde e vestidos, Audrey quer mais, ela quer a mesma liberdade dos homens, tanto no ir e vir quanto em fazer da vida o que ela bem entender.

Eu esperava mais um CSI vitoriano do que um drama familiar neste livro. Lá pelo meio, quando Audrey começa a apontar um suspeito, eu já imaginava quem era e que isso daria uma reviravolta no final e dito e feito. Não que tenha tirado a surpresa no final, essa realmente pega você completamente de surpresa.

O livro está lindamente diagramado e com um trabalho gráfico fantástico. No começo de cada capítulo, imagens que se relacionam com o mesmo. Nas contra capas temos mapas de Londres e mensagens de Jack estão espalhadas pelas páginas. Não encontrei grandes problemas de revisão ou de tradução neste livro.

Eu sonhava com o dia em que moças poderiam usar rendas e maquiagem, ou maquiagem nenhuma e pudessem vestir um saco de aniagem se assim desejassem, para atuarem em suas profissões escolhidas sem que isso fosse considerado inapropriado.

Página 35

Ficção e realidade
Jack, o Estripador, "Assassino de Whitechapel" ou "Avental de Couro", matou ao menos cinco prostitutas no bairro de Whitechapel, em Londres, os chamados "crimes canônicos", mas houve cerca de 11 mulheres assassinadas na região na mesma época. A maioria dos especialistas, contudo, aponta que cortes profundos na garganta, abdômen e áreas genitais, além da remoção dos órgãos internos e múltiplas mutilações faciais, tornam distinguível o modus operandi do Estripador. A forma como as evicerava também indica algum conhecimento de anatomia e cirurgia.

Kerri Maniscalco

Se a polícia não tinha condições na época para prender e condenar Jack, os crimes ao menos chamaram a atenção da mídia para Whitechapel e a condição precária da vida de seus moradores. Isso levou à uma demolição das áreas mais insalubres nas décadas seguintes, na tentativa de integrar o East End ao restante da cidade. A partir daí, Jack se tornaria uma lenda macabra para crianças e mulheres de Londres e do restante do país. Ele figura como uma sombra assustadora sobre a história britânica, tanto que na câmara dos horrores de Madame Tussauds, não há uma estátua de cera de Jack, já que ninguém sabe como era sua fisionomia.

Pontos positivos
Protagonista feminina
Caçada a Jack, o Estripador
Personagens fortes e bem escritos
Pontos negativos

Paquerinha
Violência contra a mulher

Título: Jack, O Estripador - Rastro de Sangue
Título original em inglês: Stalking Jack the Ripper
1. Jack, O Estripador - Rastro de Sangue
2. Hunting Prince Dracula
3. Escaping from Houdini
Autora: Kerri Maniscalco
Tradutora: Ana Death Duarte
Editora: DarkSide
Páginas: 352
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: AmazonCompre Jack, O Estripador - Rastro de Sangue, de Kerri Maniscalco

Avaliação do MS?
Audrey pode não ser perfeita, mas afinal, quem é? Determinada a impedir um assassino de mulheres, ela quebrará convenções sociais, vai peitar as autoridades, vai afundar a mão no sangue e nas víscera e ninguém vai impedi-la. Espero muito que o próximo volume chegue rápido, pois dessa vez é com Drácula que ela vai se meter. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais! 💀

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Tenho padecido de uma vontadezinha louca de pegar esse livro. Vou da aquela esperada básica para a publicação dos outros livros avançar, conferir resenhas, mas dificilmente deixo uma tentação de lado. Tenho a impressão que esse é aquele tipo de livro que dialoga com os romances de época da vida temperando tudo com um pouco mais de ação.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.