A antologia perdida de Harlan Ellison

Harlan Ellison (1934-2018) é praticamente um desconhecido no Brasil (mais um daqueles escândalos literários que a gente não entende bem porque acontecem) e lembrado apenas por aqueles mergulhados na ficção científica. Um dos mais prolíficos escritores e editores de ficção científica, ele foi o responsável por descobrir e mentorar ninguém menos que Octavia Butler, além de apoiar o trabalho de autores como Tananarive Due. Conhecido por seu temperamento explosivo e personalidade combativa, bem como pelos processos judiciais (como aquele contra James Cameron por causa de O Exterminador do Futuro) tais características acabaram obliterando seu sucesso literário.

A antologia perdida de Harlan Ellison




Harlan escreveu mais de 1700 contos, mais de 100 livros entre romances, ensaios, roteiros, novelas e críticas. O famoso episódio da Série Clássica de Star Trek, "Cidade à Beira da Eternidade" foi escrito por Harlan Ellison. Ele também foi a força criativa por trás do sucesso de Babylon 5, tendo ganhado na carreira oito Prêmios Hugo, quatro Prêmios Nebula e dois World Fantasy Awards.

Habilidoso antologista, ele compilou algumas das mais influentes coletâneas de ficção científica, aquelas que mudaram os rumos do gênero, quebraram e inauguraram novas tradições. Dangerous Visions (1967) quebrou paradigmas e preconceitos dentro da FC, trazendo uma Nova Onda - o que definiria o movimento daí em diante - de talentosos autores como Brian Aldiss, Isaac Asimov, Robert Bloch, Roger Zelazny, Carol Emshwiller, Philip K. Dick, J.G. Ballard e Samuel Delany. A coletânea é até hoje lembrada e referenciada por muitos autores, pois ela elevou a qualidade dos trabalhos então publicados, desafiando novos autores a produzir obras cada vez melhores.

Em 1972, uma nova coletânea, chamada Again, Dangerous Visions, foi igualmente elogiada e bem-recebida pela crítica e pela audiência. Lançada em dois volumes, autores que tinham participado da primeira não foram incluídos na segunda, de maneira a encontrar trabalhos novos e desafiadores. Nesta segunda antologia figuraram nomes como Gene Wolfe, Thomas M. Disch, Ray Bradbury, Kurt Vonnegut, Joanna Russ e James Tiptree Jr. Outra autora que publicou nesta coletânea foi Ursula L. Le Guin com sua influente novela Floresta é a o nome do mundo.

Animado com o sucesso das antologias e os efeitos que tiveram na comunidade de FC, Ellison queria finalizar com uma nova coletânea. Já na época do lançamento de Again, Dangerous Visions, ele vinha prometendo um terceiro volume chamado The Last Dangerous Visions, a ser publicada em 1974, com nomes como Frank Herbert, Anne McCaffrey, Octavia Butler e Daniel Keyes. Em 1973, Ellison já contava com 68 contos, além de escrever um longo ensaio de abertura.

Chegou 1974 e ele continuava comprando novos contos, aumentando ainda mais o tamanho da coletânea. Ao todo ele já contava nessa época com mais de 600 mil palavras, o que daria cerca de 7 romances de bom tamanho, com editores e autores pressionando pela publicação. Em 1976, Ellison ainda estava comprando contos, selecionando aqueles que acreditava serem visionários. Ele já contava com mais de 100 contos, dando ao todo 16 romances em tamanho. E a confiança dos interessados começou a cair.

Os melhores contos da década começaram a ser comprados por Ellison sem que fossem publicados em qualquer revista, livro ou fanzine, para manter o ineditismo da coletânea. Em 1979, Ellison mudou de editora, levando o projeto junto. Algumas revistas anunciavam a tão desejada nova antologia e que ela já contava com cerca de 700 mil palavras - e contando.

Estamos em 2021 e The Last Dangerous Visions ainda não saiu. Muitos escritores reclamaram na época, dizendo que uma boa maneira de não escrever é vender um conto a Harlan Ellison. Alguns dos autores já morreram sem nunca terem seus contos publicados. Infelizmente, muitos desses autores nunca reclamaram da demora por causa do comportamento ácido de Ellison, conhecido por ter saído no soco com um editor. Ele era famoso por processar as pessoas e vários autores se sentiam intimidados e incapazes de levar adiante um processo judicial.

Com a morte de Ellison em 2018, aos 84 anos, a audiência pensou que o projeto estava sepultado de vez. Ainda que ele nunca tenha desistido da coletânea, seu estado de saúde nos anos anteriores à sua morte o impediram de trabalhar nela por mais tempo. Ellison estava parcialmente paralisado devido a um AVC, com problemas na fala e cognição. Sua esposa Susan Ellison morreu em 2020 e como o casal não teve filhos, o trabalho de Ellison precisou ser legado a um executor.

Hoje quem representa e protege seu patrimônio literário é o criador do Babylon 5, J. Michael Straczynski que em novembro de 2020 anunciou que estava retomando o projeto de The Last Dangerous Visions. Por ser o executor do patrimônio de Ellison, os encargos financeiros, taxas e impostos também precisam ser pagos e a burocracia, além da pandemia, complicaram o processo. Porém, Straczynski parece animado para editar e lançar - de verdade! - a antologia que deixou tanta gente na mão por 47 anos. Alguns autores não parecem animados, mas Straczynski quer que a antologia aconteça.

No Brasil apenas alguns quadrinhos roteirizados por Ellison foram publicados, além de um quadrinho que adaptou o famoso episódio de Star Trek, sem as edições de Gene Roddenberry no roteiro. Mas nós ainda precisamos descobrir a genialidade por trás da língua afiada e beligerante do autor que mudou a ficção científica para sempre. Fica aí o pedido para que Ellison tenha seu trabalho mais conhecido e reconhecido do público.

Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.