Resenha: All Systems Red, de Martha Wells

quinta-feira, agosto 23, 2018

Aproveitando a entrega do Hugo Awards esta semana, trouxe uma das ganhadoras! All Systems Red ganhou o foguete de melhor novela e já tem duas continuações, com mais uma e, possivelmente a última, chegando até o final do ano. Aqui nós temos uma perigosa inteligência artificial que poderia dominar a raça humana facilmente. PODERIA. Ela só não quer.



O livro
Nosso protagonista é um murderbot, um androide com partes orgânicas que é formalmente designado de SecUnit. Ele está em um planeta, agindo como segurança de uma equipe de exploradores pagos pela Companhia. O passado deste SecUnit é nebuloso. Algo aconteceu anos atrás e ele teria matado muita gente, mas nem ele mesmo sabe da história toda, já que parte de sua memória foi apagada. Tendo uma unidade avançada de processamento, ele consegue hackear sua unidade de controle e assim consegue ignorar a atualização que quiser. Qualquer um pensaria "nossa, que perigo para as pessoas!". É, só que não. O único interesse de nosso murderbot é baixar e assistir séries de TV e novelas.

Resenha: All Systems Red, de Martha Wells

Mesmo que All Systems Red pareça um enredo bem básico e batido da FC, ele difere de outros livros semelhantes por ser divertido e por ter um androide rabugento, que meio que faz seu trabalho de qualquer jeito. Ele chega a ignorar alguns dos arquivos de trabalho que recebe apenas por estar de saco cheio mesmo. Tudo o que quer é que o deixem em paz tempo suficiente para entender quem ou o que é. Os comentários ácidos, a rabugice, a vontade de ficar no seu canto vendo séries, quem nunca, não é?

É interessante que este SecUnit tem partes orgânicas junto das partes robóticas. Usa uma armadura com um capacete que oculta suas feições, como vemos na capa, que ele até prefere usar para poder assistir suas séries em paz. Mesmo que não seja muito afeiçoado aos humanos, ele sabe que precisa cumprir seu dever e questiona várias vezes como que a companhia empregadora recicla maquinário e até outros SecUnits apenas para poupar uma grana.

O perigo para os humanos aos quais ele deve proteger surge quando a outra equipe na superfície do planeta pára de transmitir de repente. Eles então decidem verificar o que houve com os colegas e é aí que o murderbot entra em ação, deixando de lado a rabugice típica. Interessante notar que ele tem pensamentos e atitudes próprias, critica a imbecilidade humana várias vezes, faz pouco esforço para compreender a maioria das pessoas, mas não consegue desapegar de sua função, que é a de protegê-los.

Como eu disse antes, estes não eram intrépidos exploradores da galáxia. Eram pessoas fazendo seu trabalho e que de repente se viram em uma péssima situação.

(tradução livre)

Infelizmente o ebook está em inglês, mas não é uma leitura aos tropeços, truncada, com muitos detalhes técnicos complicados. Como é o murderbot que narra a história, pode parecer por um momento que os personagens foram mal escritos, mas na verdade estamos limitadas pela visão do androide que, como sabemos, não tá nem aí pra nada. Então os personagens meio que são todos iguais no começo, com um destaque ou outro depois da ação acontecer porque o murderbot acaba mudando sua visão sobre eles. Mesmo que continue de mau humor, nosso androide tem uma evolução bem legal.

Ficção e realidade
A ficção científica é saturada de robôs e androides que costumam ter apenas duas funções: ou são servis aos humanos ou se levantam em insurreição e matam todo mundo. Murderbot não, ele é consciente, consegue hackear qualquer coisa, poderia causar muitos danos se quisesse, mas na real mesmo só quer ser deixado em paz. É um questionamento a se fazer, se nossas máquinas se erguessem com consciência, será que elas nos aniquilariam? Ou apenas gostariam de ficar na sua?

Martha Wells
Martha Wells

Martha é uma escritora prolífica, tendo escrito uma série de fantasia, romances young adult, ensaios e críticas de ficção especulativa e a série murderbot. É ganhadora das vários prêmios, sendo eles o mais recente o Hugo Awards de Melhor Novela por All Systems Red.

Pontos positivos
Murderbot
Bem escrito
Levante da máquina que não tá nem aí pra ninguém
Pontos negativos

Muito curto
Não tem em português (ainda)

Título: All Systems Red
The Murderbot Diaries
1. All Systems Red
2. Artificial Condition
3. Rogue Protocol
4. Exit Strategy
Autora: Martha Wells
Editora: Tor Books
Páginas: 144
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Soube de fontes fidedignas que a série The Murderbot Diaries pode chegar em breve ao Brasil. E espero mesmo que chegue, pois são livros não apenas bem escritos e de ficção científica, como também são divertidos. Imagine um androide que não é nem servil, nem uma máquina aniquiladora da raça humana, que só quer ficar de boa vendo séries? É praticamente minha descrição se eu fosse um androide. Cinco aliens para ele e uma forte recomendação que você leia também.


Até mais! 🤖

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 Comentário

  1. Rs... ontem estava lendo o texto anterior sobre a premiação do Hugo desse ano e ia até comentar que o Scalzi novo sai em 16 de outrubro (The Consuming Fire, o volume 2 da saga The Interdependency). Acabei esquecendo porque comecei a procurar resenha das obras da Martha Wells e me perdi nisso! kkkkkkkkkkkkkk
    O texto de hoje me deixou bem empolgado, tanto que comprei o e-book na Amazon. Ele está numa promoçãozinha a menos de 10 reais! ;-)

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes