Resenha: Life As We Knew It, de Susan Beth Pfeffer

domingo, novembro 27, 2016

A vida de uma adolescente muda completamente depois que um asteroide acerta a Lua. O evento era televisionado naquela noite e uma vida completamente comum se transforma. Este livro não é o que eu esperava.



O livro
Miranda é uma adolescente comum, preocupada com as notas, com os amigos, vinda de um lar de pais divorciados e está para ter um irmãozinho do novo casamento do pai. Acompanhamos seus pensamentos pelos diários que começa a escrever. Ela mora em uma cidade pequena, bem provinciana, daquelas onde todo mundo conhece todo mundo. Eis então que um evento astronômico ganha os noticiários: um asteroide está para acertar a Lua.


O problema é que ninguém previa que o impacto seria tão forte e a Lua acaba sendo tirada de sua órbita regular, aproximando-se da Terra. O efeito é imediato. Tsunamis arrasam as cidades costeiras. Preocupação crescente, apesar de os jornais diários tentarem acalmar a população. Sei que parece extremo que um asteroide possa arremessar a Lua para fora de órbita, mas vamos suspender a descrença.

A partir daí, acompanhamos a luta de Mirana e sua família em permanecerem não apenas vivos, mas também juntos. A mãe tem a iniciativa de comprar muita comida enlatada e pronta para estocar em casa, além de pilhas e baterias diversas. Eles conseguem se manter bem durante vários meses, mas as decisões difíceis da mãe se destacam. Ela precisa racionar a comida e alimenta os três filhos em esquema de revezamento. Nem sempre Miranda entende, as duas discutem muito quando Miranda tenta ajudar um amigo a conseguir comida pronta na fila de distribuição e sua mãe a critica por pensar nos outros ao invés da família (sendo que ela também conseguiu a comida).

Eu esperava outra coisa do livro. Achei que seria uma típica jornada do herói, com uma mega reviravolta ou um romance para se chegar ao fim apoteótico, mas não totalmente resolvido, para prender o leitor para o livro seguinte. Só que não foi bem assim. Miranda é obrigada a passar por fome, sujeira e doença com a família, além da dúvida e o medo. E os parentes em outros lugares do país? E os amigos, eles têm comida? Algum dia o clima vai normalizar?

Com a aproximação da Lua, o planeta fica doido. Além das tsunamis, falhas geológicas se reativam, começam terremotos e vulcões antes adormecidos entram em erupção. A Lua, gigante no céu, fica encoberta com as nuvens de chuva intensa que se formam e parecem não se dissipar mais. Com o fim da comida e dos remédios, o perigo das doenças oportunistas ressurge. Os serviços públicos ainda tentam permanecer abertos como a Biblioteca Pública e os Correios, mas logo eles também fecham.

Miranda é uma personagem muito bem construída. Ela tem medo, passa raiva, faz até pirraça, mas gostei muito da figura da mãe dela. É muito difícil para qualquer mãe ter que escolher qual filho ela alimentará mais porque a comida está acabando e ele tem mais chance de sobreviver. Ninguém teria que fazer essa escolha. Miranda tem um irmão mais velho, universitário que retorna para a família quando o evento acontece, e um mais novo. Além do gato. A forma como a autora contou a história dessa família me cativou mais do que um enredo onde a protagonista teria a jornada típica que vemos com frequência. Isso pode incomodar algumas pessoas, mas o estilo da autora cativa e muito.

Eu li o ebook em inglês e depois descobri que o livro foi traduzido no Brasil pela Bertrand Brasil com o título A Vida Como Ela Era.

Ficção e realidade
A Lua nem sempre foi próxima da Terra como é hoje. Na verdade, ela já esteve 18 vezes mais próxima do planeta e continua se afastando a uma velocidade de 3,78cm por ano. A superfície do nosso planeta, mais a massa de água sobre ela geram uma fricção que lentamente dá uma desacelerada em sua rotação. Para cada ação há uma reação igual e de sentido contrário (Terceira Lei de Newton) e, assim, se a Terra desacelera, a Lua acelera e ao fazer isso, a Lua é empurrada para longe. Vai chegar um momento em que os dois corpos entrarão em equilíbrio, mas até lá o pó dos nossos ossos se dissipou faz tempo.

Ainda que o cenário do enredo pareca irreal, com a Lua ficando mais próxima de nós, temos que suspender a descrença para aceitar o que acontece à família de Miranda. E me peguei pensando em mim, minha mãe, meus gatos e cachorros nesse cenário. Quando a família de Miranda vai ao supermercado, eles não compram somente comida para eles, também levam vários quilos de ração e areia higiênica para gatos. Sei que se eu estivesse no lugar delas, faria o mesmo. E talvez fosse egoísta com a minha comida e remédios como foi a mãe da Miranda. É a sobrevivência e costumamos ter empatia apenas com os nossos entes queridos, não com os outros.

Pontos positivos
Protagonista feminina
Distopia
Personagens bem construídos
Pontos negativos
Leitura devagar em alguns capítulos
Final em aberto


Título: Life As We Knew It
Título em português: A Vida Como Ela Era (saiu pela Bertrand Brasil)
The Life As We Knew It Series
1. Life As We Knew It
2. Dead and the Gone
3. This World We Live in
4. The Shade of the Moon
Autora: Susan Beth Pfeffer
Editora: Houghton Mifflin Harcourt (selo HMH For Young Readers)
Páginas: 352
Ano de lançamento: 2008
Onde comprar: Amazon, inglês ou português

Avaliação do MS?
Muita gente pode reclamar do enredo, esperando os plot twists e uma jornada heroica onde a protagonista descobre uma conspiração para destruir a Terra. Mas lembre-se: caminhar ao lado dos personagens também deve ser gratificante se for bem escrito, bem feito, se tiver personagens cativantes. E é o que acontece aqui. Fiquei preocupada com Miranda e sua família em cada página. Quatro aliens para o livro de Susan e uma recomendação para você ler.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris