Ficção científica, essa coisa perigosa!

terça-feira, setembro 08, 2015

Eu sempre disse que ficção científica é um gênero literário completo. É um grande guarda-chuva onde tudo pode caber e cabe. É um gênero que sempre trabalhou com complexas questões de política, questões sociais, de representatividade. Talvez seja exatamente por essa capacidade de se trabalhar com questões tão complexas que o FBI investigou Ray Bradbury e outros autores de FC.



O FBI (Federal Bureau of Investigation, aquele mesmo de Arquivo X) esteve na cola de Bradbury em dois momentos, com uma década de diferença. Ray Bradbury, o celebrado autor de As Crônicas Marcianas e Fahrenheit 451, era conhecido como um autor de ficção científica proeminente e roteirista para televisão e filmes, em 1959, tendo vendido milhões de cópias de seus livros pelo mundo.


O arquivo dele é composto por relatos de informantes, anônimos ou não, que buscavam pêlo em ovo ao analisar o autor. Não somente Bradbury, mas Isaac Asimov e Philip K. Dick também têm seus arquivos no Bureau. O arquivo de Dick, por exemplo, fala mais da paranoia dele com outros autores de ficção científica do que com sua obra em si. Em 1959, Martin A. Berkeley, ex-membro do Partido Comunista e informante do governo, disse que:

(...) alguns escritores de ficção científica criaram fantasias a respeito da impossibilidade de tratar de assuntos do cenário mundial... por meio de histórias futuristas envolvidas com as potencialidades da ciência.

Para Berkeley, a ficção científica era um campo lucrativo para a introdução de ideologias comunistas. Os arquivos de Bradbury não sugerem que ele tenha sido incentivado por qualquer tipo de ideologia, mas que seu trabalho era capaz de perturbar de várias maneiras vários dogmas estabelecidos. As Crônicas Marcianas, por exemplo, foram acusadas de mostrar terráqueos como espoliadores e controladores, não pessoas capazes de desenvolver um lugar. Interessante notar que os soviéticos chegaram a banir The Fireman, obra que deu origem a Farenheit 451.

E é aí que olhamos para a ficção científica como uma forma de não apenas entreter. Mas de - parafraseando Star Trek - explorar novos mundos, novas civilizações e audaciosamente ir aonde ninguém jamais esteve. Ficção científica é sobre o incômodo com as coisas e a ordem do mundo, é tentar fazer algo diferente, divertindo e informando o leitor. A FC nunca foi apolítica, ela sempre esteve de um lado ou de outro, mostrando fantásticos mundos e seres, discutindo assuntos terrenos com grande propriedade.

O problema é que sempre que alguém tenta fazer algo diferente, apenas pelo prazer de sair da mesmice, de poder ver escrito coisas que sempre quis, de querer ver uma FC muçulmana ou feminista, de querer ver enredos afrofuturistas, só de ser um autor destes grupos marginalizados, já é uma afronta. Somente por ser e existir, algumas pessoas entendem que aquilo já é um manifesto. E sim, existem obras que sejam, mas na grande maioria os autores estão apenas colocando sua visão de mundo nas obras, algo que irrita profundamente os mais conservadores.


Isso [a investigação sobre Bradbury] serve como um lembrete de que a ficção científica, até mesmo a mais popular, nunca foi somente para entreter. (...) Os Puppies não estão irritados com o que a ficção científica se tornou, eles estão desconfortáveis com o que ela sempre foi.

Jacob Brogan

Ficção científica sempre nos obrigou a pensar diferente. Os Puppies e todos os seus apoiadores, diretos e indiretos, apenas demonstraram que conhecem pouco a ficção científica e que não entendem o que ela significa. Há espaço para todo mundo aqui, por que somente um grupo quer ter o privilégio de produzir e ainda por cima ganhar prêmios? Não faz sentido segregar o diferente quando ele sempre fez parte deste universo.

Na verdade, alguns fãs se tornaram mais conservadores, enquanto a ficção científica sempre foi um espaço de exploração. E nem sempre um enredo que explore a diversidade humana é ideologicamente inclinado para algum lado político. É por isso que estes painéis de votação dos Puppies não fazem nenhum sentido.

Até mais!



Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. Gostei muito, e fiquei curioso por quais obras Asimov teve companhia do FBI.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris