Resenha: 2010, Uma Odisseia no Espaço 2, de Arthur C. Clarke

sábado, janeiro 24, 2015

Menos conhecido e lido que o primeiro livro, a continuação de Arthur C. Clarke é tão bom quanto. Tendo também virado um filme, em 1984, o livro conta o que aconteceu com a nave Discovery I, o que aconteceu com HAL 9000, passando-se nove anos após os acontecimentos de 2001. É chegada a hora de retornar à Discovery!





O livro
Nove anos depois dos eventos de 2001 e a perda da nave Discovery I, os Estados Unidos planejam lançar uma nova missão e, para isso, constroem a Discovery II. Mas não é assim tão simples, já que os soviéticos estão à frente deles na construção da Comandante Alexei Leonov. Assim eles chegarão primeiro a Júpiter. O problema é que os soviéticos não sabem como mexer nem na Discovery I, nem em HAL 9000 e propõem uma missão conjunta.


Nesta missão estará, mais uma vez, o Dr. Heywood Floyd, figura que aparece no primeiro livro e que é crucial para o segundo. Temos também o especialista em HAL 9000, Dr. Chandra e o engenheiro responsável pelo projeto do Discovery I, Walter Curnow. A tripulação soviética parece tolerar a tripulação norte-americana enquanto se preparam para desacelerar e manter posição em torno de Júpiter e assim poder encontrar e atracar com a Discovery I.

A ideia é reparar o HAL, coordenar a volta para casa e assim pedir a ajuda dele para descobrir qual foi o problema que levou à morte de um astronauta e o desaparecimento do outro. Mas poderiam confiar em HAL? Um computador que, sabemos, tomou ações deliberadas e conscientes, mentiu e provocou a morte de vários astronautas pode ser confiável? É algo que mantém Floyd preocupado a ponto de fazê-lo instalar uma guilhotina na principal linha de força de HAL. Ao primeiro comportamento estranho do computador, ele o aleijaria de tal forma que seria impossível de contornar.

Enquanto isso, a Tsien, um satélite chinês que depois, descobriu-se ser uma nave, pousa em Europa para reabastecer. A nave é, então, atacada por uma criatura das profundezas de Europa e o único sobrevivente na superfície consegue mandar uma mensagem para a Leonov contando o que aconteceu e que não tem muito tempo de vida em seu traje espacial.

_ Há vida em Europa!

Leonov se aproxima do Discovery, coberto por enxofre dos gases de Io. 

HAL é recuperado por Chandra e os motivos de seu comportamento bizarro são revelados: ele ficou paranoico, entrou em contradição por ser obrigado a manter segredo a respeito do monólito encontrado na Lua. Assim que a nave Discovery I partiu para Saturno/Júpiter, HAL recebeu a ordem de manter segredo sobre a verdadeira missão de Bowman e Poole, os dois astronautas que cuidavam da nave e dos tripulantes em estase, estes sim treinados para lidar com o monólito. Manter este segredo de Bowman e Poole custou a coerência e honestidade de HAL, o que justificava seu comportamento.

Eis então que o Dr. Floyd recebe um aviso vindo de ninguém menos que David Bowman, o astronauta perdido e, presumidamente morto. Eles precisam deixar Júpiter em dois dias, bem menos do que a partida original, pois algo vai acontecer. Algo muito perigoso para eles. Floyd não entende o porquê, mas acaba convencendo a tripulação da Leonov a partir de forma tão súbita, pois alguma coisa está acontecendo com Júpiter... algo espetacular.


Ficção e realidade
Arthur C. Clarke sempre teve muito cuidado com suas descrições científicas. Mesmo lidando com o espaço, com física e astronomia, suas explicações não são complicadas. Portanto, é fácil compreender os conceitos expostos em seus livros. Justamente por sua ciência ser precisa que nos identificamos com muita coisa. As notícias do mundo científico que vemos o tempo todo falam de hibernação para viagens longas no espaço, novos motores, novas descobertas sobre mundos distantes, tudo ali, no nosso cotidiano.

Dr. Floyd e a capitã da nave soviética, Tanya Kirbuk. 

Os eventos fantásticos que acontecem no livro não o desabonam como ficção científica, ao contrário, apenas mostram quantas coisas maravilhosas ainda somos incapazes de compreender. Fala de um astronauta no passado que não vem empilhar pedras e que se mostra poderoso o suficiente para criar vida e estrelas.

Pontos positivos
Exploração espacial
Guerra Fria
Lúcifer

Pontos negativos
Alguns capítulos arrastados
Baixa representatividade feminina

Título: 2010, Uma Odisseia no Espaço II
Título original: 2001: A Space Odyssey Two
1. 2001, Uma Odisseia no Espaço
2. 2010, Uma Odisseia no Espaço 2
3. 2061 Uma Odisseia no Espaço 3
4. 3001, A Odisseia Final
Autor: Arthur C. Clarke
Editora: Nova Fronteira
Ano de lançamento: 1982
Páginas: 364
Onde comprar: fora de catálogo há muito tempo, só em sebo


TODOS ESTES MUNDOS SÃO SEUS EXCETO EUROPA. NÃO TENTEM ATERRISSAR LÁ!


Avaliação do MS?
Quem sempre teve curiosidade para saber o que diabos aconteceu com a Discovery I, quem for fã de HAL e da ficção científica, não pode deixar de ler este livro. Assista o filme também, ele é bom e não é tão parado quanto o primeiro filme, o que pode animar alguns a assisti-lo. O livro está fora de catálogo, você pode tentar comprá-lo em sebos ou baixar em vários formatos (deixei o link acima caso você opte por essa opção hihihi). Quatro aliens para este clássico e uma forte sugestão de que você o leia e assista.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris