Senhor da Guerra

sábado, março 12, 2011

O mais guerreiro dos planetas é também alvo da curiosidade humana há tempos. Marte. Seu nome romano tem como similar o grego Ares. Recebeu este nome devido à sua cor vermelha, que por ser a cor do sangue era associado à violência.





Os antigos egípcios o chamavam de Her Descher, que significa vermelho. Visível da Terra, Marte era o deus da guerra, aquele que prenunciava os conflitos, mas era também um deus que amava. Ele era o amante de Vênus (Afrodite, muito mais charmoso em grego) e com ela teve o Cupido e a Harmonia.

O deus que amava é amado aqui da Terra. Marte sempre foi alvo de observações e de especulações por parte dos homens. Irmão menor, ele parece com uma estrela avermelhada no céu noturno. Mas assim como Vênus, ele brilha, porém não é estrela. É muito semelhante à Terra na duração de seu dia e pelo fato de ter estações, no entanto, leva 687 dias para completar um ano. A cor avermelhada de sua superfície se deve à rocha basáltica puramente vulcânica, que ao sofrer erosão gera a areia vermelha. Sempre foi considerado um ótimo candidato para ter vida e muitos cientistas acreditavam que os sinais vistos pelos telescópios eram canais de irrigação e estradas e uma civilização avançada. Ledo engano... Marte é frio, poeirento e desolado, mas mostra sinais de que já teve água líquida na superfície pelos canais deixados pela água, o mais poderoso agente erosivo.

Curta a nossa página no Facebook

Ele também já causou pânico na Terra. Orson Welles, em 1938, ao transmitir a novela de ficção científica Guerra dos Mundos de HG Wells, causou um pavor generalizado na população ao ouvir sobre a invasão dos marcianos e muitos realmente fugiram de casa com medo do ataque.

Polêmico e fascinante, Marte ainda povoa a imaginação das pessoas. Os romanos consideravam intimamente a ele relacionado, pois Rômulo, um dos pais fundadores da nação, era filho da princesa de Alba Longa com o deus Marte e sempre pautou as ações dos romanos ao longo dos séculos. Violência, medo e dominação também estão em seus satélites naturais: Fobos (medo) e Deimos (pavor), dois asteroides irregulares que receberam os nomes dos dois filhos de Ares. O senhor da guerra é um desejo primitivo, assim como a violência. Sempre ali, à espreita.

Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris