10 coisas que você não sabia sobre Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões

Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões (1991) já se tornou um grande clássico de aventura, daqueles que passava na Sessão da Tarde e todo mundo tinha que parar para assistir. Um nobre inglês volta para casa e encontra suas terras tomadas, seu pai morto e sua vida de cabeça para baixo. Ele então lidera um grupo de foras da lei que se refugiava na floresta de Sherwood de maneira a tomar de volta tudo o que o xerife de Nottingham vinha roubando das famílias pobres do reino.

10 coisas que você não sabia sobre Robin Hood, o Príncipe dos Ladrões




Dirigido por Kevin Reynolds, o longa contou com 48 milhões de dólares de orçamento, faturando nos cinemas cerca de 391 milhões em bilheteria. Foi indicado e ganhou vários prêmios, inclusive por Melhor Canção Original por "(Everything I Do) I Do It for You", de Bryan Adams. Foi o segundo filme mais lucrativo de 1991, atrás apenas de O Exterminador do Futuro 2 - O Julgamento Final (1991).


10. Desenvolvimento
Em 1989, o roteirista britânico Pen Densham deixou de lado a tradicional história de Robin Hood, cristalizada na mente do público com a adaptação de 1938 em As aventuras de Robin Hood. Ele o reimaginou como um garoto rico transformado pelos anos de guerra e prisão em Jerusalém que se torna um rebelde com causa ao voltar para casa e ver a opressão do povo pelo temível xerife de Nottingham. Densham escreveu um pré-roteiro de 92 páginas que depois seria retrabalhado para o roteiro original com seu colega, o produtor John Watson.

Em 1990, a pequena produtora Morgan Creek, mesma empresa que produziu Os Jovens Pistoleiros (1988) e Garra de Campeões (1989), gostou do que leu e decidiu financiar o longa. Assim que eles conseguiram as locações no Reino Unido, tiveram que correr com as gravações para saírem nos cinemas antes da produção de Robin Hood - O Herói dos Ladrões (1991), produzido pela FOX e pela Tri-Star Pictures, com Patrick Bergin e Uma Thurman.


9. Papel principal
Cary Elwes foi convidado para interpretar o protagonista, mas acabou recusando por não gostar dos diálogos e por achar o roteiro muito artificial (o que mostra a péssima qualidade do roteiro no começo). Curiosamente, Cary interpretaria Robin Hood na comédia de Mel Brooks A Louca! Louca História de Robin Hood (1993) que tira sarro descaradamente do longa de 1991.


8. Kevin Costner
O ator recusou o papel de Robin Hood duas vezes até saber que o diretor do longa seria Kevin Reynolds, cineasta com quem trabalhou em Dança com Lobos (1990). O estúdio queria um nome de peso para o papel-título e o nome de Costner estava em alta por seu Oscar da Academia. Reynolds foi chamado para dirigir Robin Hood justamente por sua ligação com Costner. O ator, aliás, foi bastante criticado pela ausência de um sotaque britânico, que foi um pedido do próprio diretor.


7. Sean Connery
O papel do rei Ricardo, Coração de Leão é minúsculo, mas o estúdio queria alguém de peso para o papel. Inicialmente, o comediante John Cleese (Monty Python) tinha sido indicado para o papel, mas tanto Costner quanto Densham achavam que a súbita aparição de um comediante acabaria com o clima dramático do final. Densham então pediu por ninguém menos que Sean Connery que, inicialmente, pediu 1 milhão de dólares de salário e apenas um dia no set de filmagem. O salário acabou sendo baixado para 250 mil dólares que Connery doou para um hospital na Escócia. Inicialmente, ele recebeu um convite para interpretar Lorde Locksley (que ficou com Brian Blessed), mas recusou por achar que vinha interpretando muitos pais naquela época.


6. Alan Rickman
O saudoso Alan Rickman recusou três vezes o papel do xerife de Nottingham, personagem que nunca ganhara profundidade antes, desde a primeira adaptação da lenda de Robin Hood em 1938. Para Alan os diálogos eram muito ruins e ele não tinha exatamente muito com o que trabalhar como inspiração. Inclusive ele comentou com colegas do teatro onde estreava uma peça que o roteiro era péssimo. Porém, quando o diretor lhe garantiu que ele teria total liberdade para improvisar e adaptar o personagem da forma como quisesse, resolveu aceitar (o que incomodou Kevin Costner). A famosa cena em que ele ameaça arrancar o coração de Robin Hood com uma colher foi de improviso, bem como aquela sobre cancelar o Natal. Algumas críticas atribuem o sucesso do filme a sua atuação do temível vilão, que foi premiada com um BAFTA.


5. Tem livro
A novelização, escrita por Simon Green, nos dá informações sobre algumas partes bem significativas da história. Por exemplo, Kevin Reynolds ficou bastante irritado com a remoção da cena em que o xerife descobre que a bruxa Mortianna é sua mãe verdadeira. Outra cena, em que Robin esfrega estrume fresco na roupa, foi tirada do começo do filme e colocada no final. É por causa dessa cena editada que Lady Marian pede a Robin, dentro da igreja, que ele "tome um banho".


4. Azeem Edin Bashir Al Bakir
Jack Shaheen (1935 – 2017), ativista, escritor e palestrante árabe-americano, disse que o papel de Morgan Freeman como Azeem, prisioneiro junto de Robin de Locksley em Jerusalém, foi bastante positivo para a população árabe e muçulmana. Azeem é representado como um muçulmano devoto, inteligente, culto e decente, que luta contra a tirania e que mantém sua palavra, honrando sua fé e sua família. Shaheen também elogiou Robin de Locksley quando ele comenta sobre a bravura dos soldados muçulmanos nas Cruzadas, dizendo que "um homem defendendo sua casa vale mais do que dez soldados pagos".


3. Hipotermia
Robin decide acatar ao pedido de Lady Marian e tomar um banho numa cachoeira. Mas a bunda que vemos no lago abaixo da queda d'água é de seu dublê. A água estava tão gelada, já que a equipe estava gravando no outono, que a produção ficou preocupada com uma possível hipotermia de Costner. Perto do fim das gravações, Costner quebrou o nariz quando o cavalo onde estava montado, na fuga da propriedade de Lady Marian com Azeem e Duncan, empinou e o atingiu bem no meio da cara.


2. Lady Marian
Elizabeth Hurley, Patsy Kensit, Nicole Kidman, Mathilda May, Amanda Pays, Joely Richardson, Ally Sheedy e Sophie Marceau fizeram testes para o papel de Lady Marian, prima do rei Ricardo e a única coisa impedindo o xerife de Nottingham de tomar o trono. Mas o papel acabou ficando com Robin Wright, a eterna Princesa Prometida. Porém a atriz estava grávida quando a produção começou e precisou abandonar o papel. Mary Elizabeth Mastrantonio ganhou o papel apenas quatro dias antes das gravações começarem. Na época a atriz morava em Londres (na mesma rua de Alan Rickman) e conseguiu imitar um sotaque britânico bem competente.


1. Jerusalém
A cena de abertura em Jerusalém em 1194 retrata corretamente a cidade como sendo controlada pelos muçulmanos. Jerusalém fora capturada por Saladino em 2 de outubro de 1187. No começo do filme, Mortianna diz ao xerife de Nottingham que "o Coração de Leão retorna" da Terceira Cruzada. O verdadeiro rei Ricardo retornou à Inglaterra em 1194 (e ele não era um sexagenário como Sean Connery). Na cena do casamento, o rei aparece usando um manto com as Armas Reais da Inglaterra, consistindo em três leões dourados alinhados verticalmente e com a cabeça voltada para o expectador. Ricardo, provavelmente, usaria algo semelhante, tanto que os leões ainda fazem parte da heráldica britânica.

Tem na Netflix, bora assistir??



I'M GONNA CUT YOUR HEART OUT WITH A SPOON! 🥄


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Geralmente eu passo quando se tratam de filmes sobre o Rei Arthur ou sobre Robin Hood, mas a matéria me deu curiosidade para rever esse filme (e outros com essas temáticas) o que farei, com certeza!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.