Resenha: O homem que morreu duas vezes, de Richard Osman

E os aposentados mais divertidos da literatura estão de volta em uma nova e inusitada aventura! Curti tanto o primeiro livro, O Clube do Crime das Quintas-Feiras, que decidi pegar o próximo, que também não decepciona! Nossos intrépidos aposentados se envolverão em uma trama de espionagem que vale nada menos que 20 milhões de libras!





O livro
Elizabeth, Ibrahim, Joyce e Ron já estão aposentados. Viveram suas vidas, educaram seus filhos e agora moram em um retiro de alto padrão, em Kent, na Inglaterra, chamado Cooper's Chase. Toda quinta-feira, o grupo se reúne para discutir casos de crimes não solucionados. Eles não têm medo do perigo e jogam contra as regras, o que deixam seus amigos, os policiais Donna e Chris, desesperados para poder fechar seus casos sem cometer ilegalidades.

Resenha: O Homem Que Morreu Duas Vezes, de Richard Osman


Um dia, em uma das reuniões do grupo, Elizabeth recebe uma carta. Mas a carta é assinada por alguém que ela sabe que já morreu. E pensa que, quem assinou a carta não apenas conhece seu passado como a conhece muito bem. É quando ela se depara com um antigo agente com quem trabalhou que cometeu uma grande burrada: roubou 20 milhões de libras em diamantes da máfia. E agora a máfia está atrás deles e é o grupo de Elizabeth que vai ajudar a protegê-lo, junto da jovem agente que o escolta, Poppy.

Uma coisa que comentei na resenha do livro anterior é que eu gostaria de saber mais sobre Elizabeth, uma personagem muito inteligente, cheia de artimanhas, que ama profundamente o marido, Stephen, que sofre de demência e que ainda arruma tempo para investigar crimes sem o menor pudor de ir contra as leis. E Osman nos entrega isso! Ficamos sabendo mais sobre o passado de Elizabeth, seu antigo trabalho na espionagem e um pouco mais sobre algumas de suas missões. Imagino que para uma agente secreta se aposentar ela tenha que ser muito esperta, em especial devido aos riscos de tal emprego. E o que faz de sutileza em Elizabeth sobre em Joyce, que parece aquela vovozinha gentil que assa biscoitos para o neto quando eles chegam nos finais de semana. Mas não se engane, Joyce é perspicaz e esperta, sacando coisas que às vezes seus colegas não perceberam.

Ron e Ibrahim também aparecem, ainda que Ibrahim esteja menos evidente do que no primeiro livro. Ron está ainda mais ácido e ligeiro do que no primeiro livro e se preocupa em ver o amigo recluso em casa. Foi interessante a discussão levantada pelo autor de como o mundo pode ser assustador para as pessoas mais velhas, que acabam sozinhas e sem ajuda. Ron está lá por Ibrahim, bem como Joyce e Elizabeth, mas nem tudo será fácil. Será preciso, digamos, burlar algumas leis para poder ajudar o amigo a superar o trauma. Existem outras discussões como a dificuldade deles com a tecnologia e como ela pode parecer boa e confusa ao mesmo tempo que acabaram muito engraçadas.

Enquanto o começo do primeiro livro é meio confuso e o seu final é um tanto aberto, sem grandes resoluções, esse aqui é muito mais tranquilo e, acredito, até melhor escrito, com as coisas em seu devido lugar e um mistério que você quer desvendar junto do grupo. Tudo acontece no seu tempo, sem atropelos, com aquele humor britânico ácido bastante conhecido. Ri alto, por exemplo, quando Ron diz que pombos são todos eleitores do Partido Conservador. Também senti uma carga dramática um pouco maior quando um deles sofre um assalto e acaba hospitalizado e o grupo fará de tudo para colocar o ladrão atrás das grades. Farão de tudo MESMO!

Dizem que um homem em busca de vingança deveria cavar duas covas e isso com certeza é verdade.

O grupo intrépido então se vê às voltas com vários crimes. E lidarão com eles com sua elegância, perspicácia e inteligência. Além das pulseirinhas da amizade de Joyce, é claro. Mortes suspeitas acontecem e o grupo parte em busca de um assassino implacável que parece estar sempre um passo a frente de todos eles. Suspeitos são vários, mas quem teria a motivação e a oportunidade? A forma como Osman conduz o enredo é muito divertida, apontando para várias direções sem ser óbvio e quando as coisas se resolvem, há uma sensação boa de que tudo acabou como deveria.

A ação aqui não se passa tanto dentro de Cooper's Chase. Desta vez, a cidade de Fairhaven é o cenário principal para o clube do crime e até gostaria de um mapa que mostrasse as imediações e os locais onde os eventos acontecem. A escrita ágil de Osman e as tiradas sarcásticas do grupo fazem do livro uma leitura saborosa e impossível de largar. Li o ebook e não o livro físico, mas não encontrei problemas de revisão ou diagramação. A tradução é de Jaime Biaggio e está ótima!


Obra e realidade
Comentei na resenha anterior que adoro livros com personagens mais velhos. Minha personagem Rosa, a capitã do cargueiro comercial Amaterasu, é uma saudável senhora de 90 anos (mas com carinha de 45) em um futuro onde a humanidade conseguiu expandir a longevidade, ainda que não tenha conseguido abolir a morte. Com uma sociedade como a nossa, que cada vez fica mais velha, nossa forma de enxergar a velhice também está mudando.

Li outro dia que os 60 são os novos 40. Pessoas com mais de 60 anos estão voltando para a faculdade, viajando, abrindo negócios, escrevendo livros. Aquele estereótipo de idosos jogando dominó na praça está começando a mudar, dando espaço para pessoas ágeis, cheias de vida e que entendem que ainda têm muito o que viver. E viver é algo que os membros do clube do crime, certamente, estão fazendo!

Richard Osman


Richard Thomas Osman é um comediante, produtor, apresentador de televisão, escritor e criador e co-apresentador inglês do programa de perguntas e respostas da BBC One, Pointless.


Pontos positivos
Clube do Crime
É muito divertido
Personagens bem escritos
Pontos negativos

Nenhum!


Título: O homem que morreu duas vezes
Título original em inglês: The Man Who Died Twice
1. O Clube do Crime das Quintas-Feiras
2. O Homem que Morreu Duas Vezes
Autor: Richard Osman
Tradutor: Jaime Biaggio
Editora: Intrínseca
Ano: 2021
Páginas: 400
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
O Clube do Crime das Quintas-Feiras já está sendo produzido para o cinema e espero que este livro também se torne um longa, pois deixaria qualquer James Bond no chinelo! É tão gostoso de ler, que fica difícil parar a leitura até que você chega ao final, com um gostinho de quero mais. Esses septuagenários são mordazes, inteligentes e não têm nada a perder! Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!


MUITO BOM!


Até mais! 👓


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.