Resenha: O Aprendiz de Assassino, de Robin Hobb

Eu já conhecia a saga quando era de outra editora, mas admito que enredos de fantasia costumam me dar certa preguiça. Eu reluto muito em começar algumas leituras, porque muita magia e povos fantásticos me cansam e muito. Felizmente, o enredo de O Aprendiz de Assassino tem um enredo bem pé no chão, do jeito que eu curto, contando a história do bastardo Fitz e os problemas dos Seis Ducados.



Parceria Momentum Saga e
Editora Suma


O livro
Fitz é um bastardo. Filho do herdeiro dos Seis Ducados, príncipe Chivalry, ele tem apenas seis anos quando seu avô o arrasta até um prédio, ignorando as súplicas da filha. Por seis anos cuidou e alimentou do garoto, até que resolveu dar um basta e abandona o menino pequeno e perdido aos pés de um guarda para nunca mais voltar. Quem nos conta essa passagem tão triste é o próprio Fitz, o narrador do livro, que está escrevendo sobre sua história e essa memória é sua primeira. Seus anos antes disso, simplesmente, foram apagados.

Resenha: O Aprendiz de Assassino, de Robin Hobb

O escândalo na corte foi tão grande - pois, afinal, como pode o príncipe Chilvary, tão valoroso, apaixonado pela esposa, ter tido um filho fora do casamento infértil dos dois? - que o príncipe abdica do trono e se muda para o campo com a esposa, lady Patience. Nem chega a conhecer o filho que é passado de mão em mão, sem que as pessoas saibam exatamente o que fazer com ele, até que cai nas mãos do tratador de cães e mestre dos estábulos reais, Burrich, um homem bruto, mas bom, que coloca o garoto sob seus cuidados. Algumas das melhores cenas do livro é entre Fitz e Burrich, inclusive.

Aprender nunca é errado. Mesmo aprender como matar não é errado. Ou certo. É apenas uma coisa, aprender algo que eu posso te ensinar. É isso.

Página 74

Uma primeira coisa que se nota no livro é como a história de Fitz é triste e sozinha. Em alguns momentos ele comenta o quanto era solitário e como a companhia dos animais supria um pouco essa carência. Tinha uma cama quente, comida, contato com os animais, mas não tinha amigos, carinho ou amor de quem quer que fosse. Burrich é um homem bruto pelas circunstâncias, comprometido em tornar Fitz um bom homem e muito fiel ao príncipe Chilvary, mas ele mesmo não sabe como criar uma criança além dos cuidados básicos. Por ser um bastardo, Fitz era visto com desconfiança, tratado com grosseira por muita gente.

Justamente por ser um bastardo, ele era um perigo para o rei Shrewd, que resolve então colocá-lo a seu serviço ao invés de ter um rapaz com sangue real solto no mundo. É uma jogada inteligente, sem dúvida, entretanto tornará a vida de Fitz infinitamente mais complicada conforme os perigos se aproximam da costa dos Seis Ducados. Uma ameaça chega pelo mar, o que vai desafiar o rei, seus filhos e o próprio Fitz. É só uma pena que não temos a resposta para o que está acontecendo neste volume, por isso fiquei com essa sensação de este ser um grande livro introdutório para te preparar para o que está vindo de verdade.

A escrita de Robin às vezes é bem cansativa. O tom geral do livro me pareceu o de ser uma grande introdução para o que Fitz virá a ser e fazer quando for adulto. Passamos por tudo isso para compreender como ele se torna o assassino do rei. A narrativa segue aquele modelo padrão das fantasias, onde o protagonista passa por um período em treinamento ou estudos, com os bons e e velhos clichês do gênero, como os conflitos entre mestre e seu aluno, chegando ao momento em que o protagonista brilha e exerce sua função, resolvendo seus conflitos. O livro deixa várias perguntas em aberto e acho que é o que segura as leitoras para os volumes seguintes.

Entretanto, os eventos são bem amarrados, o personagem de Fitz é bem escrito e cativante e mesmo que a escrita de Robin demore a engatar, você quer saber o que vai acontecer a Fitz, a Burrich, a Ferreirinho (cachorrinho de Fitz) e à situação de conflito em que os Seis Ducados se enfiaram contra o povo dos Navios Vermelhos. Fitz não é aquele herói valoroso que consegue resolver as coisas no último minuto, ele falha, comete erros e foi bem construído por Robin. Algumas coisas a se destacar: uma é a baixa presença de mulheres na trama. As que aparecem são pontuais e estão em posições costumeiras em livros do tipo: princesa, lady, cozinheira e interesse romântico impossível. A mestre de armas do rei mal aparece, o que é uma pena. Achei uma oportunidade perdida de Robin em escrever personagens femininas vibrantes e interessantes, pois todas as que aparecem são apenas coadjuvantes, o resto é uma torcida organizada só com homens.

O livro da Suma tem uma capa bem bonita, com arte de Cláudia Espínola de Carvalho e em prateado, inclusive na lombada. Há um mapa com os Seis Ducados, parte do continente, seus rios e ilhas e no final um glossário com os nomes dos personagens e sua tradução. Nas edições anteriores, os editores optaram por traduzir os nomes dos personagens para o português, mas a Suma preferiu deixar no inglês. Acho que eu teria traduzido, pois alguns nomes foram e outros nãos. Ficou fora de um padrão. O livro merece uma revisão mais cuidadosa, existem alguns erros bobos pela leitura. A tradução foi de Orlando Moreira e está muito boa.


Ficção e realidade
Os dramas políticos do livro são um ponto forte e você acaba se deixando levar por eles. Essa é uma característica que sempre me agrada em livros, sejam de FC, sejam de Fantasia. A política fictícia nunca é totalmente ficção se nós olharmos para nosso mundo. E não tem como não transportar isso para as páginas de um livro. É só uma pena que Robin escreva de maneira tão tradicional. Acho que o livro é bem escrito, bem fechado e com questões que nos instigam a ler o livro seguinte, mas achei uma obra bem padrãozinho, um livro bem de garoto nerd começando na fantasia, sabe? Espero que nos volumes seguintes ela inove mais.

Robin Hobb

Robin Hobb é o pseudônimo de Margaret Astrid Lindholm Ogden. Autora de fantasia, tem vários livros publicados dentro do mesmo universo

É um mau professor aquele que tenta instruir com golpes e ameaças.

Página 229

Pontos positivos
Fitz
Ferreirinho
Universo dos Seis Ducados
Pontos negativos

Leitura lenta
Perguntas em aberto

Título: O Aprendiz de Assassino
Título original em inglês: Assassin's Apprentice
Autora: Robin Hobb
Trilogia Farseer
1. O Aprendiz de Assassino
2. O Assassino do Rei
3. A Fúria do Assassino
Tradutor: Orlando Moreira
Editora: Suma
Páginas: 376
Ano de lançamento: 2019
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Foi uma leitura muito boa, apesar do começo lento. Você acaba continuando porque se apega a Fitz e sua vida solitária. Há momentos que tudo o que você quer é dar um abraço nesse garoto e dizer que vai ficar tudo bem! Agora terei que ler o próximo, não tem jeito. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!

MUITO BOM!

Até mais!



Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.