Resenha: O Diário de Nisha, de Veera Hiranandani

Quando o selo DarkLove, da editora DarkSide, lança um livro, já me preparo mentalmente para o abalo emocional, porque ele sempre vem. Com O Diário de Nisha não foi diferente. Enquanto viramos as páginas do diário da protagonista, vemos pelos olhos de uma criança os efeitos da política, do preconceito e da perseguição.



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Índia Britânica, 1947. Nisha é uma garotinha de 12 anos que mora com o pai, a avó e o irmão em uma casa espaçosa, na cidade de Mirpur Khas. Se hoje a cidade está na província de Sindh no Paquistão, na época não havia Paquistão. Mas isso também está prestes a mudar. O turbilhão político e social daqueles dias está chegando à casa de Nisha. Seu pai é médico e hindu. Sua mãe, muçulmana, morreu no parto de Nisha e seu irmão Amil. O pai é um pouco distante das crianças, sobrando para os filhos a companhia da avó e do cozinheiro e zelador da casa, Kazi.

Resenha: O Diário de Nisha, de Veera Hiranandani

Nisha ganhou um diário de Kazi e começa a escrever nele no dia de seu aniversário, 14 de julho de 1947. Ela é uma garotinha quieta, que gosta de observar as pessoas e o diário acaba dando vazão aos seus sentimentos e medos. É pelas páginas deste diário que acompanhamos as mudanças políticas e o medo crescente da família hindu que é obrigada a deixar tudo para trás para poder sobreviver.

Falar é assustador porque, quando as palavras são ditas, não podemos pegá-las de volta.

Página 21

Seu irmão Amil é quem lhe passa muitas das informações que lemos, como a perseguição entre hindus, sikhs e muçulmanos. Com o tempo, sair à rua se torna perigoso, já que as pessoas não toleram mais os hindus. Até que chega o momento em que eles precisam abandonar a própria casa, levando apenas o que podem carregar para uma perigosa jornada até o lado indiano, onde poderão sobreviver.

Não precisamos estudar a história da Partição da Índia para notar que a situação de Nisha não é tão diferente de tantas crianças que precisaram sair de suas casas para acompanhar a família em uma jornada perigosa e muitas vezes letal para fugir da guerra, da violência, da fome e da miséria. Quantas delas não estão lá fora, em barcos ou em tendas à beira das estradas, com fome, com frio ou doentes? Quantas estão sozinhas, vagando, pois se perdeu da família ou por que viram a família morrer?

Nisha representa cada uma dessas crianças, desde aquelas que desapareceram em Calais, até aquelas que ganharam uma nova chance em um novo país. Na segurança de nossas casas, é difícil imaginar que pessoas negariam água para uma criança, mas não apenas isso acontece como é absurdamente comum. Nem precisa estar em uma zona de guerra.

A família de Nisha pode ser fictícia, mas os eventos ao seu redor são reais. Cerca de 14 milhões de pessoas precisaram atravessar as fronteiras e é possível que um milhão e até mais tenham morrido na travessia, de fome, de sede ou devido à violência. As experiências vividas pela família de Nisha são inspiradas na história do pai de Veera, que também precisou fazer a travessia na época. Perderam a casa, mas chegaram em segurança do outro lado, fazendo exatamente o mesmo trajeto. Em vários momentos nessa travessia eu me peguei chorando e acho que você vai se emocionar também.

A autora criou personagens apaixonantes, cada um com sua característica. Queria ter lido mais informações sobre a avó ou o pai, mas ficamos limitados pela visão de Nisha e o que ela escolheu dividir em seu diário. No começo temos um mapa (o qual eu pude dar uma opinada antes da impressão!) para entender como foi a jornada da família em busca de um lugar seguro para viver. Nisha tem apenas 12 anos, portanto fala e escreve como tal, então não estranhe a narrativa que possa parecer infantil em alguns momentos.

Este deve ser um dos livros mais bonitos que a DarkSide já fez. Cada detalhe ficou perfeito, da impressão delicada na brochura aos detalhes da capa e a decoração das contracapas. Você parece mesmo segurar um diário nas mãos. Capa macia, com a fitinha para marcar e um glossário no final com termos usados pela autora ao longo da narrativa. A tradução ficou na mão de Débora Isidoro e está ótima. Quase não há problemas de revisão ou tradução no livro.

Agora parece que estamos mesmo em uma história. Ouvi histórias como essa, sobre pessoas que fogem de suas casas durante a guerra levando apenas a roupa do corpo e comida. Agora somos essas pessoas, embora não haja uma guerra aqui, mas é como se fosse uma guerra. Parece quase uma guerra inventada.

Página 126


Ficção e realidade
Quando eu estava no mestrado, um intercâmbio científico trouxe vários paleontólogos indianos para o Brasil. Um dia, conversando sobre a situação política de nossos dois países, um desses paleontólogos disse que a situação atual da Índia, como a pobreza e a superpopulação, é por causa dos muçulmanos e que por ele não vivia um em seu país. Conforme lia O Diário de Nisha, com toda a violência entre os dois lados, a incompreensão de Nisha sobre o que estava acontecendo e porque de repente todos brigavam uns com os outros, me lembrei dessa fala.

Se na época da partição as acusações mútuas já existiam, ao que parece elas ainda permanecem entre o povo. E essa fala veio de um homem instruído, com doutorado e acesso a informação. As camadas mais pobres são ainda mais extremas no preconceito.

Veera Hiranandani

Veera Hiranandani é uma escritora norte-americana de livros juvenis e para jovens adultos. Vinda de uma família multicultural, era uma tímida adolescente que curtia videogames e leituras.


Pontos positivos
Partição da Índia
Nisha e sua família
Discussões sobre política e preconceito
Pontos negativos

Acaba logo!
Preço

Título: O Diário de Nisha
Título original em inglês: The Night Diary
Autora: Veera Hiranandani
Tradutora: Débora Isidoro
Editora: DarkSide (selo DarkLove)
Ano: 2019
Páginas: 288
Onde comprar: na Amazon ou na loja da DarkSide com brinde exclusivo!


Avaliação do MS?
Como discutir política e preconceito com adolescentes e jovens adultos? Aqui está um excelente exemplo. Pela visão de uma criança, acompanhamos as transformações dos dois países, a luta pela sobrevivência, o desejo pela liberdade e pela união, a violência e a ignorância que ainda estão longe de acabar. É um livro para todas idades, não apenas para os jovens. Prepare os lencinhos, você vai chorar também! Cinco aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!

MARAVILHOSO!

Até mais! 🌺

Quando você divide as pessoas, elas escolhem lados.

Página 55


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.