Resenha: Uma casa no fundo de um lago, de Josh Malerman

Caixa de Pássaros foi um livro angustiante. Eu o devorei em um dia ou dois, incapaz de parar de virar as páginas. Foi por isso que quis ler Uma casa no fundo de um lago, já que o estilo do autor tinha me cativado. Mas algo aqui não deu muito certo...






Este livro foi uma cortesia da Editora Intrínseca


O livro
Esse não é bem um livro, é mais um conto, pois são apenas 160 páginas. James e Amelia são dois adolescentes que marcam um encontro. James tenta ser romântico e a convida para andar no lago, usando o barco do tio dele. Estão navegando no barquinho tímido quando percebem que não são apenas dois lados interconectados, não três. O terceiro mal é visível para quem está navegando. E logicamente os dois estão curiosos demais para deixarem para lá.



Quando chegam do outro lado depois de passarem por uma estreita passagem, eles percebem como o lugar é diferente do restante do lago. Parece lúgubre, isolado demais. Mas isso não é o mais perturbador, mas sim o fato de haver uma casa inteira, com janelas, portas, móveis e objetos no fundo do lado. Impossível resistir à tentação juvenil de investigar, certo? A casa se torna uma obsessão dos dois, que se revesam nadando até ela.

Só porque a casa está vazia, não significa que não tem ninguém dentro.

As ações acontecem bem rápido aqui, até pelo tamanho da história. Você nem espera muito para que a casa e seu mistério apareçam. Isso não teria me incomodado se não fossem os diálogos imaturos e inúteis em várias partes do livro. A investigação da casa pelos adolescentes começa a mostrar coisas esquisitas, como o fato de a casa não ter nenhum objeto flutuando. Estão todos firmes em seus lugares, até mesmo as roupas.

Apesar dos problemas, o mistério da casa tinha me fisgado, mas aí você chega ao final, e a história não entrega o que prometeu. Ela termina de um jeito que merecia mais explicações do que simplesmente acabar daquela forma. Para quem escreveu Caixa de Pássaros, este livro não parecia ser algo do mesmo autor. Ele não precisava explicar a trama, podia ter feito o que fez em Caixa de Pássaros e dar apenas as pistas e deixar que nossas mentes completassem os espaços. Mas não, ele não fez isso.

A coisa toda termina abruptamente, sem mais nem menos. Se a casa tinha alguma coisa morando dentro dela você não sabe quem ou porque, se a casa era uma passagem interdimensional, você não fica sabendo, se a casa era um refúgio dos medos do jovem casal, você não fica sabendo. Como eu disse, ela acaba assim, do nada. Cheguei ao final sem saber o que tinha lido.

A edição da Intrínseca está bem caprichada, com uma arte muito bonita e perturbadora da casa na capa e na contracapa. Por dentro, gotas d'água completam o projeto gráfico. Uma pena que um projeto tão legal não combinou com o enredo.


Ficção e realidade
Josh é autor de contos, novelas e romances e vocalista e compositor na banda The High Strung. Fiquei triste de não ter gostado desse livro, pois Caixa de Pássaros me fisgou de verdade. E sei que muita gente odiou o livro. Acredito que sejam apenas estilos diferentes. No caso dessa casa misteriosa e o lago esquisito, Josh parece ter se perdido no enredo e acabou finalizando de forma diferente de quando começou. Nossa história não acaba aqui, rapaz.

Josh Malerman
Josh Malerman

O que havia com as estrelas que, não importava quando iluminassem o céu noturno, não conseguiam eliminar a noite?

Página 90


Pontos positivos

Capa
Projeto gráfico
Pontos negativos
Final em aberto
Diálogos pobres
Personagens rasos

Título: Uma casa no fundo de um lago
Título original em inglês: A House at the Bottom of a Lake
Autor: Josh Malerman
Tradutor: Fabiana Colasanti
Editora: Intrínseca
Páginas: 160
Ano de lançamento: 2018
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
É, que pena mesmo. Quando você sabe que o autor tem muito potencial e ele não consegue é sempre triste de ler. O que deu certo em outros livros, não deu aqui. Paciência. Dois aliens apenas.



Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

7 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite,
    Quando terminei, eu pensei " não é possível, vou reler esse ultimo capitulo, perdi algo... ta muito sem nexo, fiquei confuso, fiquei biruto, não sei ler" Até que percebi que não perdi nada e resolvi buscar informações e não a encontrei e por fim achei esse blog, que me fez imaginar que não estou só nessa lambança, rs agora irei ler A CAIXA DE PÁSSAROS, ha... Obrigado pelo blog!!

    ResponderExcluir
  2. Tive a mesma sensação e a gente até tenta arranjar alguma desculpa para esse final. Achar que foi alguma metáfora, mas estou começando a crer que foi só uma história muito da mal contada mesmo. Josh Marleman bebeu muita água de lago quando escreveu.

    ResponderExcluir
  3. Acabo de ler e ando procurando respostas para aquele fim. Nunca li um livro de fim vago porque até então leio livros juvenis, de fantasia ou romance. Mas após está leitura eu não sei definitivamente o que pensar ou como esquecer que o fim foi daquele modo, com tantos pontos em aberto, com tantas lacunas não preenchidas.

    ResponderExcluir
  4. O livro me deixou verdadeiramente intrigada... De início tive a mesma sensação. "Cadê o final?". Em um segundo momento interpretei o livro de uma forma diferente, a casa é uma alusão ao relacionamento do casal, sobre primeiros amores. De início há curiosidade, há medo, nervosismo e empolgação. Depois a vontade de ir a fundo, a conexão, o medo de perder, sensação de vício. Até que promessas são quebradas em uma porta que não deveria ser aberta, perguntas que não deveriam ser ditas em voz alta e sobra um vazio. A quebra da ilusão. O fim. Ambos se sentiram culpados, tristes em terminar, mas sabiam que estavam fazendo a coisa certa. Seguir em frente. MAS QUAL SERIA A EXPLICAÇÃO DA PORRA DA CASA (a mesma do fundo do lago) NA RUA??????? HAHAHAHA Talvez eu tenha viajado... Mas essa foi a minha melhor interpretação... Alguém mais pensa assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No desespero de conseguir um final pra essa loucura, fui pro mesmo caminho.
      Quando estava na parte em que eles terminaram, eu já tinha aceitado que tudo não tinha passado de uma metáfora (apesar de não ter achado nenhuma que se encaixasse na criatura de cera KKKKKK, talvez ela fosse o algo proibido que eles não deveriam ter descoberto e isso ocasionou o fim definitivo do relacionamento), mas aí, DO NADA, A CASA NA RUA?
      Eu também estava esperando isso, mas quebrou todas as minhas teorias KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Excluir
  5. Terminei de ler hoje. Concordo com o vazio dos personagens. Nada, se não os momentos de adrenalina em que exploram a casa, me fizeram querer continuar lendo o livro. Nenhum personagem, como Malorie em Caixa de Pássaros (que inclusive eu amei, mesmo o final).
    Quando li o final, fiquei mais surpreso do que achei que poderia.
    Eu já havia entendido que Josh tenta criar finais ruins, como uma diversão. E senti isso quando a casa sumiu. "Okay, ele fez de novo".
    MAS, QUANDO AMELIA ENCONTRA A CASA NA RUA... Se ao menos tivessem explicado algo, mostrado algo mais sobrenatural, ou então tivessem entrado na casa e a "coisa" de cera tivesse falado com eles... Mas não aconteceu nada que ligasse a casa com a do lago. Na verdade não aconteceu nada. Ponto kk
    Terrível!

    ResponderExcluir
  6. Eu terminei agora o livro, vim correndo para a internet para ver se tinha algum tipo de continuação do livro, pelo visto não né.
    Encontrei o blog e percebi que a maioria aqui está como eu estou neste momento, cheia de perguntas e meio blé com esse final sem sal, o livro me prendeu um pouco, mas pra mim faltou aquele algo mais, e sinceramente eu esperei mais, muito mais e ai recebi o menos, beeem menos, chateada viu, acabou sem pé nem cabeça, me deixou com várias perguntas, será que se eu enxer a caixa do Josh de mensagens ele me esclarece kkkkkkk sqn né... Se alguém descobrir o significado desse livro doido alguém grita ai que quero entender também

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.