Resenha: Uma Dobra no Tempo, de Madeleine L'Engle e Hope Larson

quinta-feira, junho 07, 2018

Madeleine L'Engle publicou mais de 60 livros durante a carreira, mas Uma Dobra no Tempo deve ser o mais conhecido. Recentemente ganhou uma mega produção, com grande elenco e direção, além de duas grandes edições em português: uma pela Harper Collins Brasil, que já tem resenha aqui no blog e a outra uma linda graphic novel pela editora DarkSide e pelas mãos de Hope Larson.



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Meg Murry e seu irmão mais novo, Charles Wallace, conversam na cozinha em uma noite tempestuosa. O vento sacode as janelas e trovões assustam Meg, que tenta esquecer o medo enquanto seu irmão lhe prepara um lanche. Sua mãe, uma cientista, desce e resolve fazer um lanche com eles também, enquanto os gêmeos estão dormindo. Charles é um garotinho especial, que sempre sabe como a irmã se sente, que algumas pessoas até considera estranho. A família, porém, é assolada pela curiosidade alheia desde que o pai, outro cientista, trabalhando para o governo, desapareceu. Para o tempo em que o livro foi publicado, ter tanto mãe e pai como cientistas e uma menininha como protagonista foi bem audacioso.


É nessa noite de tempestade que alguém bate à porta. É a Sra. Quequeé, estranha, irreverente, que se abriga da chuva momentaneamente e deixa uma estranha mensagem para a Sra. Murry: o tesserato é real. Meg não compreende o que isso quer dizer, nem como Charles pode saber tanto sobre a Sra. Quequeé e suas outras amigas. Enquanto os dois cruzavam a floresta na direção da casa da Sra. Quequeé, eles conhecem Calvin, vindo de um lar infeliz e que se apega rapidamente aos irmãos Meg e Charles.

O tom religioso que a autora enfia em alguns diálogos foram chatos para mim, até porque eles parecem desconectados do enredo em vários momentos. O contexto de ter uma garotinha como a heroína de sua própria história, capaz de salvar os outros, por sua vez, é algo que tem grande apelo. E o traço de Hope Larson, os lindos tons de azul dos quadros que são bastante dinâmicos, acabou dando à história o dinamismo que ela precisava. As três crianças se unem sob a tutela das misteriosas mulheres e partem em uma missão para resgatar o pai de Meg e Charles.

Charles continua o garoto inteligente e insuportável de sempre, seguido de Meg. Meg se comporta como uma criança pressionada muitas vezes se comporta: teimosa, contrariada, berrando e tentado chamar a atenção, lutando para compreender um universo que parece complicado demais. Às vezes autores descrevem crianças como pequenos adultos, e sabemos bem que crianças são, bem, crianças. E seus comportamentos, muitas vezes serão extremos pela própria imaturidade.

Esta edição da DarkSide está lindíssima, com capa dura em detalhes brilhantes e brochura colorida em azul e roxo. Os quadros e personagens são todos em azul e preto. Amei o traço de Hope, tanto que algumas passagens que me pareceram confusas no livro ficaram bem mais claras nesta graphic novel. Vem com fitinha de marcar como de costume.

Ficção e realidade
Uma Dobra no Tempo foi recusado por várias editoras. Não só por ter uma autora mulher, mas por ter uma menina como protagonista. Parece inacreditável que uma autora com tantos livros publicados tenha recebido tantas rejeições, mas se pensarmos que até JK Rowling foi recusada, este não se mostra um fato isolado.


O livro também prova que é sim possível escrever sobre temas complexos para crianças com uma linguagem acessível. Há vários temas em Uma Dobra no Tempo que foram bem descritas e entregue aos jovens: medo, opressão, ditadura, família, sobrenatural. Não devemos subestimar a capacidade de compreensão dos pequenos, eles sacam as coisas e sacam muito bem.

Pontos positivos
Protagonista feminina
Lindamente ilustrado
Personagens fortes e bem escritos
Pontos negativos

Tom religioso


Título: Uma Dobra no Tempo
Título original em inglês: A Wrinkle in Time: The Graphic Novel
Autoras: Madeleine L'Engle e Hope Larson
Tradutor: Érico Assis
Editora: DarkSide
Páginas: 392
Ano de lançamento: 2018
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Consegui curtir a jornada de Meg e sua família muito mais com esta graphic novel. Não apenas o traço de Hope Larson é lindo, como a escolha das cores casou bem com o enredo e com os mistérios do espaço. Adoraria ver outras graphic novels dos livros seguintes, além de mais aventuras de Meg e Charles. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais! 💀

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

Deixe seu comentário!

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes