Resenha: De volta para casa, de Seanan McGuire

quinta-feira, março 29, 2018

São poucos os livros que ganharam os três principais prêmios de ficção especulativa - Hugo, Nebulla e Locus - e De volta para casa é um destes livros. É um livro curto, de leitura rápida, mas que consegue ser muito rico na forma como explora mundos paralelos e a relação que as crianças possuem com eles. Você, muito provavelmente, tinha seu mundo particular quando criança, fugindo para ele nos momentos em que o mundo real parecia ser insuportável, não é? A premissa aqui é basicamente essa.



Parceria Momentum Saga e
Editora Morro Branco


O livro
Começamos a jornada acompanhando Nancy, que chega a uma escola nova, enviada pelos pais. Mas esta é uma escola especial. Ela abriga jovens que viajaram para mundos incríveis e foram obrigadas a voltar para o mundo atual. Pense: e se você encontrasse uma porta para um incrível mundo que corresponda aos seus desejos mais profundos? Agora pense ser obrigada a voltar? Se sentiria perdida, incompleta, em busca daquela porta maravilhosa. É basicamente isso que acomete a todos os alunos na escola de Eleanor, a dona e administradora.


Enquanto na neste mundo nós temos os pontos cardeis, eles não funcionam na maioria dos portais para onde as crianças atravessam. Ao invés de Norte, Sul, Leste e Oeste, há Absurdo, Lógica, Malícia e Virtude e tudo o mais que pode haver entre eles, um convergindo para influenciar o outro. Tanta diversidade de mundos se reflete também na diversidade de alunos desta escola, onde a maioria é composta por meninas e há inclusive uma explicação bem interessante para isso, relacionada ao modo como que meninos e meninas são criados.

Nesta escola com crianças tão diversas e estranhas entre si, porém, começa a acontecer uma série de assassinatos bizarros, onde partes dos corpos estão sendo retiradas dos cadáveres. O terror toma conta e, paranoicas e assustadas, algumas alunas culpam Nancy, a garota que veio do mundo dos mortos e que espera voltar para sua verdadeira casa um dia, longe dos pais que não a compreendem. Cada aluna e aluno desta escola tem uma história de incompreensão da parte de pais ou responsáveis. E você consegue ouvir um eco disso na infância, quando nossos pais simplesmente não nos ouviam ou nos acusavam de mentir mesmo quando falávamos a verdade.

E daí se fossem loucos? Este mundo é implacável e cruel com aqueles que julgam estar minimamente fora das normas.

Página 104

Um dos ensinamentos do livro é que nem tudo é o que parece. O segundo é que devemos respeitar as pessoas pelo o que elas são e há momentos de intenso preconceito da parte de algumas alunas, o que não está nem um pouco distante da realidade. Cada jovem e criança ali está sob intensa pressão e estresse, não só pelos crimes em si, mas pela vontade de reencontrar sua porta.

Senti que a forma como a Seanan deu detalhes sobre este mundo foi muito abrupta. Fiquei perdida por um bom tempo durante a leitura, tentando entender a lógica - ou a falta de - que governava os tais mundos além das portas mágicas. Por ser uma novela e por ter poucas páginas, as ações vão acontecendo seguidamente, enquanto vamos conhecer melhor os personagens que foram bem trabalhados. Alguns detalhes poderiam ter sido adicionados para sanar isso.

Há um problema de revisão. Em alguns momentos faltam palavras que podem inclusive prejudicar o bom andamento da leitura e espero que a editora consiga corrigi-los para uma segunda edição. Ele vem em capa dura, com um ótimo projeto gráfico e diagramação.

Ficção e realidade
A história das portas mágicas que conduzem crianças a novos mundos não é nova, como podemos ver em As Crônicas de Nárnia. Acredito que o que difere o livro de Seanan de outros é a forma como ela aborda a diversidade de seus personagens e como isso pode influenciar na forma como elas viajam para outros mundos. Alguns personagens não foram totalmente bem aceitos do outro lado e precisaram voltar para este mundo simplesmente por serem quem eram.

Seanan McGuire

Outra coisa interessante é mostrar que livros para crianças e jovens podem tratar de temas adultos sem insultar a inteligência de seus leitores. Crianças sabem muito bem diferenciar entre real e imaginário, ao contrário de muitos adultos, que os julgam incompetentes demais para isso. Além disso, preconceito é algo aprendido e se crianças reproduzem este comportamento é porque aprenderam com adultos.

Lembrem-se de que é apenas aprendendo sobre as jornadas dos outros que podemos de fato entender a nossa.

Página 61

Pontos positivos
Diversidade
Personagens bem descritos
Mundos paralelos e fantásticos
Pontos negativos

É curto
Precisa ser melhor revisado

Título: De volta para casa
Título original em inglês: Every Heart a Doorway
Série: Crianças desajustadas
1. De volta para casa
2. Down Among the Sticks and Bones
3. Beneath the Sugar Sky
Autora: Seanan McGuire
Tradutora: Ana Death Duarte
Editora: Morro Branco
Ano: 2018
Páginas: 182
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Se você procura um enredo imaginativo, com crianças que são protagonistas de seus próprios mundos, com diversidade e discussões preciosas sobre preconceito, maturidade e pertencimento, então achou! Mesmo com os problemas pontuais, é uma ótima leitura, deixando um gostinho de quero mais para o próximo volume. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

Deixe seu comentário!

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes