Resenha: Cosmos, de Carl Sagan

sexta-feira, março 16, 2018

Vivemos tempos de desesperança, de falta de perspectiva, de medo. De ódio desmedido, de gente que acha que direitos humanos não deveriam existir, de gente que comemora mortes de inocentes, de ativistas, de mulheres, sem nenhum tipo de pudor e vergonha. Em tempos assim, muitos de nós se refugiam na Netflix, nos livros, na ficção, nos trabalhos manuais, fazendo qualquer coisa para não absorver esse ódio. Cosmos é um daqueles livros que nos dão uma perspectiva, que nos dão um alento em tempos tão perdidos.



Este livro foi uma cortesia da Cia das Letras


O livro
Cosmos já é um clássico literário. Um livro de divulgação científica, de pesquisa histórica e de perspectivas futuras, um livro que inspirou uma geração inteira a se interessar por ciência. O que mantém este livro no topo de todos os outros livros de divulgação científica? Por que ele continua relevante, mesmo com pesquisas e novas informações terem atualizado algumas passagens do livro?


O que encanta em Cosmos é a ânsia que temos em conhecer o lugar que ocupamos no universo, compreender a importância disso para a raça humana enquanto civilização, a necessidade intelectual, emocional e cultural de saber que fazemos parte de algo maior e maravilhoso. É a isso que Cosmos se refere, nosso lugar nele.

A natureza não é de todo imprevisível; existem regras às quais até ela tem de obedecer. Esse caráter ordenado e admirável do universo foi chamado de Cosmos.

Página 226

Estruturado em 13 capítulos, o livro difere um pouco da versão original, já que a ciência avançou muito desde então. Há notas do revisor nos rodapés para adicionar informações mais precisas e corretas quando for necessário. É vital ter um capítulo apenas com notas complementares, então você o consultará com frequência para ler dados adicionais. A qualidade das imagens do livro, lá pelo meio, deixam a desejar, mas por serem da época do lançamento do livro. Na época eram o que havia de melhor de imagens do universo em si. Isso, por sua vez, não desabona o livro, como muitos insistiram em avaliações que andei lendo pela Amazon. Se você quer ver apenas imagens, sem ler nada, melhor acessar o site do telescópio Hubble ou comprar um álbum de figurinhas.

Este é daqueles livros que deviam ser leitura obrigatória, ainda mais em tempos de analfabetismo científico crônico que permeia as redes sociais. É gente negando a evolução, fósseis, até mesmo duvidando que a Terra seja esférica. Carl Sagan acende uma luz nesta escuridão de ignorância nos trazendo a história da ciência, as ideias revolucionárias que povos antigos tiveram a respeito do universo, da Terra, até mesmo como a curvatura foi descoberta usando apenas dois bastões de madeira, o sol e um cérebro para pensar.

O que é mais notável na obra é o fato de Sagan nunca tirar sarro de ideias ou mitos. Ele os traz para o livro para complementar o conhecimento. O mito de ontem era a forma que povos encontraram para explicar o que não compreendiam. A ciência, por sua vez, traz a resposta para as perguntas que os mitos deixaram vazias ou imprecisas. Não devemos descartar o mito, apenas contextualizá-los e nunca levá-los ao pé da letra, como os criacionistas fazem.

A história da própria ciência e da investigação do universo estão presentes no livro. Sagan traz nomes como Tycho Brahe, Kepler, Einstein, Newton, resgata as ideias e observações de pioneiros e mostra como muitos deles influenciaram, negativamente a ciência como Pitágoras. Admito que isso me pegou de surpresa, a forma como seu pensamento e maneira de ver o mundo influenciariam até mesmo o cristianismo e levaria a uma estagnação da ciência que levou séculos para evoluir.

Além disso, Sagan nos leva pelos planetas e pelo sistema solar; fala da possibilidade de vida em Marte, de como muitos entusiastas enxergaram civilizações alienígenas em Vênus e no planeta vermelho; nos traz dados das missões mais importantes como as sondas Voyager, Venera, Pioneer. E ainda aponta para o futuro, em seu otimismo incansável, de unir a raça humana por um bem maior, em uma civilização pacífica e capaz de superar o vazio dos cosmos. Oh, Carl, estamos falhando miseravelmente nisso. Você estaria desapontado com a gente.

Encontrei problemas pontuais de revisão, como letras não batidas, nada que de fato atrapalhe a leitura. A tradução de Paul Geiger está muito boa, com um texto fluído, onde você lê e não vê o tempo passar.

Obra e realidade
Cosmos é mais conhecido como o programa de TV que Sagan protagonizou em 1980. Filmado ao longo de três anos, é a mais bem sucedida obra de divulgação científica já produzida para a televisão. Com uma linguagem fácil, acessível e unida ao carisma de Sagan, a série levou para as salas de TV das famílias o que de mais avançado existia sobre a vida, o universo e tudo mais.

Carl Sagan

A nova edição de Cosmos, que está na Netflix e é protagonizada pelo físico Neil deGrasse Tyson, continua o legado de Sagan com imagens espetaculares, a ciência de ponta, a linguagem acessível e trazendo mais nomes da ciência, inclusive alguns que foram esquecidos, como da astrônoma e astrofísica Cecilia Payne-Gaposchkin, que descobriu do que o Sol e todo o universo são feitos.

A escrita talvez seja a maior das invenções humanas, ligando pessoas, cidadãos de épocas distantes, que nunca se conheceram. Livros rompem correntes do tempo, prova de que humanos podem fazer mágica.

Página 355

Pontos positivos
É Cosmos!
Bem pesquisado e bem escrito
Ciência, mitologia e história
Pontos negativos

Qualidade das imagens

Título: Cosmos
Título original em inglês: Cosmos
Autor: Carl Sagan
Tradutor: Paul Geiger
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 588
Ano de lançamento: 2017
Onde comprar: AmazonCosmos de Carl Sagan

Avaliação do MS?
Esse livro devia ser leitura obrigatória. Uma pena que não é. Todo mundo deveria ter uma edição dessas, deveria ler e reler de tempos em tempos. A escola não nos ensina a ver a ciência como algo próximo de nossa realidade. Isso já afasta a maioria de nós dela, nos torna insensíveis ao deslumbramento que ela pode nos trazer e depois nos torna incapazes de compreender o básico. Mesmo que você já tenha lido, não deixe de ter este livro em casa. Leitura obrigatória!

Até mais, terráqueo!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

3 comentários

  1. Tem razão, deveria ser obrigatória em escolas e eu também preciso ler esta obra. Tenho outros títulos de Sagan aqui em minha biblioteca (como "Variedades da experiência científica", uma boa coletânea transcrita de algumas de suas palestras), mas "Cosmos" ainda não.

    ResponderExcluir
  2. Trabalhei nesse livro e cada resenha que leio, sinto um frio na barriga de não terem gostado... Fico feliz que vc também tenha curtido e recomendado! É um texto incrível.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional seu blog! Outro livro legal é a Dança do Universo do Marcelo Gleiser. Não é um livro novo, mas curti muito. Ah, quando trabalhava com microscopia eletrônica eu fiz imagens de microfósseis para um cliente.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes