Resenha: Encruzilhada, de Kasie West

sexta-feira, abril 21, 2017

Já pensou se você tivesse a habilidade de investigar destinos? Se uma situação de escolha aparecesse na sua frente e sua habilidade lhe desse a melhor opção a seguir? Essa é a vida de Addison Coleman, que vive no chamado Complexo Paranormal, isolado de humanos normais.



Este livro foi uma cortesia da Ed. Seguinte


O livro
Addison, ou Addie tem a capacidade de investigar destinos. No mundo em que vive essa é mais uma habilidade paranormal, pois seus colegas têm outras habilidades. Sua família, sua escola, seus amigos, estão todos no Complexo Paranormal, escondidos de humanos normais. Eles possuem mais tecnologia e conhecimento científico do que os normais, mas não estão totalmente proibidos de visitar as cidades lá do outro lado. Eis então que uma situação divide o coração de Addison: seus pais estão se divorciando. Nada pode ser feito, mas eles lhe oferecem uma oportunidade de ficar no complexo, com a mãe, ou de ir para o mundo normal (e atrasado), para morar com o pai. Por ser filha única e ser superprotegida, a questão imposta é bem difícil.


Para nós a pergunta seria "eita, e agora?". Para Addie, porém, há uma maneira. É só ela investigar seu próprio destino e assim fazer a melhor escolha, em sua própria mente. Só que ninguém disse que isso seria fácil. Investigar seu próprio destino pode lhe causar ainda mais questões do que você tinha antes de começar. O que começa com uma inocente tentativa de ter perspectiva se torna um caminho tortuoso para Addison.

-Existem muitas teorias. Alguns dizem que os psicologicamente avançados sempre corresponderam a uma porcentagem da população. Outros acham que somos descendentes de semideuses. Essa é a única teoria que Laila reconhece. Também existe a ideia de que somos o passo seguinte na evolução. Seja qual for é genético, nascemos assim.

Página 254

As duas opções à sua frente lhe mostram amigos novos e velhos. E às vezes Addie descobre coisas que nunca quis saber. É natural que, vivendo em um complexo paranormal, ela se sinta diferente dos humanos comuns. Sua visão a respeito da adaptação ao mundo normal lhe mostra que as inúmeras aulas e palestras, instruções e regras impostas a quem vai lá fora não eram apenas conversinha. Se adaptar é tão difícil para Addie quanto para qualquer adolescente que precisou mudar de escola e teve que fazer novas amizades, ter novas rotinas.

Apesar de ter achado bem cansativo os romances envolvidos e que a autora focou demais nisso, podendo ter usado melhor as páginas para falar mais a respeito da ciência envolvida no Complexo Paranormal, como surgiu, sua influência, ela criou personagens irritantemente bem construídos. Você realmente consegue vê-los como pessoas e não rascunhos, para o bem ou para o mal. E a autora também teve a sensibilidade de tocar em assuntos sensíveis como preconceito - afinal estamos falando de pessoas "diferentes", pessoas "normais" e a difícil convivência com as diferenças - bullying, a questão de pertencimento a um grupo, divórcio dos pais, o despertar da sexualidade, o risco dos predadores sexuais que existem por aí pagando de bons moços. E também apresenta uma difícil decisão para Addie. Aliás, mandar alguém escolher entre um dos pais é uma grande sacanagem. Ninguém deveria ter que passar por isso.

Os capítulos se intercalam entre os destinos que Addison investiga. Peguei poucos erros de digitação e o livro é bem diagramado. Uma coisa que adoro nos livros da Seguinte é que eles vêm com o marcador de páginas embutido na orelha. É só cortar com uma tesoura ou, como prefiro fazer, com um estilete e prontinho.

Ficção e realidade
X-Men já nos disse que a evolução às vezes acontece em saltos e nestes saltos habilidades excepcionais podem aparecer. Senti falta de uma melhor explicação para os super poderes dos adolescentes no livro e espero que a autora trabalhe com isso no segundo livro. Me peguei pensando se minha vida teria sido diferente se eu pudesse investigar meus destinos quando a opção surgisse na minha frente. Como pesar as escolhas? Mesmo com dois destinos, ninguém pode garantir que eles estarão isentos de problemas e de coisas ruins.

Isso me fez lembrar o filme A Chegada e a difícil questão que ele coloca: se você soubesse que no seu futuro haveria uma grande perda, ainda assim você seguiria este caminho, a fim de não perder o amor e a felicidade que virão antes dela? Acho que essa é uma questão que a própria Addison deve se fazer com frequência.

Pontos positivos
Addison e seus colegas
Protagonista feminina
Complexo Paranormal
Pontos negativos

Muito romance
Pontas soltas

Título: Encruzilhada
Título original: Pivot Point
Série: Encruzilhada
1. Encruzilhada
2. Fração de Segundo (2014)
Autor: Kasie West
Tradutora: Flávia Souto Maior
Editora: Seguinte
Páginas: 300
Ano de lançamento: 2016
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Gostei dos personagens e quero muito saber o que aconteceu com eles no livro seguinte. Não é uma leitura difícil, ela flui rápido, mas a autoria poderia ter pegado mais leve com o romance, pois Addie às vezes perde a razão quando está do lado de um cara, até em situações de vida e morte e ela pode por tudo a perder. Personagens bem construídos e uma vontade de continuar a jornada. Três aliens para Encruzilhada.


Até mais.

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes