Resenha: Guerra do Velho, de John Scalzi

sexta-feira, abril 08, 2016

Desde que li Lock In que me apaixonei pelo estilo de John Scalzi. Sua narrativa é leve, flui muito rápido, o enredo é cativante e seu humor pungente torna a leitura algo muito divertido. Guerra do Velho (Old Man's War) abre a saga do Velho. Aqui, você se alista nas Forças Coloniais de Defesa ao 75 anos. A promessa? Ser jovem de novo. Porém, o universo é muito mais perigoso e estranho do que poderíamos imaginar aqui na Terra.

Fiz a resenha um tempo atrás do livro em inglês, caso você queira ler. E este também é mais um livro do Desafio Literário 2016!





Este livro foi uma cortesia da Editora Aleph



O livro
Quando John Perry fez 75 anos, ele visitou o túmulo da esposa, falecida já há muitos anos, devido um derrame e se alistou nas Forças de Defesa Coloniais. Fez as despedidas de praxe, se reconciliou com amigos, conversou com o filho e se desfez de suas coisas para embarcar rumo ao desconhecido. Ele e os Velharias, seus amigos, feitos enquanto estavam a caminho de seu treinamento, especulavam sobre o que poderiam encontrar assim que chegassem a Fênix para começar sua instrução e como os médicos poderiam rejuvenescê-los. Tinham apenas teorias, porque nada poderia prepará-los para aquilo.

Guerra do Velho Scalzi Capa

A União Colonial é rodeada de mistérios. Sabem que ela opera pelo universo, que existem grandes batalhas acontecendo contra várias raças alienígenas, mas na Terra a vida segue normalmente. As pessoas de países menos desenvolvidos são enviadas para colonização, mas os norte-americanos precisam esperar até os 75 anos para se alistar. Obviamente, algumas pensam que isso é injusto, o que é uma crítica do Scalzi ao próprio país, de se achar a última bolacha do pacote.

Os personagens, em geral, não foram tão bem explorados por Scalzi. Não sei por se tratarem de idosos, eles foram representados de uma maneira diferente, ou se o autor preferiu não se aprofundar nas características e histórias deles. Conhecemos o básico, pronto e acabou, até porque as FCD deixam claro que assim que a pessoa se alista, ela está oficialmente morta para a sociedade.

John e seus colegas caem no treinamento duro e excruciante depois do tal "rejuvenescimento" que é muito, muito maneiro. Não vou contar para não estragar a surpresa, mas digo apenas que se eu estivesse em idade, me alistava sem nem olhar para trás só para poder passar por esse processo e nunca mais ter dos nas costas. Eles aprendem a atirar, a ficar seis minutos embaixo d'água, a cooperar uns com os outros e a obedecer ordens. O sargento-mor do treinamento tem um ódio particular para com ex-militares e ex-fuzileiros.

Esse é um dos motivos pelos quais a FCD selecionam idosos para se tornarem soldados. Não é porque vocês estão todos aposentados e são um peso para a economia. É também porque vocês viveram o bastante para saber que há mais na vida do que a própria vida. A maioria de vocês criou família, teve filhos, netos, e entende o valor de fazer algo além de seus objetivos egoístas.
(...)
É difícil enfiar esse conceito na cabeça de alguém com 19 anos. Mas vocês são experientes. Neste universo, o que conta é a experiência.

Pág. 169

Comparando o livro em inglês com a tradução, a versão em português ficou muito boa. A decisão de manter tudo em milhas e pés é chatinho, mas esses dados aparecem na primeira parte e quase somem até o final do livro. A capa condiz com o nome, Guerra do Velho, pois é uma cena de batalha com os Consu, enquanto a capa do livro em inglês é uma bela pintura de uma nave, mas que não parece combinar com o enredo. Encontrei apenas um erro de digitação, na página 327, onde está general Keegal, ao invés de Keegan. Scalzi estreou no mercado brasileiro com uma bela edição.

Sinto que nos livros seguintes, Ghost Brigades e The Last Colony, Scalzi desenvolveu melhor os personagens, especialmente as mulheres. Elas aparecem com mais frequência e têm mais desenvolvimento. Em mundo violento como o das FCD, as mortes dos recrutas são muito altas, então várias pessoas que o protagonista conhece acabam morrendo.

Ficção e realidade
Scalzi conseguiu fazer uma space opera militarista que diverte e critica ao mesmo tempo. Quem curtiu Tropas Estelares, certamente curtirá Guerra do Velho. Temos personagens que não são estereotipados e que não sofrem preconceito por serem mulher ou gay. Mas temos um tom ácido na forma como um personagem expressa seu preconceito contra tudo o que não é dos Estados Unidos e na forma como os colegas o rebatem e preferem manter distância de uma pessoa tão tóxica. Seria uma crítica à forma como a população lida com tudo o que é diferente e sabemos que muitos pensam assim, em especial certos candidatos a ocupar a Casa Branca.

A própria ação militarista sofre críticas da parte do protagonista que depois de um ano de serviço começa a pirar. John sente que está perdendo sua humanidade depois de tanto combater e matar, e acha que pode não haver sentido nenhum no que a União Colonial faz. Eles devolveram um planeta para uma era pré-industrial apenas para impedir novos ataques vindos dele. Até sua oficial superiora comenta que as ações das FCD não fazem muito sentido.

Detalhe da contracapa.


Pontos positivos
Space opera
Os Velharias
Alienígenas
Pontos negativos
Poucas mulheres



Título: Guerra do Velho
Título original: Old Man's War
Autor: John Scalzi
Editora: Aleph
Ano: 2016
Páginas: 365
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Mesmo tendo lido o livro em inglês, eu gosto tanto do Scalzi que não podia deixar de ler a tradução, que ficou muito boa. A identidade do autor pode ser sentida na narrativa. Quem curte as viagens espaciais, os combates com alienígenas e a boa e velha ação científica com uma roupagem nova e atual, pode se jogar em Guerra do Velho e se preparar para as próximas traduções. Fiquei bem feliz de ter este livro em português, é mais uma opção para os fãs de FC. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!



Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

6 comentários

  1. Na lista não, já comprado e já lendo! Eu nunca li uma FC de space marines...mas a premissa... De velhos lutando é muito legal.

    Foi mal, Aleph, mas não dá para esperar até quando deus quiser para lançar o ebook!

    ResponderExcluir
  2. triste ver um escritor tão bom como John Scalzi ter apenas agora seu primeiro livro em português. enquanto isso se vê vários livros medíocres sendo traduzidos rapidamente.

    quanto ao livro, a historia é muito boa, ja li a série toda, q inicia com Old Man War e termina com The End of all things. apesar que Scalzi ja falou que pode voltar a escrever no Universo de Old man War.

    ResponderExcluir
  3. Já estava desistindo da Ficção Científica (nem a nova temporada de Arquivo X me deu ânimo de retornar ao gênero) até ver um lampejo de originalidade na obra de Scalzi. Confesso que também lembrei-me de Tropas Estelares enquanto lia Old Man War.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o livro. Ficção científica com bom humor. No aguardo dos próximos.

    ResponderExcluir
  5. Tô convencido de que tenho que ler esse livro, já vou baixar pro kindle agora mesmo, rsrs. Ah, e muito obrigado pela tradução de Garrafa Vazia, da Mari Wolf, e pelos esclarecimentos no livro seus e do Daniel Bezerra, muito legal essa iniciativa.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris