Resenha: Ghost Brigades, de John Scalzi

sábado, julho 25, 2015

Lembra que umas resenhas atrás eu disse que tinha viciado em John Scalzi e tinha lido vários livros um atrás do outro? Então, Ghost Brigades é a continuação de Old Man's War, onde o autor continua sua saga espacial e conta os percalços pelos quais os soldados das Forças Coloniais precisam passar. Conhecemos melhor a famosa e misteriosa unidade de elite, Ghost Brigades.





O livro
Ghost Brigades não começa imediatamente após o final de Old Man's War. Existe um hiato de alguns anos entre um e outro, o que pode causar um certo estranhamento para quem quer saber logo de cara o que aconteceu com John Perry e seus amigos. Por um lado, é um enredo que não precisa do primeiro para acontecer. Aqui o foco é na unidade de elite das Forças Coloniais chamada Ghost Brigades, uma unidade de infantaria altamente especializada e cercada de mistérios, que sempre é chamada para missões arriscadas e potencialmente suicidas.

Ghost_Brigades

Sabemos pouca coisa sobre a unidade no primeiro livro, algo que fica mais claro no final, mas é em Ghost Brigades que a forma como eles trabalham e como se comunicam um com o outro aparece. O problema é que um grande cientista colonial forjou a própria morte e fugiu, firmando uma aliança com três raças alienígenas, Rraey, Eneshan e os Obin, que pode levar ao fim da União Colonial. Depois de exumarem seu corpo ficou óbvio que aquilo foi um embuste. Ele conseguiu forjar a própria morte e se empirulitar sem ninguém perceber.

Mas o que Boutin não contava era que uma cópia de sua consciência ficaria armazenada nos computadores de seu laboratório. A fim de saber o que ele estava tramando, a ordem é criar um corpo novo e adulto, usando o DNA de Boutin e transferir a consciência para lá (fica aqui uma dica do porque a unidade de elite se chamar Ghost Brigades). No entanto, ninguém garante que isso dará certo.

Tanto garantem que não dá! Sem a vivência, a consciência de Boutin nunca aflorará. O jeito foi incorporar o novo recruta, chamado Jared Dirac, a um dos batalhões. E escolheram justo o de Jane Sagan, que aparece no primeiro livro, intrinsecamente ligada a John Perry. A ordem para Sagan é bem direta: se ele demonstrar qualquer inclinação para traição, ela deve agir. Todos os soldados da unidade Ghost Brigades tem um primeiro nome aleatório e o sobrenome de um cientista, como vemos em Sagan e Dirac.

Scalzi tem uma escrita que incomoda muita gente. Sua narrativa é inteligente e envolvente, rápida, quando muitas pessoas esperam que um autor de ficção científica seja seco e insípido como Asimov ou que se envolva em longas explicações sobre a vida, o universo e tudo mais. Ele também se vale de personagens que fogem dos padrões engessados. Jane Sagan é uma personagem fantástica, não apenas forte, mas uma mulher complexa e extremamente boa no que faz. Nestes dois livros de Scalzi temos negros, gays, mulheres e homens, todos convivendo na boa em um bom enredo. É por isso que rola tanto ódio contra Scalzi por aqueles que sequestraram o Hugo Awards e que acham que a ficção científica está morrendo.


Ficção e realidade
O que é mais legal desses livros do Scalzi é que o autor incorporou tecnologias alienígenas no dia a dia dos humanos que se alistaram para o trabalho com as Forças de Defesa Coloniais ao detalhar, por exemplo, os corpos novos e todas as melhorias que os soldados receberão. O trato é: você chegou aos 75 anos e se alistou, mas nunca mais vai voltar à Terra, nem mesmo quando seu tempo de serviço de dez anos terminar. Para muitos idosos seria uma libertação, afinal eles ganharão um corpo novo e manterão toda a maturidade que ganharam ao longo da vida.

Scalzi também separa a população que vai para o espaço. A preferência é por povos não caucasianos. Ou seja, colono mesmo, aqueles que irão para outros planetas fundar cidades, não serão os norte-americanos, por exemplo, que serão bucha de canhão nas campanhas militares. Assim temos colônias com cidadãos indianos, paquistaneses, indonésios, filipinos e por aí vai, algo que fica um pouco mais claro em The Last Colony. Taí mais um motivo para o ódio de alguns, amor de outros, especialmente o meu ❤️.


Pontos positivos
Ficção científica militar
Explicações científicas
Jane Sagan

Pontos negativos
Não tem tradução para português
Acaba rápido



Título: Old Man's War
Série Old Man's War
1. Old Man's War
2. Ghost Brigades
3. The Last Colony
4. Zoe's Tale
5. The Human Division
6. The End of All Things
7. The Sagan Diary (conto)
8. After the Coup (conto)
Autor: John Scalzi
Editora: Tor Books
Páginas: 320
Ano de lançamento: 2005
Onde comprar: Amazon



Avaliação do MS?

E mais uma vez, é uma pena que este livro, ou nenhum outro livro de Scalzi tenha sido traduzido para o português. Foi prometido por uma c e r t a editora brasileira que ela traduziria todos os livros dele. Não sei o que vai sair primeiro: a estação Vila Sônia do metrô aqui perto de casa ou o primeiro livro do Scalzi em português. Fãs de aventuras espaciais, personagens profundos e intensos, alienígenas bizarros que nos detestam, tecnologia e explicações científicas na medida, se joguem na leitura de toda esta saga. Quatro aliens para Ghost Brigades e uma forte recomendação para que você também leia.


Até mais!


Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris