Resenha: O Enigma de Rama, de Arthur C. Clarke

sexta-feira, março 08, 2013

Arthur C. Clarke disse no primeiro livro (veja a resenha), que a lógica de Rama era sempre em três. Quando escreveu Encontro com Rama, ele disse não imaginar que sairia algo mais dali. Com a colaboração de Gentry Lee, engenheiro-chefe do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), também autor de ficção científica, surgiu O Enigma de Rama. E torci o nariz para livro por causa de alguns problemas.





O livro
A parceria Clarke-Gentry foi bem mais ou menos. Um dos escritores mais importantes do gênero aliado a um dos engenheiros responsáveis pelas missões robotizadas da NASA e também colaborador da série Cosmos, de Carl Sagan só poderia levar a um livro com precisão científica invejável e personagens cativantes. Que é justamente o que NÃO aconteceu aqui. É fácil perceber a mudança no tom do primeiro para o segundo livro, ficando claro que Clarke não o escreveu como sempre escreveu os anteriores, com sua precisão científica. Os personagens são mais densos, todas as camadas de complexidade das relações humanas são retratadas na obra, o que enche o saco às vezes.

O Enigma de Rama
Capa em inglês, pois não encontrei nenhuma que prestasse em português.

Uma nova espaçonave Rama se aproxima, 70 anos depois da primeira ter aparecido e seguido seu rumo para fora do Sistema Solar. Desta vez, uma equipe de especialistas, mais uma jornalista, são treinados para ir de encontro a Rama. Todos eles superdotados, inteligentes, experts em suas áreas de conhecimento, confinados na nave Newton, que segue seu curso até atracar com Rama. Equipamentos especialmente projetados para a tarefa são construídos, seguindo os relatórios da primeira tripulação a entrar no cilindro. O mundo se recuperou de um abismo econômico, político e social depois da passagem da primeira nave. Aos poucos, as sociedades se reergueram da crise, mas nunca mais foram as mesmas.

O livro discorre de maneira excessiva sobre a vida de seus personagens. Não que isso seja de fato ruim, já que a postura humana diante dos mistérios do espaço é importante, mas foi demais, demais mesmo. Foram cem páginas de porra nenhuma muita encheção de linguiça até que os tripulantes entrassem em Rama. No primeiro livro, antes de vinte páginas e eles já estavam explorando o lugar. Além disso, toda tensão e problemas e angústias e dúvidas e iras e podres dos personagens são explorados, todos, todos, todos.

Mas vale à pena notar que desta vez foi possível ver com maior profundidade o que Rama é, apesar de não responder quem o construiu, qual o seu propósito e se existem ramaianos a bordo. Os mistérios sobre suas "cidades" (grandes estruturas dentro do cilindro) apenas aumenta, mas uma tentativa de comunicação com seus habitantes consegue se estabelecer.

Um hipotético cilindro, como Rama.

Ficção e realidade
Rama é similar a um Cilindro de O'Neill, uma estrutura já imaginada por pelo físico norte-americano Gerard O’Neill em 1976 como uma variação do Toroide de Stanford. Esperava-se que esta segunda espaçonave fosse igual à primeira e se comportasse de maneira semelhante, mas não é o que acontece. Os cientistas estavam preparados para a previsibilidade alienígena e no final acabaram se surpreendendo pela capacidade de manobra e de criação que Rama apresentou.

Ela também mostra como a autoconfiança pode acabar com prejuízos em equipamentos, mas principalmente em vidas humanas, algo que o primeiro livro não mostrou. Se a primeira missão foi bem sucedida, a segunda praticamente beirou o fracasso e termina de maneira surpreendente. É um bom aviso para a raça humana não ir incauta ao espaço, achando que sua tecnologia e inteligência irá salvá-la o tempo todo. Com um universo tão grande e diverso, um evento como o mostrado no livro pode nunca vir a ocorrer. Mas não reduz o alerta da cautela para qualquer operação em um ambiente tão hostil e perigoso como o espaço.

Pontos positivos
Leitura rápida
Rama
Personagens mais profundos

Pontos negativos
O que é e a função de Rama continuam em aberto
Dramalhão psicológico excessivo dos personagens

Título: O Enigma de Rama
Título original: Rama II
Autor: Arthur C. Clarke
1. Encontro com Rama
2. O Enigma de Rama
3. O Jardim de Rama
4. A Revelação de Rama
Ano: 1989
Nº de páginas: 486
Editora: a última edição era da Nova Fronteira e está esgotada

Avaliação do MS?
Se Clarke tivesse de fato escrito O Enigma de Rama, certamente ele teria bem menos de 400 páginas. Toda a encheção de saco com a vida e as tristezas dos personagens seria reduzida. Acho que foi demais e descaracterizou a obra, pois não parece coisa do Clarke. Se relevarmos esta parte, você consegue entrar ainda mais em Rama e mesmo sabendo dos riscos, tende a ir mais fundo, como fizeram os personagens e pode descobrir que nem tudo são flores na nave cilíndrica. Três aliens para um clássico.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris