O design de Blade Runner

segunda-feira, outubro 01, 2012

Uma das coisas que sempre me impressionou neste clássico da ficção científica é o seu ambiente, as formas de prédios, carros e equipamentos e a aparência retrô das coisas, mesmo que o filme esteja situado no futuro. Foi uma produção de arte sofisticada que elevou o filme ao clássico que ele é ainda hoje, parte inerente da ficção científica.

Rachel, a replicante. 





Pouca gente sabe que Riddley Scott, o diretor de Blade Runner começou a vida como diretor de arte no Reino Unido e portanto o design era peça importante na sua visão de mundo desta obra de Philip K. Dick. Mesmo não tendo sido o diretor de arte do filme, Scott sabia como manusear os materiais e as câmeras para obter os cenários gigantescos para sua produção. Ele tinha consciência de como as coisas pareceriam na tela e como os atores deviam interagir.

O ilustrador futurista Syd Mead foi o responsável pelo conceito inicial de BR e buscou inspiração nas ilustrações da revista Heavy Metal para compor as paisagens do filme de acordo com o desejo de Scott. A ideia era dar um ar retrô ao que era considerado moderno. Syd tinha que pegar as construções e lhes dar novos materiais e um ar mecânico, retrô, pesado e que parecesse ter função bem definida.

cidade de Blade Runner
Visão grandiosa da cidade de Blade Runner

Ao tornar as coisas modernas em retrôs, a mensagem era simples: as pessoas se reutilizavam dos equipamentos, prédios, o que dava esse ar mais antigo a todo o ambiente de Blade Runner. O motivo também era que o consumo era maior que a demanda e a única maneira de manter tudo funcionando era reutilizar e readaptar as antigas tecnologias às novas necessidades.

As megaestruturas da cidade tinham 3000m de altura, com vários prédios em volta para dar acesso, parecendo um emaranhado construído aos poucos, de várias maneiras, com materiais diferentes. As ruas apinhadas de gente, comércio, lixo, pulsando com a vida cotidiana não mereciam a atenção devida das autoridades quanto às megaestruturas. A forma não é tão representativa quanto à função e isso fica claro pela ambientação. Isso não é inédito. No final da Idade Média já encaminhando para a Moderna, várias cidades começaram a subir, construindo prédios cada vez mais altos para se afastar da vida mundana das ruas, cheias de lixo, mal cheirosas, com muitas pessoas.

cidade de blade runner
Uma mistura de velho e novo, cores, neon e o underground das cidades. 

O underground das cidades é levado ao extremo, com o exagero nítido em cores e intensidade. O neon, o brilho do raio laser, as roupas espalhafatosas, uma mistura do noir com o futuro, característica marcante dos exageros dos anos 80, com o consumo desenfreado. Os restos do consumo desenfreado são vistos ainda hoje. Em Blade Runner, o capital é largamente utilizado pelos conglomerados empresariais que o empregam na exploração de mundos distantes, enquanto a população desafortunada convive com a pobreza. O modo como foi colocado no filme é muito marcante e bem distinto, mostrando essa diferença social. Basta ver as cenas das ruas e as cenas dos megaprédios empresariais.

underground de blade runner
Carro-voador, marca registrada.

Mesmo que hoje não tenhamos as megalópoles previstas na ficção científica, o modo como foram retratadas nos mostra o que poderia ou não ter sido se seguíssemos essa tendência. Sabemos que as cidades estão apinhadas, super lotadas, com diversos problemas, mas vemos mudanças acontecendo que não nos levam para este mundo underground extreme de Blade Runner.

Considerado por muitos designers como "arte cinematográfica pornográfica" por sua super exposição desta parte decadente das cidades, Blade Runner é um clássico, representando uma vanguarda como nenhum outro filme. Marcou gerações e ainda é uma referência em trabalhos do gênero.

E você, o que acha? É fã de Blade Runner? Deixe seu comentário, até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris