10 humanos artificiais da literatura, cinema e TV

Por que coloquei "humanos artificiais" e não "androides" no título? Existe todo tipo de humanos artificiais na literatura, no cinema, na TV, seja em tempos atuais, seja nos séculos passados. Eles podem ser inicialmente mecânicos, podem ter sido geneticamente criados, ser animados pela eletricidade, podem até mesmo ser animados por magia ou pelo espírito divino. De qualquer maneira, há vários exemplos de seres humanos artificiais, aqueles que não nasceram de forma natural ou que se tornaram humanos de "carne e osso" depois, para elencar.

10 humanos artificiais da literatura, cinema e TV




FIca aqui o aviso da capitã de que esta é uma lista pessoal e não uma lista definitiva sobre todo o universo conhecido, portanto podem ficar exemplos de fora. Às vezes, uma determinada franquia mostra vários exemplos de humanos artificiais, então peguei apenas um exemplo para colocar na lista.


10. Golem
O Golem é um ser artificial místico, associado à tradição mística do judaísmo, particularmente à cabala, que pode ser trazido à vida através de um processo divino. No folclore judaico, ele é feito de um material inanimado como lama ou pedra e, originalmente, o nome deriva palavra gelem (גלם), que significa "matéria-prima". Uma das melhores aparições de um golem foi em Arquivo X, num episódio que falava sobre anti-semitismo, "Kaddish", quarta temporada, 15º episódio.


9. Pinóquio
A fábula de Carlo Collodi nos fala de uma marionete feita de uma madeira encantada que sonha em ser um menino de verdade. Mas Pinóquio é constantemente visto se metendo em problemas por andar em má companhia e há uma ocasião em que seu nariz cresce quando conta uma mentira. É a Fada Azul que vem em seu socorro, trazendo pica-paus para diminuir o tamanho do nariz de Pinóquio.


8. Sonmi-451
Sonmi-451 é um clone. Nós a conhecemos no romance e no filme de mesmo nome Cloud Atlas, onde ela é interpretada pela atriz Bae Doona. Sonmi representa o ápice da exploração capitalista: ela trabalha em uma rede de lanchonetes, ficando "armazenada" nos fundos da loja e quando seu tempo de serviço acaba, ela vai para a reciclagem.


7. O Homem Bicentenário
Considerado um dos melhores trabalhos de Asimov, o conto fala de um robô que acaba desenvolvendo características humanas após ser comprado por uma família humana. Andrew Martin passa a buscar um reconhecimento de que também é um ser humano após trocar todos os seus componentes artificiais por biológicos, mas sempre tem o requerimento negado por ter sido criado como um robô. Base do livro The Positronic Man, o conto foi adaptado para os cinemas em 1999, com Robin Williams interpretando o simpático robô.


6. Galatea
O mito grego de Galatea tem muito em comum com o mito da Noiva de Ilmarinen, da epopeia nacional finlandesa, Kalevala. Conta-se que o escultor e rei da ilha de Chipre, se apaixonou por uma de suas esculturas após diversas desventuras românticas. Incapaz de encontrar o amor em sua ilha. Ele esculpiu uma mulher bela e perfeita em marfim e acabou se apaixonando por sua própria criação. A deusa Afrodite então fica com pena e resolve dar vida à estátua. Pigmaleão se casa com ela e tem uma filha, Pafos.


5. Caprica 6
Obviamente estou falando dos cylons da segunda geração, aqueles totalmente humanoides, capazes de se infiltrar na sociedade humana e depois destrui-la até quase a extinção completa. Caprica 6 talvez seja a cylon mais conhecida, já que a ela coube o trabalho mais desafiador de todos, que era o de seduzir o narcisista genial, Gaius Baltar e então roubar todos os códigos do ministério da defesa de maneira a facilitar os ataques nucleares.


4. Breq
Breq é a protagonista de Justiça Ancilar, um romance complexo e inovador. Breq é uma pessoa e uma inteligênciar artificial de uma nave, chamada Justiça de Toren. Quando sua nave é destruída, as milhares de encarnações desta inteligência artificial também são destruídas, exceto por Breq, que busca vingança por essa destruição. A autora não dá muitos detalhes ao longo da leitura, mas Breq seria uma prisioneira das muitas conquistas do Império Radchai e transformada em uma ancilar a serviço da nave.


3. Dathan
Também conhecido como "A abominação", Dathan era um humano geneticamente criado pelo culto dos Sith no planeta Exegol. A ideia era criar um template básico para ninguém menos que Darth Sidious, também conhecido como o Imperador na saga Star Wars, de maneira a criar vários clones capazes de guardar sua essência e passá-la adiante. Dathan renega sua origem e foge para viver sua própria vida longe do lado sombrio da Força.


2. Rachel
Rachel é uma androide fruto de uma avançada bioengenharia. Mais humana que os humanos, Rachel quase engana o blade runner Rick Deckard, que precisou sabatiná-la com mais de 100 perguntas no Teste Voight-Kampf para determinar que ela era, de fato, uma androide. Mas esses seres são muito mais do que máquinas biológicas. Eles querem mais vida do que aquela que lhes foi determinada de fábrica.


1. A criatura de Frankenstein
Talvez o humano artificial mais conhecido de todos, a criatura tem o mérito de não ser apenas um personagem da ficção, mas sim um arquétipo que vem sendo utilizado e discutido desde a publicação original do romance de Mary Shelley. Um cientista tenta desafiar as leis naturais e acaba horrorizado com sua própria criação feita com partes de cadáveres. Ele então o abandona à própria sorte e depois vai ter que enfrentar as consequências...



Pensou em mais algum? Deixe nos comentários!

Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Gostei da lista! Sonmi é perturbador.

    Breq é incrível mesmo, pena que a continuação não foi traduzida e nem será parece. Aquela série da Beck Chambers tem uma IA interessante também, que antes era a ia da nave e ganhou um corpo, pena que esqueci o nome dela.

    Outra IA que gosto mto é da Série Starward, que aparece no terceiro livro (sem spoilers aqui rsrs)

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.