5 dicas para turbinar sua escrita

A prática de escrita pode ser uma estrada tortuosa às vezes. Quantas vezes me peguei olhando para a página em branco sem ter qualquer ideia, sem conseguir juntar lé com cré para formar uma simples frase... Mas existem alguns exercícios que podem te ajudar a sair do atoleiro criativo e voltar a escrever. Dá para conseguir estímulos de diferentes fontes para fazer a carruagem andar de novo!

5 dicas para turbinar sua escrita



Muita gente acha que a escrita é um dom soprado nos ouvidos de uma escritora por musas inspiradoras. O processo é bem mais caótico e pessoal do que isso. Muitas vezes as ideias estão lá na nossa cabeça só esperando o momento de irem para o papel (ou tela). E em outras vezes, você tem que ir atrás delas. Desta maneira, você deve se inspirar em várias fontes.


Escreva esvaziando a mente
Às vezes as ideias ficam presas na nossa cabeça e não conseguem sair. Seja por vários motivos, por estresse, cansaço mental, sono, desmotivação, as ideias não encontram um terreno fértil para se desenvolver. É aqui que pode entrar este exercício. Esvazie a cabeça, escreva as ideias que vão lhe surgindo, escreva sobre seu dia, coloque no papel qualquer pensamento que tenha lhe ocorrido e que pareça até mesmo insignificante. Mas escreva. Coloque tudo para fora.

Você pode até mesmo colocar um timer e escrever durante esse período o que vier à sua cabeça, como no caso da técnica Pomodoro, onde você ajusta o relógio para 25 minutos e depois para alguns minutos para descansar. Nesta profusão de palavras que você depositar num caderno, num papel, num arquivo no seu computador, alguma ideia, alguma combinação de palavras, alguma sensação vai te chamar a atenção. Mesmo no caos é possível encontrar algo útil que vai te ajudar a destravar.


Escreva a partir de uma imagem
Para quem escreve fantasia e ficção científica, às vezes, é difícil imaginar cenários e depois colocá-los no papel. Na nossa cabeça parece tudo lindo e funcional; na hora de descrever parecem construções saídas de desenhos de crianças de 4 anos. Uma maneira de se inspirar é através de imagens. Tem gente que acha que na escrita tudo se resume às palavras, mas o visual é tão importante quanto. Se você está com dificuldades de descrever uma base lunar, procura por imagens de bases lunares. Está com dificuldades de descrever um castelo de conto de fada? Procure por um.

Uma vez, totalmente sem ideias para escrever, eu me deparei com uma imagem no Pinterest de uma cidade futurista caótica e ela ficou na minha cabeça por um bom tempo. Acabei escrevendo um livro inteiro com base nela. A imagem não serve apenas para te ajudar a descrever cenários, ela pode te inspirar a começar algo totalmente novo e que vai botar sua cabeça para trabalhar.

Nem precisa ser um livro todo! Pegue uma imagem de ficção científica e fantasia (pessoalmente adoro papéis de parede com essas temáticas) e pare um tempo para observar e tentar entender o que está acontecendo. Comece apenas descrevendo, quem sabe imaginando as dinâmicas que estão ocorrendo ali. Ponha diálogos ou descreva as situações que você consegue imaginar naquela cena.

Arte de Marek Okon
Arte de Marek Okon

Pegue a imagem acima. O que está acontecendo na cena? Quem é essa moça? Por que ela está chorando e segurando uma granada? A chuva é importante neste contexto, quem sabe mudanças climáticas? E o laser da mira? Ela está de frente para uma força armada? Seria a polícia? Ou ela fazia parte de um grupo do qual não mais concorda e eles agora não a deixa ir embora? São muitas as possibilidades aqui.

Pessoalmente, o uso de imagens é o meu mecanismo favorito de inspiração.


Escreva a partir de combinações de palavras
Acima eu comentei que escrevi um livro inteiro com base numa imagem. Mas eu já tinha o título para esse livro. Com base na imagem criei o enredo para se encaixar com as palavras que já estavam gravadas na minha cabeça. De onde elas vieram? Bem, acho que foi lendo algum livro. A combinação me pareceu bastante interessante e acabei anotando em um caderninho com uma possível ideia ao lado. Mas a coisa não ia para frente, a ideia ficou lá parada por uns três meses me incomodando, até que numa busca aleatória de imagens no Pinterest, VAPO!, surgiu a inspiração que eu precisava.

Um bom exemplo de como essa associação acontece é com Dreamsnake, de Vonda McIntyre. Em um exercício de escrita na oficina Clarion Writers, os autores tinham que pegar palavras variadas de dentro de um copo. Ela pegou snake e cow. Vonda ficou mastigando aquelas palavras, indecisa, até que um colega sugeriu que a personagem pudesse se chamar Snake. Cow também age como um verbo. E foi assim que ela criou uma novela premiada e, posteriormente, um livro que já se tornou um grande clássico da ficção científica.

Uma boa ferramenta para você buscar palavras são sites que geram essa combinação para você. É bem semelhante ao exercício que Vonda fez na Clarion Writers. Aqui tem uma opção em inglês e outra opção em português. Este aqui tem inclusive algumas categorias, como personagem de mangá, animais e plantas. Essas palavras podem nem ser o título da sua história, apenas o começo de todo o processo.

Por exemplo, vamos pensar nas palavras asas, força e maldição. Poderíamos usar como título? Quem sabe Asas de Força e Maldição? Será que podemos imaginar uma força de anjos amaldiçoados que caíram na Terra e agora precisam um jeito de conseguir o perdão celestial para voltarem ao Céu? Que ideias você teria com essas palavras?


Escreva a partir de prompts de escrita
Uma vez eu estava com um prazo para escrever um conto e nada saía. Começou a bater aquele desespero, não vinha ideia nenhuma. Aí busquei por prompts de escrita no Google. Subi e desci pela página procurando alguma coisa que me chamasse a atenção, algo que fosse atual, que casasse com a proposta da coletânea para a qual eu devia apresentar o conto. Até que me deparei com uma ideia massa que virou o conto "Atlantic", que integra a coletânea Outros Brasis da Ficção Científica, da Editora Caligo. Meu conto fala de uma grande rede de varejo que descobre um jeito de enviar produtos que você virá a querer no futuro só que no presente. E isso vai dar ruim.

Prompts de escrita nada mais são do que ideias brutas para você trabalhar e refinar, tal como um joalheiro lapidando um diamante. Eles são uma saída para o atoleiro criativo e ainda te ajudam a praticar, exercitar a escrita e a encontrar sua voz. Jogando o termo "prompts de escrita" no Google você vai achar um mundo de ideias só esperando o cérebro certo para germinar. Aqui tem uma lista bem legal com vários deles pra você praticar.

Vou jogar um prompt aqui pra você pensar: uma mulher engana os clientes fingindo que tem poderes psíquicos. Só que um dia ela acorda e eles são reais. E aí, o que você consegue criar a partir disso?


Escreva sobre uma experiência marcante
Sabe aqueles 'causos' que toda avó conta? Ou as peripécias de amigos e parentes em algum momento ou dia específico? Quem sabe alguma coisa que te marcou na escola, na faculdade, no trabalho, alguma coisa divertida ou até absurda demais na qual ninguém acredita? Esse evento insólito pode virar uma boa história para se ler também. Coisas doidas acontecem com a gente o tempo todo, por que não usá-las para fermentar suas ideias e ajudar na escrita?

Quer saber de uma coisa doida que aconteceu comigo? No começo dos anos 1990 nós tínhamos um papagaio. Um dia ele estava no sofá, perto da porta da casa, que estava aberta, e se assustou com alguma coisa. Esse papagaio saiu voando pela porta, planou até o outro lado da rua e desapareceu na copa de uma árvore. Nós corremos para procurar logo em seguida, olhamos até embaixo dos carros, na árvore, mas nada do papagaio. Ele tinha desaparecido. Isso era uma quinta-feira de manhã de um feriado prolongado.

Passamos os próximos dias tocando nos vizinhos, procurando. A casa uma tristeza só e nada dele aparecer. Era domingo, eu tinha escola cedo, minha mãe tinha que trabalhar, foi todo mundo dormir com aquela dor de nunca mais encontrar nosso papagaio. Às três da manhã daquela segunda-feira tocam nossa campainha. Foi aquele susto, né? Quem é que toca na sua casa nesse horário? O vizinho estava chegando da praia e perguntou: foram vocês que perderam um papagaio? Ele tá na minha cozinha.

Resumindo: esse trem deve ter passado pela brecha do portão do vizinho, desviando sabe-se lá como de dois cachorros e entrou pelo vitrô da cozinha, onde ele se instalou confortavelmente na fruteira até segunda-feira. Deixou tudo emporcalhado, é claro, comendo as frutas que estavam lá, mas o papagaio voltou para casa! Fala se não dá um bom conto essa peripécia? Imagine um livrinho ilustrado, contando As Aventuras do Papagaio Perdido no Feriado Prolongado?


Essas são só algumas dicas que podem te ajudar a destravar a escrita e exercitar a criatividade. Quem sabe seu próximo livro não está te esperando nestes exercícios?

Até mais! 🦜


Leia também:
20 Things That Can Help You Find Inspiration for Writing - LIVE WRITE THRIVE


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

3 COMENTÁRIOS

  1. Nossa, dicas ótimas Sybylla. Já ouvi muitas histórias (de sucesso) de escritores dizendo que faziam justamente isso: escreviam esvaziando a mente, sem um objetivo definido. E isso tem a ver com disciplina também, escrever SEMPRE, não perder o hábito mesmo quando parece que as ideias estão engessadas. Adorei o post. :)

    Não Me Mande Flores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Camila! Obrigada pelo comentário! 🤍

      Excluir
  2. Sybylla, adorei estas dicas de escrita! Estou com um bloqueio danado desde o início da pandemia ( acho que até antes, kkkkk) e ler este artigo me ajudou bastante!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.