10 coisas que você não sabia sobre Cloud Atlas

Cloud Atlas (2012) tem uma legião de fãs e de haters. A Viagem, com foi nomeado no Brasil, adapta para o cinema o romance homônimo de David Mitchell. Seguimos seis histórias que vão e voltam no tempo, desde o século XIX até a um futuro pós-apocalíptico, com personagens que se cruzam, cada um neles o narrador de sua própria jornada. Com atores e atrizes de peso, o longa é um dos filmes independentes mais caros já feito.

10 coisas que você não sabia sobre Cloud Atlas




Com um orçamento oscilando entre 100 milhões e 146,7 milhões de dólares, o filme foi um fracasso nas bilheterias, tendo arrecadado cerca de 130 milhões. A direção foi dividida. As irmãs Wachowski dirigiram as cenas de ficção científica, enquanto o cineasta alemão Tom Tykwer dirigiu as cenas históricas. O trio também produziu e roteirizou o longa.


10. V de Vingança
Natalie Portman pode ser considerada uma grande responsável pelo surgimento deste projeto. Em 2005, nos sets de gravação de V de Vingança (2005), Natalie deu um exemplar de Cloud Atlas, de David Mitchell para Lana Wachowski, que ficou imediatamente interessada em produzir um filme baseado nele. Um ano depois, as irmãs estavam escrevendo rascunhos do roteiro e convidaram o cineasta alemão Tom Tykwer, para trabalhar na adaptação. Esse trabalho durou mais dois anos, enquanto buscavam financiamento. Natalie estava escalada para ser Sonmi-451, mas precisou desistir da produção no último momento devido à gravidez, em 2010, mas seu nome aparece nos agradecimentos do longa.


9. Não foi fácil
O filme passou por inúmeras dificuldades para conseguir financiamento, incluindo a decisão do estúdio Warner Brothers de desistir quando não gostou dos números. Os cineastas abriram mão de seus honorários e começaram a investir seu próprio dinheiro para manter o projeto vivo. Lana Wachowski creditou a Tom Hanks a ajuda para tirar o filme do papel, e ele inspirou muitos do elenco e da equipe ao ser o primeiro a voar para Berlim para começar a rodar o filme. Financiado por várias agências alemãs de fomento do governo federal, investidores privados e o próprio trio de diretores, o longa finalmente levantou a grana necessária.


8. David Mitchell
Mitchell é um escritor e roteirista britânico. Cloud Atlas foi lançado em 2004 e logo depois teve seus direitos comprados pelas irmãs Wachowski. Ele inclusive faz uma participação pequena em uma cena em Neo Seul. Olha ele aí.

David Mitchell


7. 451
O número do apartamento de Luisa Rey (Halle Berry) e o nome Sonmi-451 (Doona Bae) são em homenagem a um grande livro de ficção científica, o clássico Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, onde os livros devem ser queimados e o número indica a temperatura na escala Fahrenheit em que o papel queima (em Celsius é 232, 7°).


6. Atlas de nuvem
Um atlas de nuvem é uma coisa real. É uma coleção de imagens de nuvens, mostrando todos os diferentes tipos que ocorrem na atmosfera e seus vários nomes. O Atlas Internacional de Nuvens é uma publicação da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Com origem no século XIX, a última atualização em 2017 incluiu um novo tipo de nuvem, a volutus, além de características suplementares em outras nuvens. Você pode acessar o site por aqui.

Mas por que o livro tem esse nome? Segundo o autor, o título foi inspirado em uma música de mesmo nome do compositor japonês Toshi Ichiyanagi.


5. Locações
As filmagens foram feitas no histórico estúdio Babelsberg, em Potsdam, na Alemanha, em 16 de setembro de 2011. Outras locações foram em Düsseldorf, nas montanhas do parque da Suíça Saxônica, além de locações em Edimburgo, Glasgow e na ilha de Maiorca, na Espanha, principalmente nas montanhas da Serra de Tramuntana.


4. Halle Berry
Inicialmente, o trio de cineastas queria filmar em ordem cronológica, algo que não é muito comum devido a problemas de orçamento. Entretanto, Berry quebrou o pé dois dias antes de começar as gravações. Ao invés de substituir a atriz, o trio resolveu mudar todo o cronograma. A atriz viajava com a equipe, acompanhando as cenas dos colegas e quando seu pé melhorou o suficiente para que ela pudesse andar, Berry começou a gravar suas cenas. Tom Hanks foi basicamente seu "enfermeiro" no set, levando café, chá, sopa e ajudando-a a voltar à sua cadeira ou trailer após cada tomada.


3. Estreia
Cloud Atlas estreou no Festival Internacional de Toronto, em 2012 e recebeu aplausos de pé por dez minutos. A trilha sonora foi aclamada pela crítica, mas o sucesso infelizmente não veio nas bilheterias. O filme mal conseguiu se pagar e teve reações mistas tanto entre os críticos quanto entre o público. Considerado ambicioso, instigante, com visual atraente, também foi descrito como sendo difícil para uma parte do público e com um escopo grande demais para seu roteiro e tamanho.


2. Karen Silkwood
A personagem Luisa Rey (Halle Berry), que vive em 1973 no longa, é inspirada na história real da técnica em química e ativista Karen Silkwood, que estava investigando os riscos à saúde e a segurança de instalações nucleares em 1974. O carro de Karen saiu da estrada enquanto ela dirigia para encontrar um repórter do New York Times. Karen morreu, sua morte nunca foi solucionada e todo o material que ela levava no carro desapareceu.


1. Black e yellow face
Uma das críticas mais contundentes ao longa é sobre atores brancos interpretando personagens negros ou asiáticos. O trio de diretores é contra a prática, porém defenderam o uso da maquiagem nos atores do longa porque eles interpretam personagens que vão e voltam no tempo com diferentes gêneros e etnias. Na verdade, de acordo com a descrição dos cineastas, eles são a mesma pessoa em novas roupagens ao longo do tempo, o que justificaria a mudança no visual.

Cloud Atlas


Bora ver de novo? Até mais! ☁️


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.