Resenha: Rusty Brown, de Chris Ware

Rusty Brown é apenas o segundo livro do quadrinista norte-americano Chris Ware publicado no Brasil. Um calhamaço de mais de 350 páginas, aqui não temos apenas um enredo, mas quatro deles, começando com o personagem título Rusty Brown, desenrolando-se para pessoas ao seu redor e de seu convívio, como seu pai, um valentão que pratica bullying com ele e sua professora negra em uma escola majoritariamente branca.





Parceria Momentum Saga e
Quadrinhos na Cia


O quadrinho
Com um traço incrível e original, o autor nos conduz por quatro histórias de vida distintas. Começando pelo personagem título, Rusty Brown, um garoto solitário, que sofre bullying na escola em Omaha, no Nebraska, nos anos 1970. Muito sensível a tudo e a todos, Rusty tem como companhia a Super Moça, com quem conversa constantemente, mas se sente desligado dos colegas, isolado e imerso em seu príprio mundo de super-heróis e superpoderes. Paralelamente à sua história conhecemos os irmãos Alice e Chalky White, que vão começar em uma escola nova e estão igualmente assustados, cada um à sua maneira. O traço único de Chris Ware faz com que as duas histórias corram juntas pela página, inclusive no rodapé.

Resenha: Rusty Brown, de Chris Ware


O segundo ato é com o pai de Rusty, o professor Woody Brown, talvez o personagem mais triste e patético de todo o livro. Escritor de ficção científica de pouco sucesso, ele passa seus dias lamentando o passado e o presente. É só quando chegamos ao seu capítulo que entendemos que ele lamenta a perda de uma amante que o iniciou no sexo. A forma como Chris Ware desenha as cenas é interessante, porque conduz muito mais à uma imaginação da nossa parte do que em realmente mostrar o que está acontecendo. As tramas se desenrolam de maneira conjunta nas páginas, o que às vezes é difícil de ler e compreender porque a letra é minúscula. Houve momentos em que tive que usar a câmera do celular para ler e eu nem tenho problema de vista.

O terceiro ato é com o valentão Jordan Lint, o terror de Rusty na escola, mostrando desde o seu nascimento, sua adolescência e maturidade e como os problemas de casa produziram o garoto que batia nos colegas. Esse é um dos arcos mais tristes, que mostra como um valentão se forma, com abusos e repressão desde tenra infância e reproduzindo o que ele via em casa. O traço de Chris Ware é brilhante nessa parte, pois ele mostra a perspectiva limitada de um bebê e vai evoluindo conforme Jordan cresce.

O último ato é com a professora Joanna Cole, uma professora negra numa escola predominantemente branca, onde o autor teve muita sensibilidade e foi bastante direto e mordaz em suas críticas ao racismo que a personagem sofre, como comentários pejorativos na rua. Mas Joanna esconde um segredo que, aos poucos, vai se revelando. É um dos momentos mais emocionantes do livro e um dos arcos que mais gostei de ler.

Rusty Brown, de Chris Ware

Com um traço meticuloso e original, Chris Ware criou personagens complicados, que não são conhecidos por seu poder, riqueza ou luta contra o crime. São pessoas tentando se livrar de uma realidade que os anestesia, uma realidade mundana que não os contempla, que os oprime, que os quebra internamente. Mas o quadrinho vai além disso. Todo o volume contém informações para as tramas, desde os desenhos na contracapa até a forma como a jaqueta sobre a capa dura se dobra em várias capas diferentes. O nível de detalhamento a que o autor chegou neste volume é simplesmente brilhante.

Ao mesmo tempo, o nível de detalhamento é um problema para ler e acompanhar os quadros que podem parecer desconectados. São tantas informações por página que é muito difícil ter uma linearidade, ainda mais para quem prefere um enredo assim. Houve momentos em que me perdi e tive que reler a página para entender todo o contexto. Há outros em que o autor vai e volta no tempo ou coloca duas narrativas juntas e fica tudo bagunçado. Sinto que isso poderia ter sido sanado de outra maneira, como uma paleta de cores diferente, por exemplo.

E a letra do quadrinho... Precisei ligar a câmera para ler e compreender os quadrinhos minúsculos da beirada da página. Como Rusty Brown é um tijolão, às vezes era difícil de segurar e fazer as duas coisas. Fica aí o aviso, principalmente para você que usa óculos. A meticulosidade do autor nessa hora meio que atrapalhou um pouco a experiência.

Rusty Brown, de Chris Ware

A edição é em capa dura com acabamento em tecido na lombada e uma jaqueta por cima que se transforma em outras capas se você dobrar de maneira diferente. As páginas de papel encorpado não são numeradas. No final, há um espaço com notas do autor, onde ele explica quando que cada um dos quatro arcos foi escrito e publicado. A tradução é de Caetano Galindo e está perfeita.


Obra e realidade
O autor faz uma reflexão sobre empatia, trauma, preconceito e o impacto cósmico das nossas ações cotidianas na vida dos outros. Por exemplo, há uma cena em que o valentão Jordan já é um homem adulto e encontra com Rusty Brown no mercado. Quando ele vai lá para cumprimentar, perguntar como vai, quanto tempo, Rusty se apavora e sai correndo. Jordan não tinha consciência que seu bullying deixou uma marca duradoura no garoto e depois homem adulto Rusty.

Chris trabalhou em Rusty Brown por 18 anos. Assim que terminou seu livro Jimmy Corrigan, ele começou a rascunhar a primeira página de Rusty e já sabia que seria um livro grande. Tendo sido ele mesmo um aluno tímido, que gostava de viajar na imaginação durante as aulas, fiquei pensando o quanto dele tem no personagem título do livro...

(...) essa coisa de ❝permanecer o mesmo enquanto muda❞ não é diferente da maneira como todos vivemos, tentando consertar o que consideramos momentos importantes em nossas cabeças, mas inevitavelmente mudando e reescrevendo eles, enquanto fazemos planos que sempre mudam ou desmoronam em face da boa ou má sorte.

Chris Ware Talks About ‘Rusty Brown’

Chris Ware


Franklin Christenson Ware é um autor de quadrinhos norte-americano, vencedor de diversos prémios Eisner e Harvey em variadas categorias, entre eles o Eisner (2001) de melhor álbum gráfico por Jimmy Corrigan, o garoto mais esperto do mundo e o Harvey (2006) de melhor cartunista.



Pontos positivos
Bem escrito
Traço meticuloso
Personagens cativantes
Pontos negativos
Letra miúda
O preço



Título: Rusty Brown
Título original em inglês: Rusty Brown
Autor: Chris Ware
Tradutor: Caetano Galindo
Editora: Quadrinhos na Cia
Páginas: 565
Ano de lançamento: 2021
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Não vou dizer que este quadrinho vai agradar a todo mundo. Além do preço alto, há também as letrinhas minúsculas, quase impossíveis de acompanhar sem forçar a vista. Mas os quatro enredos valem à pena a leitura e o esforço. Há muito o que se pensar na leitura de Rusty Brown. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.