10 coisas que você não sabia sobre Halloween: A Noite do Terror

Halloween: A Noite do Terror (1978) foi um sucesso inesperado. Com um enredo que hoje já está batido, o então garoto de seis anos, Michael Myers, fantasiado de palhaço no Halloween de 1963, mata a irmã mais velha a facadas. Quinze anos depois, ele foge de uma instituição psiquiátrica e retorna para sua cidade natal onde persegue Laurie Strode e seus amigos. O psiquiatra de Michael, Dr. Sam Loomis, suspeita das intenções dele e o segue para tentar impedi-lo.

10 coisas que você não sabia sobre Halloween: A Noite do Terror




Com roteiro de Debra Hill e John Carpenter e direção de Carpenter, Halloween teve um orçamento mínimo de cerca de 325 mil dólares, mas faturou impressionantes 70 milhões de dólares em bilheteria (mais de 200 milhões de dólares em valores atuais), tornando-se um dos filmes independentes mais rentáveis da história e o primeiro de uma longa e bem-sucedida franquia de terror.


10. Transou, morreu?
Um mito muito comum em filmes de terror do tipo slasher é de que se a pessoa transa, ela será morta pelo serial killer. O mito se tornou senso comum, principalmente depois do sucesso do filme Pânico. Mas tanto John Carpenter quanto Debra Hill já declararam várias e várias vezes de que eles não descreveram a pureza e a virgindade como maneiras de se livrar da sanha assassina. A razão pela qual os jovens com tesão morrem é porque eles estão tão preocupados em transar que não percebem que tem um serial killer por perto.


9. Título original
O título original do filme era "The Babysitter Murders" e os eventos aconteceriam ao longo de vários dias. Mas como o orçamento era muito curto (muito mesmo!), o roteiro foi alterado para que os atos de Michael Myers ocorressem todos na mesma noite, reduzindo assim o número de locações e de figurinos que precisariam ser trocados. Foi decidido que a ação toda aconteceria no dia de Halloween, a noite mais assustadora do ano.


8. Christopher Lee
Para o papel do psiquiatra, Dr. Sam Loomis, John Carpenter convidou Peter Cushing, que não topou e depois Christopher Lee, que também não topou por causa do baixo salário. Lee depois disse que foi um dos maiores erros de sua carreira. Loomis foi interpretado pelo veterano ator Donald Pleasence.


7. Gravações
O longa foi rodado em apenas 20 dias e cerca de metade do valor de seu minúsculo orçamento foi para pagar o aluguel das câmeras Panavision, cuja câmera Panaglide foi responsável por várias cenas memoráveis do longa, que estabiliza o movimento do operador da câmera e permite tomadas suaves, principalmente aquelas em que acompanha o passo de um personagem. O clima sombrio e as poucas luzes se devem ao orçamento curto também.


6. Figurino
O elenco teve que usar suas próprias roupas, já que não havia dinheiro suficiente para manter um departamento de figurino. Para o visual de Laurie Strode, Jamie Lee Curtis foi na J.C. Penney e gastou 100 dólares comprando tudo o que precisava. Jamie recebeu apenas 8 mil dólares de salário.


5. Tem livro
Antes do filme, um livro foi escrito com base no roteiro pelo autor Curtis Richards e revela um pouco mais da história por trás da raiva, dos pensamentos e dos motivos de Michael Myers para matar tanta gente. No entanto, o livro hoje é muito difícil de achar. Existe uma segunda novelização do roteiro, de 2018, escrita por John Passarella.


4. Posteridade
Em 2006, Halloween: A Noite do Terror foi escolhido para preservação no Registro Nacional de Filmes dos Estados Unidos pela Biblioteca do Congresso como sendo "cultural, histórica ou esteticamente significativo".


3. Roteiro
Em três semanas, o roteiro foi escrito e boa parte da inspiração para o longa veio das tradições célticas relacionadas ao Halloween, como o Samhain. Debra Hill queria mostrar que não se pode matar o mal, que é basicamente a motivação de Myers. Nas antigas tradições do Samhain, aquela era a noite em que as almas dos mortos podiam voltar ao mundo dos vivos, onde o véu que separa os dois mundos se dissipava. No hemisfério norte, essa noite ocorre entre 31 de outubro e 1º de novembro, enquanto no hemisfério sul acontece entre 30 de abril e 1º de maio.


2. A face de Michael Myers
O rosto branco e sem expressão de Myers se tornou uma das faces mais reconhecidas e famosas do universo cinematográfico. Quando o designer de produção do filme, Tommy Lee Wallace, estava procurando por uma máscara para o assassino, ele se deparou com algumas máscaras de personagens famosos em uma loja de fantasias no Hollywood Bullevard, em Beverly Hills. A máscara do capitão Kirk, de Star Trek, custava apenas 1,98 dólar. Ele então aparou as sobrancelhas, as costeletas, cortou as pálpebras, pintou de branco e escureceu o cabelo. Estava pronta a face do mal!


1. Outubro?
O filme se passa no Halloween, em uma cidadezinha fictícia em Illinois, mas ele foi rodado no começo da primavera (começo de abril), no sul da Califórnia. Para passar a impressão de que estavam, de fato, em outubro, a produção comprou folhas artificiais e as pintou com cores típicas de outono, espalhando-as pelos locais onde gravavam. Depois que a cena era gravada, eles recolhiam as folhas e as reutilizavam, para salvar uma grana. Mas ainda é possível ver algumas palmeiras e árvores com folhas verdes em algumas cenas.

Como o filme foi rodado na primavera, também foi bem difícil encontrar abóboras para o Halloween. A produção encontrou apenas três e elas nem estavam laranjas. Foi necessário pintar todas elas para a famosa cor das Jack O'Lanterns.

Halloween: A Noite do Terror


Até mais! 🔪


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.