Resenha: Redshirts, de John Scalzi

Sou uma grande fã do trabalho de John Scalzi. Se você procurar aqui no blog vai encontrar várias resenhas de seus livros. Redshirts, publicado originalmente em 2012, é uma paródia bem-humorada de um meme conhecido pela internet e, principalmente, pelos fãs de Star Trek: a morte recorrente de personagens da série clássica que usavam a famigerada camisa vermelha!




Parceria Momentum Saga e
editora Aleph


O livro
O alferes Andrew Dahl foi designado para a Intrepid, a principal nave da frota da União Universal, aquela que lidera as maiores e mais perigosas missões desde 2456. Qualquer oficial ficaria inflado de tanto orgulho por servir em uma nave tão famosa. Em sua ida para a nave, ele conhece outros alferes que estão chegando na nave, alguns meio a contragosto, mas para Dahl é um posto interessante depois de passar anos estudando teologia.

Resenha: Redshirts, de John Scalzi


Designado para trabalhar no laboratório de xenobiologia, Dahl sente que tem algo estranho quando percebe que todo o pessoal desaparece sem explicação. Dahl é bastante observador, pois logo percebe um padrão: sempre que um oficial superior aparece para designar alguém para uma missão, seus colegas desaparecem. E depois que o oficial sai, os colegas retornam.

Conforme o tempo passa, outras coisas são percebidas por ele: toda missão fora da nave acaba envolvendo algum confronto com forças alienígenas mortais; o capitão, o oficial de ciências e o tenente bonitão da ponte sempre sobrevivem a esses encontros e; ao menos um membro do grupo acaba morrendo (e sempre são motivos bestas). É um padrão desconcertante demais para Dahl que começa a se questionar: o que diabos está acontecendo nessa nave??

Só por esse pequeno resumo qualquer fã de Star Trek já identificou o enredo básico de praticamente qualquer episódio da série clássica. Vários tripulantes valorosos da Enterprise morreram de maneiras imbecis durante as missões avançadas. E tivemos algumas mortes em outros episódios da séries seguintes, mas elas eram melhor explicadas e mais espaçadas do que o padrão estabelecido na primeira produção.

Scalzi se apodera desse padrão (e meme) e faz uma justa homenagem aos pobres figurantes desconhecidos que morreram. Façamos aqui um minuto de silêncio diante do túmulo do figurante desconhecido... É óbvio que Scalzi faz uma paródia bem-humorada da série, o que é em si também uma homenagem. Star Trek pode não ter criado a ficção científica para a televisão, mas estabeleceu padrões difíceis de bater. Se hoje existem séries derivadas (fãs de Lei & Ordem e CSI sabem bem disso) foi devido ao pioneirismo de Star Trek A Nova Geração, que estreou em 1987. Por mais de 15 anos, a televisão norte-americana teve ao menos uma série de ST no ar. É um imenso legado.

Redshirts nem é a primeira paródia de Star Trek, mas o que Scalzi fez aqui foi absolutamente genial. O livro me arrancou boas risadas várias vezes com suas passagens sarcásticas e situações inusitadas, dignas de um roteirista de TV. Quem acompanha ficção científica com regularidade sabe que este é um gênero acostumado com o absurdo, mas aqui os personagens começam a questionar seu motivo. E são questionamentos super válidos para o momento em que os personagens estão e é aí que está a graça. É como se o capitão Picard começasse a brigar com os roteiristas pela morte de Tasha Yar.

- O fato de as pessoas morrerem em torno desses oficiais é tão claro e óbvio que todo mundo os evita por instinto (...) Se estão andando pela nave, os tripulantes sabem que precisam fingir que estão no meio de alguma tarefa muito importante para o chefe da tripulação ou para o líder do departamento. Por isso todo mundo está sempre correndo pelos corredores quadno eles estão por perto.

Página 68

Não posso entregar mais do que isso, mas acredite em mim quando eu digo que o livro ganha um caráter praticamente metafísico e filosófico lá da metade em diante. A forma como Scalzi evolui o enredo para discutir algumas coisas foi de forma sensível e bem-feita. Algumas pessoas podem não gostar muito da forma como ele cria e conduz seus personagens, pois há momentos em que eles parecem rasos, o mesmo problema que identifiquei em Guerra do Velho, mas acho que ele faz dessa maneira para que a gente preencha os espaços deixados.

A tradução de Petê Rissatti está excelente. O texto tem toda a ironia e o sarcasmo do texto original e com excelentes adaptações para o nosso idioma de expressões usadas pelo autor. Encontrei erros pontuais de revisão, nada muito grave, mais para perto do final do livro que é em capa comum e papel amarelo.


Obra e realidade
Os camisas vermelhas, ou redshirts no original em inglês, são os oficiais de segurança da série clássica de Star Trek (1966–69) que morriam com frequência nos episódios. Eles eram usados para dramatizar a situação encontrada pelos tripulantes e explorar ao máximo o perigo que eles corriam. O episódio "What Are Little Girls Made Of?" (1966) sedimentou a péssima tradição de matar os figurantes.

Ao todo, 55 membros da tripulação da Enterprise morreram ao longo dos três anos em que a série clássica ficou no ar. Quarenta deles usavam a famosa camisa vermelha, nove usavam a camisa "cor de burro quando foge" e sete usavam a camisa azul. As maiores baixas foram entre os membros da equipe de segurança. Se pensarmos aqui que a tripulação total da Enterprise era de 420 tripulantes, então 13% da tripulação morreu de maneira besta para aumentar o drama da série.

Star Trek brincou com o estereótipo tanto em livros como em Deep Space Nine, onde no episódio "Valiant" (1998) eles se referem à cor vermelha como sendo de má sorte quando um grupo de cadetes se define como o Esquadrão Vermelho. Galaxy Quest (1999) também tirou sarro dos redshirts onde um ator que tinha sido figurante na série que dá nome ao filme morre de medo de sair em missão porque sabe que seu personagem vai morrer.

John Scalzi

John Scalzi é um escritor norte-americano de ficção científica e ex-presidente da Science Fiction e Fantasy Writers of America.


Pontos positivos
Bem escrito e traduzido
Alferes Dahl
É engraçado
Pontos negativos
Título em inglês
Alguns errinhos de revisão

Título: Redshirts
Título original em inglês: Redshirts
Autor: John Scalzi
Tradutor: Petê Rissatti
Editora: Aleph
Páginas: 376
Ano de lançamento: 2021
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Este é um livro para fãs de Star Trek ou apenas fãs de uma ficção científica bem-humorada, que não se leva a sério, mas que também traz discussões sobre inteligentes sobre o significado de nossas vidas, que questiona nosso lugar e se de fato pertencemos a ele. Leia e se divirta, pense nas discussões e depois me conte o que você achou. Quatro aliens para Redshirts e uma forte indicação para você ler também!


MUITO BOM!


Até mais! ☠


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.