Resenha: Guarda Lunar, de Tom Gauld

Sempre fui uma grande fã do trabalho de Tom Gauld, principalmente suas tirinhas sobre ciência. Depois conheci suas tirinhas literárias e seus livros. É uma grande satisfação saber que agora temos no Brasil seus trabalhos, sendo Guarda Lunar seu segundo livro. Tom tornou a ciência divertida e popularizou os dilemas da literatura de forma leve e não menos direta. Aqui nós acompanhamos a jornada de um policial no seu dia a dia de serviço.





O quadrinho
O policial lunar (nunca nomeado pelo autor) tem como função manter a ordem e a segurança pública na colônia lunar. Ele faz rondas diárias em uma maçante rotina, já que quase nada acontece nesse lugar. Às vezes é um cachorro que se perde, ou um robô que saiu caminhando, uma jovem perdida, mas é isso. Os dias se sucedem na monotonia para o pobre policial. Mas tem algo acontecendo. O policial percebe que as pessoas estão votlando para a Terra e a colônia lunar está esvaziando. Cada pessoa com quem o policial conversa fala que está retornando para a Terra.

Resenha: Guarda Lunar, de Tom Gauld


Quem espera por grandes aventuras no espaço pode se decepcionar com o estilo de Gauld, mas para quem conhece seu trabalho já sabe mais ou menos o que esperar e ainda assim é uma grata surpresa se deparar com esse quadrinho. A colonização que temos aqui é solitária, rotineira, onde nada acontece de emocionante. O espaço, antes visto como um lugar de vanguarda e de avanço da humanidade se mostrar um lugar com poucos atrativo, fazendo com que as pessoas decidam retornar para a Terra, até para ficar mais perto de outros parentes.

Gauld explora os grandes espaços vazios que reconhecemos da paisagem lunar para compor seu enredo. Ele foca no estado emocional de seus personagens, na sua rotina solitária e na desconexão entre as pessoas como gerador de conflitos, em um tom monorcórdico e bastante sensível. Os diálogos são esparsos, intercalados por grandes quadros com o estilo característico de Gauld entre eles, ressaltando a monótona vida do policial.

Paisagem de Guarda Lunar


Em um primeiro momento pensei que a leitura seria triste, mas o humor árido de Tom Gauld aparece nas inusitadas situações em que o policial se encontra, como o de escoltar um robô perdido de volta ao seu lugar de origem ou quando a tecnologia avançada não se mostra assim tão inteligente. De novo, para quem conhece o trabalho do autor essas cenas são um prato cheio.

A arte minimalista e uma estreita paleta de cores contribuem para a sensação de monotonia, de um lugar e vida parados e desconectados do restante do universo. Alternando entre a melancolia e o humor, Guarda Lunar é um grande quadrinho, repleto de detalhes para explorar e se deliciar. Gauld pensou sua arte para ser absorvida pelas leitoras com leveza e tranquilidade.

Cena de Guarda Lunar


É uma pena que a edição seja em capa comum, gostaria que fosse em capa dura. Não sei se foi uma desatenção da editora, mas a folha de rosto da edição tem letras pretas com fundo azul escuro e mal dá para ler o que se diz. Tirando isso, a edição é perfeita, com uma ótima tradução de Hermano Freitas.


Obra e realidade
Apesar de parecer triste e melancólica com as pitadas já conhecidas do humor seco de Tom Gauld, achei o quadrinho bastante singelo, bastante emotivo. Tem um certo ar antitecnológico, já que quase todas as tecnologias da colônia não funcionam direito e parecem isolar os personagens. Tem um ar que lembra muito o da exploração especial dos anos 1960, quando havia um tecno-otimismo no ar, onde a tecnologia resolveria todos os problemas, onde colonizaríamos todo o sistema solar até a virada do século.

Quando a Apollo 13 estava a caminho da Lua a audiência do evento foi tão baixa que a transmissão dos astronautas nem foi televisionada, pois não interessava mais às pessoas. A visita à Lua não era mais uma novidade. Na real mesmo, o desastre com a Apollo 13 é que gerou um interesse na mídia, mas não a missão em si. Talvez este tenha sido o primeiro sinal de que a tal "conquista do espaço" não seria assim tão simples.

Tom Gauld


Tom Gauld é um cartunista e ilustrador escocês. Além dos livros, Tom ilustra tirinhas e capas para a revista The New Yorker, para o The New York Times, The Guardian e para a revista New Scientist.


Pontos positivos
É uma obra de Tom Gauld
Se passa na Lua
O guarda lunar
Pontos negativos

Acaba logo!

Título: Guarda Lunar
Título original em inglês: Mooncop
Autor: Tom Gauld
Tradutor: Hermano Freitas
Editora: Todavia
Páginas: 96
Ano de lançamento: 2021
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Foi uma leitura deliciosa, melancólica e feliz ao mesmo tempo. Uma leitura que fala sobre a falta da conexão humana, sobre o fim do otimismo, mas o começo de uma nova jornada. Se você é fã de Tom Gauld ou apenas uma fã de quadrinhos, precisa ter Guarda Lunar na sua estante. Cinco aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!


MARAVILHOSO!

Até mais! 🌙


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.