Em busca dos significados da ficção científica

Recentemente foi lançada uma excelente ferramenta para fãs, escritores, entusiastas e estudiosos da ficção científica. Quem curte o gênero sabe da imensa quantidade de termos e expressões que, comumente, aparecem em livros, filmes e séries de TV. Essa sopa de letrinhas pode acabar afastando as pessoas por acharem que FC é um gênero difícil ou incompreensível. Teletransporte, campo de força, motor de dobra, são vários os termos. Mas agora podemos encontrar tudo em um só lugar.


Em busca dos significados da ficção científica




Leia também: 10 termos da ficção científica e Outros 10 termos da ficção científica

Podemos traçar a origem de civilizações e culturas através do surgimento de palavras. Veja por exemplo a quantidade de palavras latinas dentro do inglês, e podemos voltar até à invasão romana na Bretanha e seu subsequente controle de parte da ilha por sua introdução. As palavras mais antigas são radicalmente diferentes do que as modernas que tanto se parecem com palavras em português.

A ficção científica é um gênero que irradia novos termos e palavras a cada nova produção ou livro. Inclusive novos idiomas, como vemos em Star Trek e suas centenas de espécies alienígenas - klingons, vulcanos, romulanos, ferengis - ou os heptapodes de A Chegada. Alguns termos caíram no senso comum, como geoengenharia, terraformação e engenharia genética, todos eles surgidos nas máquinas de escrever de vários escritores de FC do passado.

Como alguém que ama ficção científica e escreve a respeito, posso dizer com certeza de que esses novos termos e palavras são muito legais. É divertido pensar neles, criá-los, ler em outras produções, imaginar como sejam, como que os autores chegaram a tais palavras e conceitos. É satisfatório demais poder criar e deixar uma marca permanente que poderá ser usada por outras pessoas. Não que não renda problemas, é claro. A Paramount Pictures foi processada uma vez por um escritor de ficção científica quando Star Trek: First Contact foi lançado, alegando que ele criara o termo "primeiro contato". Mas o tribunal entendeu que ele nunca processara ninguém antes pelo uso do mesmo termo e indeferiu o caso.

A criação de novos termos e palavras precisam fazer sentido dentro do enredo, além de serem de fácil reconhecimento. Quando N.K. Jemisin quis discutir racismo em seu universo na trilogia da Terra Partida, ela criou um neologismo para a palavra racista "nigger". Surgiu então "rogga", uma versão igualmente pejorativa para os orogenes dos livros, capazes de controlar as forças geológicas do planeta.

Estas novas palavras e termos acabam se tornando algo canônico dentro da ficção científica e foram repetidas e utilizadas em diversos enredos, às vezes tão misturadas e dissipadas que fica difícil encontrar sua origem. Desta maneira, Jesse Sheidlower, um lexicógrafo, editor, escritor e programador norte-americano, professor na Universidade Columbia, criou o Historical Dictionary of Science Fiction. São 1800 entradas que voltam ao começo do século XX, com suas definições iniciais e modernas, além de ligar as palavras e termos com a bibliografia original e seus criadores. Há também 1600 páginas escaneadas mostrando onde elas surgiram.

Vale à pena navegar pelas páginas em busca das origens de palavras que ouvimos com frequência. Às vezes aquele conceito interessante que você ouviu na nova temporada da sua série favorita já foi usada em algum conto perdido lá nos anos 1940. É preciso aplaudir o trabalho e o empenho de Jesse. Não é fácil pesquisar ficção científica, pois muitas bibliotecas não possuem acervo por preconceito com o gênero. Muitas formas de "cultura pop" são ignoradas por algumas delas, classificando-as como irrelevantes ou por não possuíram "valor literário".

O que ajudou o autor foi o escaneamento em massa de várias revistas pulps de FC e Fantasia do começo do século XX que agora estão no Internet Archive. Com o fim das restrições referentes aos direitos autorais, mais obras começaram a aparecer no arquivo e assim ele conseguiu ter acesso ao banco de dados dos sonhos de qualquer fã de FC. Preso em casa por causa da pandemia, ele teve todo o tempo do mundo e ajuda online de fãs e autores para compilar as entradas.

Este é um dicionário, não são entradas na Wikipédia. Você pesquisa a palavra, encontra o significado e há uma linha do tempo traçando a origem dela e onde mais ela apareceu. Sabia que a palavra "cyborg" (ou ciborgue no bom português) foi primeiramente utilizada em uma reportagem do jornal The New York Times, em 1960? Ela apareceria em um enredo de ficção científica pelas mãos de Frank Herbert, no conto "Eyes of Heisenberg", na edição de agosto de 1966 da Revista Galaxy. "Hyperdrive", o super motor capaz de viajar mais rápido que a luz, surgiu em um conto na revista Thrilling Wonder Stories de dezembro de 1946.

O uso tão disseminado de algumas palavras levanta inclusive a questão sobre a quem elas pertencem. Os escritores têm seus direitos autorais protegidos para a obra, mas eles valem para uma palavra ou termo usado em um contexto diferente? Será que dois ou mais escritores não podem acabar criando o mesmo termo, usando-os em obras que não têm conexão entre si? Fica aí uma boa discussão para os comentários.

Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.