Projeto Releituras: revivendo leituras passadas ou antigas

Quando a pandemia foi decretada e a quarentena impôs o isolamento das pessoas em casa, muitas se dedicaram às leituras, compraram livros, pegaram ebooks de graça que as editoras disponibilizaram nas lojas online. Mas aí eu te pergunto: você leu algum desses livros? Aquela última vez que você passou no sebo, pegou umas promoções e levou para casa, quantos desses livros você de fato leu? Vamos bater um papo a respeito.


Projeto Releituras: revivendo leituras passadas ou antigas




Adoro acompanhar os lançamentos de livros. Sempre fico na expectativa de alguma autora ou livro que li em inglês chegar por aqui pra que a gente possa bater um papo literário. Recebo vários lançamentos das editoras, suas newsletters, fico por dentro do que vem sendo lançado para deixar você também bem informada sobre o que está saindo. Eu amo tanto ler que me cerco de leitura de todas as formas. Prefiro um tutorial escrito do que um vídeo, tenho Kindle e o app dele no celular, tenho livros ao meu redor e apenas um cérebro para dar conta de todas a leituras que quero fazer.

Ao mesmo tempo, vejo que acabo relegando muitas boas leituras para focar no novo. Chega um lançamento, leio, passo para o próximo. Vem um novo livro da minha autora favorita, leio, resenho, próximo. Mas e aqueles livros que eu comprei quando visitei a Bienal de Minas, em 2016? E os livros que eu comprei na Flip em 2018? E aqueles livros que encontrei no Estante Virtual e paguei baratinho e nunca mais folheei? E os ebooks gratuitos que peguei na Amazon quando a quarentena começou? O que houve com eles?

É invevitável na vida de toda leitora acabar deixando passar leituras. Às vezes é inconsciente, como esse ano eu percebi que foi. As preocupações com o Covid e o trabalho quase automático para manter o blog me fizeram relegar várias leituras para as beiradas da estante. Leituras que podem ser incríveis, que podem ser divertidas, talvez até não, mas que valham à pena ser lidas, ficam esquecidas. Isso acontece com todo mundo.

É por isso que surgiu o Projeto Releituras. A intenção aqui não é ser um desafio literário como os desafios que publico anualmente, com 12 livros. A intenção aqui é ser mais um exercício de observação. Tire um tempo para explorar suas prateleiras e seu Kindle, caso tenha. Veja quais livros estão ali te esperando, tente reviver aquele desejo ardente da leitura e do porque você pegou o livro em primeiro lugar. Por alguma razão você deixou o livro para trás. Tente imaginar o motivo e tente se ver lendo aquele livro.

O segundo objetivo do projeto é fazer releituras. Por muito tempo na minha vida de leitora eu relia os livros que eu tinha já que não tinha como comprar outros. E revisitar um livro lido uma vez é uma delícia. Você acaba percebendo certas coisas que na leitura anterior deixou passar. É como revisitar uma amiga que você não vê há muito tempo. Este ano de 2021 quero me dedicar a algumas releituras e a pegar leituras que deixei passar em detrimento dos livros mais novos.

Não tem nenhuma meta específica aqui. É apenas uma conversa mesmo pra que a gente reavalie algumas coisas na vida de leituras. Às vezes na empolgação nós compramos livros que ficam acumulando pó, as palavras ali pendendo das páginas, pedindo para serem lidas. Se você não for passar esses livros para frente, se ainda está disposta a ler ou reler, reconsidere separar alguns para o ano que vem e se dedicar a redescobrir o prazer que aquele livro algum dia lhe trouxe.

Se a sua estante estiver com muitos livros novos, visite os sites de sebos (evite visitar sebos e livrarias nesse momento de pandemia) e busque livros antigos do nicho que você mais goste de ler. Veja lançamentos de cinco, dez anos atrás, veja se tem algo que interessa lá trás e pegue para ler. Na ficção científica, por exemplo, existem algumas edições perdidas por aí de autores que nunca mais foram relançados e por preços bem bacanas.

Sempre que eu fizer uma resenha de algum livro mais antigo ou de uma releitura, colocarei um aviso bem no começo chamando o link do projeto. Se você quiser, pode compartilhar nas redes sociais com #ProjetoReleituras, pois eu vou adorar ler (ou reler!) o que você andou lendo.

Até mais! 📖


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

3 COMENTÁRIOS

  1. Foda que a sociedade pressiona a gente para não "perder tempo", acabamos caindo na vala de um raciocínio onde tem que aprender mais, adquirir mais, descobrir mais, daí reler livros e até mesmo rever filmes pode parecer uma "perda de tempo".

    Eu só consegui sair dessa lógica tóxica depois que li "A Arte de Escrever" do Schopenhauer, onde ele não apenas aponta que a releitura é essencial ao entendimento, como também a noção de que a experiência fora da obra original (traduzida, por exemplo) é uma experiência filtrada. Foram coisas que me fizeram olhar com mais atenção para a qualidade com que eu absorvo conteúdo para além da quantidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo reler os meus livros favoritos, mas faz tempo que eu não consigo fazer isso.

      Excluir
    2. Essa lógica atual do "mais", de sempre seguir em frente, faz a nossa memória ficar um lixo. É tanta informação que não é revisitada que não nos lembramos de nada do que lemos ou assistimos. Até não-ficção eu não lia novamente (nem as anotações) porque sempre tinha um outro livro. Não deu muito tempo para me esquecer de quase tudo e perceber que não estava internalizando quase nada. Desde então tenho lido novamente alguns livros que mais gostei nos anos anteriores.

      Excluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.