Resenha: Medicina Macabra, de Thomas Morris

Todo mundo já ouviu histórias absurdas de casos estranhos que deram entrada em um pronto-socorro ou pacientes que inalaram um feijão e ele brotou no pulmão e por aí vai. As histórias se multiplicam conforme são repassadas (quem conta um conto aumenta um ponto, certo?), mas de onde elas vieram? Se você tem curiosidade para saber desses casos bizarros, este livro contém histórias insólitas da medicina que ocorreram em um período de 300 anos.




Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Thomas Morris estava pesquisando material para seu primeiro livro quando percebeu uma coisa: entre os artigos médicos de linguagem rebuscada e textos longamente verborrágicos, ele encontrou pérolas esquecidas da medicina. Sabe aquelas histórias estranhas que a galera garante ter ouvido de um médico de pronto-socorro? Thomas encontrou várias delas em tratados médicos ao longo de 300 anos.

Resenha: Medicina Macabra, de Thomas Morris


Usando um tom divertido, talvez para aliviar a tensão de alguns casos (e até o nojo), Thomas reuniu vários casos escabrosos relatados por médicos em artigos supostamente científicos. Digo supostamente, pois a forma como são contados desafia até a lógica da época, mas certamente retratam as crenças e o conhecimento que se tinha sobre corpo humano e medicina.

Dentes que explodem, homens que expelem lascas de metal depois de tomar um tiro de mosquete na cabeça, cobras dentro do coração de um jovem, lesmas saindo da boca de um paciente, machados abrindo crânios no meio, os casos conseguem ser cada vez mais surpreendentes. Mas o próprio autor avisa que nem todos os casos são verídicos. Obviamente que alguns são falsos, até um leitor da época perceberia isso. O auto afirma que removeu detalhes que pareciam desinteressantes, nem aumentou nada, mas acho que o livro teria sido mais legal se todos os casos tivessem aviso sobre o que poderia ser verdadeiro e o que poderia ser falso.

Sob uma perspectiva moderna, muitos dos tratamentos descritos nas histórias a seguir podem parecer absurdos, talvez até desumanos. Por isso, é importante lembrar que os médicos do passado eram tão inteligentes e dedicados quanto os de hoje em dia. Se há algo que esses relatos comprovam é o admirável senso de propósito, a determinação que beira o insensato com que os médicos lutavam para tratar seus pacientes numa época em que a realidade do ofício em si ainda deixava muito a desejar.

Página 22


A estrutura do livro lembra muito a de um folhetim ou de uma revista de fofoca. O autor reuniu alguns relatos de médicos provocando outros colegas ou duvidando de seus diagnósticos entre casos de pacientes cuja inteligência deve ser questionada na hora de tomar certas decisões. Os casos são relatados em vários capítulos curtos divididos por seções específicas como cirurgias, curas, histórias, perigos e etc. A linguagem escolhida para o livro não é científica, talvez tenha um ar mais técnico quando o autor cita partes de artigos médicos ou quando explica termos médicos, mas só isso.

Ainda que muitos desses relatos sejam interessantes, nojentos, angustiantes e de certa forma engraçados, acho que o autor exagerou no tom satírico. Por mais que tenha casos inventados e sejam de fato estapafúrdios, em outros momentos ele tira sarro da dor real de algumas pessoas. Os comentários irônicos estão em todos os relatos que ele angariou em suas pesquisas e depois de um momento a coisa ficou bem chata.

O livro em si é bem bonito, como só a DarkSide sabe fazer, com um belíssimo trabalho gráfico tanto na capa quanto no miolo. Não acho que o título devesse ser Medicina Macabra, mas sim Medicina Bizarra, pois é isso o que os relatos são no geral, bizarros e não sobrenaturais. Mas entendo que o título faz referência ao nome do selo por onde foi lançado. Encontrei alguns problemas de revisão, algumas letras não batidas ou pontos inexistentes, mas não chegam a atrapalhar a leitura.


Obra e realidade
É preciso lembrar que a medicina evoluiu muito depois dos casos aqui apresentados (ainda bem, né?). Os médicos tentaram fazer o que fosse melhor para seus pacientes em uma época sem anestesia, sem assepsia, sem conhecimento de antinflamatórios e antibióticos, onde o simples ato de lavar as mãos era visto como uma heresia. Eram outros tempos, com outra interpretação, com outra visão de corpo humano e doença. Se hoje podemos achar alguns dos casos relatados como absurdos temos que lembrar que na época a bizarrice era uma norma, como tirar fotos de cadáveres. Será que não temos nossas próprias bizarrices hoje em dia?

Thomas Morris


Thomas Morris é um escritor britânico. Trabalhou por quase 20 anos para a rádio BBC e escrevendo artigos para jornais como o The Times, The Lancet e The Cricketer.

Pontos positivos
Bem pesquisado
Bem escrito
Bem-humorado

Pontos negativos
Pode ser nojentinho
Preço

Título: Medicina Macabra: Mistérios Médicos & Relatos Sangrentos
Título original em inglês: Mystery of the Exploding Teeth: And Other Curiosities from the History of Medicine
Autor: Thomas Morris
Tradutor: Carlos Norcia
Editora: DarkSide (selo Macabra)
Ano de lançamento: 2020
Páginas: 432
Onde comprar: na Amazon ou na loja da DarkSide com brinde exclusivo!


Avaliação do MS?
Foi uma leitura insólita! Tinha momentos em que eu tinha que parar de ler e respirar fundo, em outros eu morri de rir com algumas das situações absurdas. Ainda bem que a medicina evoluiu! Se você curte curiosidades bizarras sobre medicina e ciência, vai curtir Medicina Macabra. Quatro aliens para o quadrinho e uma forte recomendação para você ler também!



Até mais! ⚕


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.