Resenha: A lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e outros contos, de Washington Irving

Se você é da minha geração, provavelmente, assistiu ao filme A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, de Tim Burton, certo? O filme de 1999 contém toda aquela excentricidade conhecida do diretor, com paisagens sombrias e um personagem que cavalga por aí sem cabeça. No filme, o policial Ichabod Crane é enviado de Nova Iorque para investigar uma série de assassinatos cometidos por um misterioso cavaleiro sem cabeça na aldeia de Sleepy Hollow. E o conto original de Irving, que completou 200 anos em 2020, é assim também?




O livro
Acho importante deixar claro no começo dessa resenha que se você for ler o conto original esperando um enredo semelhante ao do filme, capaz que se desaponte. Os roteiristas se inspiraram na figura assombrada do cavaleiro sem cabeça e usaram alguns dos nomes de personagens do conto para compor um novo enredo, mas é só isso. No conto de Irving, Ichabod Crane, é um tipo magro, bem supersticioso, que viaja até uma vila chamada Sleepy Hollow para exercer seu ofício de educador. Nesta cidade também mora a belha Katrina Van Tassel, filha única do rico fazendeiro Baltus Van Tassel.

Resenha: A lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e outros contos, de Washington Irving


Katrina é uma jovem primorosa por quem Ichabod está apaixonado, mas quem compete com ele pela mão da bela moça é um valentão chamado Brom Bones. A família Van Tessel é também muito rica, então Ichabod vê nesse casamento uma chance de se dar bem na vida. Numa noite, Crane é perseguido pela figura assombrada do Cavaleiro sem Cabeça, que cavalga em busca de sua cabeça perdida, a verdadeira. Irving passa um bom tempo relatando sobre aquelas terras tradicionais e pacatas assombradas pela estranha figura e muito menos relatando fatos sobre essa criatura em si.

O principal espírito, contudo, que assombra essa região encantada, e parece ser o comandante em chefe de todos os poderes do ar, é a aparição de uma figura a cavalos, sem cabeça. Dizem alguns que é o fantasma de um soldado hessiano, cuja cabeça foi levada por uma bala de canhão em alguma batalha anônima durante a Guerra da Independência, e o povo do campo o vê sempre e amiúde, percorrendo as trevas da noite como se nas asas do vento.

Página 32


A edição comemorativa pelos 200 anos da publicação original contém outros três contos: Rip Van Winkle, O Noivo Espectral (e a cozinha da estalagem) e O Diabo e Tom Walker. Dos três, o meu favorito é do Rip Van Winkle, até porque eu me lembro de O Teatro dos Contos de Fadas e da adaptação dele por Shelley Duvall com muito carinho. Todos os contos do autor carregam uma magistral costura entre a ficção e a história, onde Irving se aproveita de fatos verdadeiros com os aspectos sobrenaturais de vales e montanhas. As Montanhas Catskill, em Nova York, por exemplo, ainda hoje carrega um ar sobrenatural para muitos turistas.

Podemos ver bem essa hábil confecção de enredos em Rip Van Winkle, que adormece em algum lugar das montanhas e acorda apenas 20 anos depois para descobrir que os Estados Unidos se tornaram independentes e que sua antiga casa está vazia. O pobre Rip quase é confundido com um apoiador do rei George, o que poderia facilmente levar alguém à morte naquela época. Em todos os contos, o autor soube colocar o fantástico entremeado com o cotidiano dos moradores da jovem nação, que trouxeram de seus respectivos países muitas lendas e folclore.

A própria lenda o Cavaleiro sem Cabeça aparece na Europa antes do conto de Irving. Uma das Lendas de Rübezah, do alemão Karl Musäus fala de uma entidade gigantesca que se disfarça de um cavaleiro com um nabo no lugar da cabeça. E "O Caçador Selvagem", de Gottfried August Bürger fala da transformação de um nobre muito cruel em um fantasma condenado a cavalgar nas asas do vento.

O Noivo Espectral (e a cozinha da estalagem) não se passa nos Estados Unidos e tem um certo tom de conto de fada onde uma jovem bela moçoila aguarda pelo seu belo noivo. As horas, passam, os convidados estão inquietos, o jantar está praticamente esfriando na mesa e nada do tal noivo. Mas a figura que chega à residência para o jantar opulento parece estranha demais. Esse e os outros contos carregam aquela ar gótico que Tim Burtom conseguiu aproveitar tão bem em seu filme e deve agradar às leitoras que curtem o estilo.

Além dos contos, há uma introdução escrita por Oscar Nestarez, escritor e pesquisador de horror. Jim Anotsu, escritor, tradutor e roteirista, comenta a questão racial dos contos de Irving e o posicionamento do autor (ou a falta dele) sobre a questão. No final temos uma breve biografia do autor, além da lista dos apoiadores do livro que foi financiado via Catarse.

detalhe de Ichabod Crane


A edição em si está linda de viver, com capa dura e detalhes em verniz, pintura trilateral vermelha, fitilho marca-páginas e muitas ilustrações no miolo originais de outras versões dos contos. A tradução de Camila Fernandes está excelente e não há erros de revisão no livro. É uma edição de colecionador!


Ficção e realidade
Eu não exatamente uma grande leitora de terror. Filmes, então, sou uma patife. Mas tem algo no suspense e no horror de Irving que me agrada muito, que é o sobrenatural dentro do cotidiano, dentro do dia a dia, no simples jantar de uma família. Não curto aqueles enredos onde o sangue escorre pelas páginas pelo simples prazer de chocar as pessoas, mas curto um suspense que te enleva, onde você tem medo de virar a próxima página, mas tem medo de não virar. Quem faz isso muito bem é Stephen King, Joe Hill, especialmente este último é o meu favorito.

Washington Irving


Washington Irving foi um escritor, biógrafo, ensaísta, historiador e diplomata dos Estados Unidos, do início do século XIX. Conhecido como o primeiro homem de letras no país por conseguir se sustentar apenas com sua escrita.


Pontos positivos
O cavaleiro
É ilustrado
Bem escrito
Pontos negativos
Racismo



Título: A lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e outros contos
Autor: Washington Irving
Tradutora: Camila Fernandes
Editora: Wish
Ano: 2020
Páginas: 192
Onde comprar: na loja da Wish!


Avaliação do MS?
Foi uma ótima leitura. Ainda que o conto original do Cavaleiro sem Cabeça não siga à risca o filme que tanto nos lembramos, foi interessante conhecer a versão original, além de ler os outros contos escritos pelo autor. Se você curte contos góticos, vai curtir e muito esta edição. Cinco aliens para o livro e uma forte indicação para você ler também!



Até mais!


Já que você chegou aqui...



COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.