Blogs e blogagens

Um papo que eu ando vendo muito pelas redes sociais é sobre a tal "volta dos blogs". Ahhh, os blogs! O primo pobre das mídias sociais teve sua morte anunciada diversas vezes. A cada nova rede, a cada nova forma de se comunicar, alguém pegava o prego e o martelo para lacrar a tampa do caixão dos blogs mais uma vez. De uns tempos para cá tenho visto muita gente comentando que os blogs deviam retornar. E aí eu penso: quando foi que os blogs sumiram mesmo, que esse desaparecimento eu perdi?

Blogs e blogagens
Arte de Loui Jover




Agora em 2020 o Momentum Saga completou 10 anos de existência. É um dos meus projetos mais longevos e chegou mais longe do que eu poderia imaginar. Foi por causa dele que eu pude participar de eventos, de falar com gente que também curte ficção científica e literatura, foi por causa dele que eu conheci gente legal e com quem posso e pude trabalhar, foi através dele que tive coragem de publicar meus livros e contos e conquistar uma audiência.

Em 10 anos de existência eu pude ver muitos bons portais surgirem, alguns deles inspirados no próprio Momentum Saga. Quando alguém me diz que por causa do meu blog, do meu espaço, ela se inspirou em sentar para escrever, me dá uma alegria desmedida, que mal cabe em mim. Saber que esse espaço inspira as outras pessoas é algo que me move e me faz continuar, a despeito de todas as dificuldades e dos dias ruins que eu tenho, quando fico pensando para que ainda martelo esse teclado todos os dias.

E em 10 anos a morte dos blogs foi anunciada diversas vezes. Vi ótimas blogueiras trocarem de mídias, abandonando seus espaços e seguindo para publicações mais curtas ou em formato de vídeo em YouTube, Facebook e Instagram. Vi lugares que gostava de frequentar fechando porque a vida da pessoa mudou e não cabia mais um blog nela. A morte anunciada dos blogs nunca se fez sentir por aqui. Tive 10 anos de crescimento contínuo, mês a mês, em um espaço que só tem escrita corrida. Nada mais que isso.

Como é que pode uma mídia dessas obter crescimento constante se ela morreu? Não faz sentido, certo? Mas a resposta é bem fácil: os blogs não morreram, as pessoas é que pararam de ler. Vejo muitos fios imensos pelo Twitter e fico pensando: será que isso não caberia melhor em um blog? "Ain, mas as pessoas hoje preferem uma mídia mais imediata, não querem ficar clicando em links". Pois os meus leitores e minhas métricas de acesso mostram o contrário, elas clicam sim. Se o sujeito não clica porque quer tudo mastigado aí não é problema do blogueiro.

Blogs continuam sendo o primo pobre das redes sociais pela facilidade de se abrir um. Anos atrás, quando ainda não existiam Twitter, Instagram e afins, o blog era visto como o lugar para se compartilhar conteúdo e agregar audiência (ainda é!). E surgiu blogs de tudo e de qualquer conteúdo, nem todos bem-feitos, muitos amadores e feitos para obter cliques. Essa má fama perdura até hoje, ainda que tenhamos excelentes portais que não se nomeiam blogs, mas que funcionam em uma plataforma de blogagem como o Wordpress.

Blog é um espaço que é seu. Vejo muitos bons portais de livros no Instagram, postando resenhas e textos, mas se o Instagram deixar de existir amanhã, seu portal também vai sumir. Aqui no Blogger eu faço backup dos meus textos toda semana. Ele salva tudo o que eu fiz nos últimos 10 anos e posso carregar esse mesmo arquivo em outra plataforma se eu quiser. Minha audiência só cresceu, enquanto Facebook e Instagram viram seus algoritmos derrubarem os acessos dos portais, que hoje estão cogitando voltar para uma plataforma onde eles tenham mais controle: os blogs.

Rede social não é um espaço ideal para se produzir conteúdo extenso. Blogs são. Se a pessoa não gosta de ler, não importa se é um fio no Twitter ou um textão no Instagram, ela não vai ler. Mas o blog é um espaço organizado e pensado para conteúdos mais extensos, sem que você lote a timeline da outra pessoa. Quem de fato se importa com o seu conteúdo, vai clicar no seu link.

Acompanho de perto os acessos que o blog recebe e uma coisa que eu percebi foi a mudança de plataformas dos leitores do MS. Hoje mais de 60% dos acessos é feito via smartphone. Meus leitores estão lá no metrô ou no ônibus e abrem o conteúdo. Também recebo muitas visitas enviadas pelo Google via Android. Esse papo de que usuário não usa Google no celular é balela. Usa sim.

A internet é um meio bastante democrático, pois tem espaço para todo mundo produzir o seu conteúdo. Eu conheço o meu público muito bem, sei que eles gostam de ler e leem pelo celular. É um público que, como eu, não tem saco para vídeos e lives e preferem um texto corrido do que um vídeo que pode não apresentar exatamente o conteúdo que ele quer. É um público que está, em geral, plugado nas redes sociais, mas que não abandona os portais de entretenimento e curtem ler uma resenha ou um texto crítico. Esse é um deferencial imenso: conhecer seu público.

E aqui eu tenho controle dos acessos e do que vem sendo lido. O Blogger não tem algoritmos para derrubar meu conteúdo nem me obriga a pagar para ter maior visibilidade. O que atrai as pessoas para cá é a qualidade do que eu posto. O crescimento vertiginoso nesses 10 anos é a prova disso. Eu conto com 200 mil visualizações por mês apenas oferecendo textos.

Ou seja, os blogs nunca sumiram, eles sempre estiveram por aí. A cada novidade das redes alguém decretava que os blogs estavam mortos, quando na verdade a gente continuou agregando conteúdo e audiência. Enquanto isso, redes sociais estão derrubando os acessos de ótimos portais para poderem lucrar em cima. Eu sempre sugiro para os produtores de conteúdo que tenham o seu próprio espaço fora das redes sociais. Use as redes como um apoio para ventilar seu conteúdo, mas não confie na plataforma para crescer. A hora que ela quise te derrubar, ela derruba.

Por isso, viva os blogs!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

12 COMENTÁRIOS

  1. E está errada? De forma nenhuma. Nesses anos eu vi meu próprio consumo de blogs oscilar demais. Em alguns momentos eu quase não li blogs, em outros, lia, mas sempre foi o meu favorito justamente por eu saber que ele estaria lá para eu acessar quando quisesse. O seu texto me fez sentir falta de ler blogs e de alimentar o meu próprio.

    ResponderExcluir
  2. Esse post deixou meu coração quentinho! Também amo saber que tudo que faço no meu blog fica lá bonitinho, sem depender de redes sociais.

    ResponderExcluir
  3. Queria ter esse otimismo. Meu blog já deve ter mais de dez anos a essa altura (sinceramente parei de contar, rss), mas apesar das estatísticas demonstrarem que nunca parou de ter visitas e acessos via google tanto por PC quanto celular (assim como você descreve), o fato é que a SENSAÇÃO dos últimos tempos é de abandono. Como se as pessoas passassem por lá, mas não necessariamente lessem coisa alguma. Comentários e interações acontecem em facebook e instagram, praticamente zero no próprio blog e muitas dessas interações, mesmo quando carinhosas e interessadas, muitas vezes dão uma inquietante impressão de que a pessoa na verdade não leu o texto ou leu muito mal (tipo, fazendo perguntas que estão claramente respondidas no texto, comentários elogiosos que CONTRADIZEM o texto!). Considerando o tipo de conteúdo mais de nicho que me interessa (cinema e literatura de horror antigo e obscuro) e minha assumida falta de paciência em estudar técnicas de promoção, eu nunca esperei realmente um crescimento gigante ou rápido, apenas o bastante para manter alguma motivação... e é justamente a motivação que tem sumido cada vez mais. Me orgulho muito dos meus artigos, especialmente os "dossiês" mais extensos e detalhados (como o das "Ghost Stories for Christimas" ou das adaptações de "Carmilla") mas não tenho mais como fugir ao fato de que o fôlego pra esse tipo de pesquisa e redação tem me faltado cada vez mais diante da sensação de estar escrevendo pra dez ou quinze pessoas... Enfim, desculpe aproveitar o seu post para desabafar... mas, bem, é um tema sensível, não? rsss...

    ResponderExcluir
  4. Eu sempre mantive meu blog, só que o meu ninguém lê pq não tenho alcance. Mas não consigo troca lo por Instagram YouTube ele é tão bonitinho!!! Adoro meu blog! Mesmo q ninguém me leia ele nunca vai morrer pra mim!!!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com tudo que disse! A única diferença da comunidade blogger de hoje e daquela de 10 anos atrás (que acompanhei com tanto carinho) é a profissionalização, mas o blog está longe de morrer.

    A grande questão das pessoas em redes sociais é a ilusão dos números de vaidade. Você abre um perfil no Instagram e em 2 dias já tem 200 seguidores ou mais... Mas, em contrapartida, o engajamento é baixíssimo e o próprio match entre esses seguidores e o público que você quer realmente atingir é pequeno. Sem falar das milhares de contas do Instagram / Twitter que só começam a seguir você com a esperança de que você os siga de volta. Essa é a essência dessa cultura vaidosa das redes sociais.

    Criar uma comunidade com o blog é essencialmente mais difícil, olhando por esse lado. Mas é uma audiência MUITO mais engajada e interessada de fato no que você tem a dizer.

    Enfim, ótimo texto, como sempre! <3
    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por esse texto, Sybylla! Essa sensação de que tudo só pode ser por textos curtos ou vídeos é muito frustrante pra quem gosta de escrever e não gosta/não leva jeito pra outras mídias! E é bem o que você disse, as pessoas pararam de ler...isso é muito grave. Por isso eu não abro mão de escrever. Também é um forma de incentivar a leitura nesse mundo em que tudo é tão imediatista. Parabéns e obrigada por seu conteúdo sempre incrível! Seu blog é uma inspiração muito grande!!

    ResponderExcluir
  7. Sybylla, como você vê o medium dentro desse contexto? Vejo muita gente aderindo a ele em vez das plataformas de blog tradicionais, como o wordpress e o blogger.

    Abraços <3<3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Medium já perdeu muito engajamento, assim como as redes sociais. Hoje um texto não consegue mais bombar na plataforma como antes. Em especial agora que você tem que pegar assinatura pra acessar certos conteúdos.

      Excluir
  8. Só digo uma coisa: gosto de ler seus textos e suas análises (mesmo que nem sempre eu concorde contigo, é enriquecedor ter outro olhar sobre o que se consome). Espero um dia ter coragem para escrever algo também rs
    Vida longa aos blogs!

    ResponderExcluir
  9. Eu não largo o meu blog que já deve ter uns 14 ou 15 anos, um veterano nas redes. Há momentos em que passo meses sem publicar e isso influencia no engajamento e tráfego, mas é um espaço que não cogito extinguir. O que acho curioso nessa história de "morte dos blogs" é que isso é afirmado também por muitos (ex)blogueiros que migraram para redes sociais e agora estão se queixando também do baixo alcance de suas publicações - e aí tentam outras plataformas, como vídeos e podcasts. A leitura em redes sociais geralmente é fragmentada porque tais redes induzem a isso - daí o twitter ter se tornado, durante um período, o preferido de muita gente por causa dos textos curtinhos que podiam ser lidos rapidamente e de forma dinâmica. Quem já é leitor ou está formando o hábito vai encontrar os blogs, que continuarão ativos (e vivos!) por muito tempo.

    ResponderExcluir
  10. Posts que são abraços virtuais <3
    Meu blog também completou 10 anos em 2020 e me sinto tão orgulhosa de tudo que construí através dele, das coisas que compartilho, de poder ver meu crescimento pessoal e ajudar outras pessoas. É uma plataforma que entendo e está no meu tempo, do jeito que quero. No livro "Mostre o seu trabalho", o Austin Kleon fala muito de ter um blog, um espaço no qual é possível acompanhar seus processos, opiniões e crescimento do trabalho sem a interferência de algoritmo. É algo que levei pra vida.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.