Resenha: Púrpura, de Pedro Cirne e Mário César

E se uma doença fosse o ponto de partida por uma incrível jornada através de países lusófonos? Foi o que motivou a criação de Púrpura, que viaja por vários países que falam a língua portuguesa e compartilham da cultura por ela proporcionada tendo sempre a cor púrpura como elemento em comum.




Este livro foi uma cortesia da editora SESI-SP


O quadrinho
O ano é 1952, em Angola. A avó de um dos autores deste quadrinho, Pedro Cirne, está com púrpura, uma doença que na época lhe disseram que não tinha cura. Ela foi obrigada a sair de Angola e ir para Portugal, convivendo com a morte iminente que seria causada pela púrpura. Não apenas sua avó não morreu como viveu ainda mais 60 anos desde tal diagnóstico sombrio, contando histórias ao longo desse tempo. 

Resenha: Púrpura, de Pedro Cirne e Mário César

Assim surgiu o desejo do autor de conhecer melhor os países lusófonos e deste desejo surgiu o quadrinho Púrpura. As viagens de sua avó foram o pontapé inicial para uma jornada por países com tanto em comum e tanta coisa diferente entre si.

Cada uma das histórias do quadrinho, oito ao todo, ocorre em um determinado país falante de língua portuguesa. Indo além dos oitos enredos, o quadrinho aborda os diversos significados da palavra púrpura. Nós viajamos para Portugal, Cabo Verde, Timor-Leste, Guiné Bissau, Brasil, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Angola. Dezesseis artistas também contribuíram para o quadrinho:

  • Cabo Verde: Sai Rodrigues
  • Guiné-Bissau: Dito Buanh e Manuel Júlio
  • Angola: Osvaldo Medina e J. Mascarenhas
  • Moçambique: José Lopes
  • São Tomé e Príncipe: Ismaël Sequeira
  • Timor Leste: Bruna Rosário
  • França: Elodie Lacaze
  • Brasil: Clarissa Ricci, Wagner Porto e Nemie
  • Portugal: Tiago Tsou, Tânia A. Cardoso, Kitty Grifo e Fernando Relvas

Algumas histórias começam pelo fim.

Muitos dos países falantes de Língua Portuguesa, incluindo o Brasil, passaram por guerras e conflitos civis e alguns dos personagens dessas oito histórias acabam impactados por esses conflitos. Temos histórias com representatividade LGBT+, temos violência doméstica e a própria doença púrpura ilustrada com bastante sensibilidade da parte dos autores. 

O quadrinho inteiro é tomado pela cor púrpura. Apenas uma página perto do final tem outros tons de cores. Mas o efeito de todas as páginas pintadas com essa cor foi interessante, pois os enredos passam a impressão de que estão de fato presos numa monotonia, evidenciada pela presença da cor.

exemplo de arte do quadrinho Púrpura


Adorei os traços e a delicadeza de muitas histórias, ainda que apresentem uma violência. Sinto que os autores conseguiram falar de recomeços e renascimentos, ainda que pareça que as oito histórias não tenham conexão entre si. Elas têm e é basicamente sobre isso, ressurgir, renovar, renascer.

Não é com o fim de uma história que se inicia outra?



Ficção e realidade
Existem hoje no mundo cerca de 273 milhões de falantes de Língua Portuguesa. O país com o maior número é, obviamente, o Brasil e o português brasileiro é a variante do português mais falada, lida e escrita do mundo, 14 vezes mais que a variante do país de origem, Portugal. Tão diferentes entre si e ainda assim falando basicamente o mesmo idioma. 

Pedro Cirne e Mário César

Pedro Cirne é jornalista e escritor, trabalha no portal UOL desde 2000. Estreou como roteirista de graphic novel com Púrpura, em dezembro de 2016. 

Já Mário César é autor e editor de histórias em quadrinhos, além de chargista do UOL Notícias e também ilustrador e designer gráfico freelancer.


Pontos positivos
Traços
Diferentes países
Bem escrito
Pontos negativos

Pode ser meio devagar



Título: Púrpura
Autores: Pedro Cirne e Mário César
Editora: SESI-SP
Ano: 2017
Páginas: 94
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Púrpura também é uma história sobre cura. Assim como a avó do autor viveu muitos anos depois do perverso diagnóstico, as pessoas vão superar suas adversidades de alguma forma e daí tirarão ensinamentos importantes para viver. Quatro aliens para o quadrinho e uma forte recomendação para você ler também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.