Resenha: Qual o problema das mulheres?, de Jacky Fleming

Esse é daqueles livros que escondem uma crítica ácida por trás da piada. Jacky Fleming criou um livro para rir e também para demonstrar em ironia a ausência de mulheres geniais. Onde elas estão? Elas nunca existiram? Ou as mulheres, por séculos, ficaram relegadas à esfera familiar, tendo negados os seus direitos à educação formal e à liberdade?



O livro
Começamos o livro com uma provocação: você não ouve falar de mulheres nas aulas de história porque antes elas não existiam. Depois surgiram algumas mulheres, mas como elas possuíam uma cabeça muito pequena e não serviam para nada, sua única ocupação era em bordar, costurar, enfim, cuidar do lar. As mulheres nunca se destacavam em nada porque tinham essa cabecinha pequena e esse cérebro minúsculo. Gênios mesmo eram os homens, as mulheres não.

Resenha: Qual o problema das mulheres?, de Jacky Fleming

Claro que sabemos que isso é mentira, mas por muito tempo, como diz a historiadora Michelle Perrot, uma mulher precisava ser escandalosa ou piedosa para a história registrar seu nome. A falta de registros de muitas mulheres obscurece vários períodos históricos. Isso não quer dizer que essas mulheres incríveis não existiram, mas como a história foi muitas vezes escrita por homens, a história das mulheres acabava como nota de rodapé ou, no geral, excluída.

Com muito bom humor, Jacky se vale de quadrinhos ilustrando mulheres em condições irônicas, como usando vestidos grandes demais e assim eram impossibilitadas de usar as bancadas dos laboratórios, intercaladas com frases reais de homens como Darwin, Ruskin, e toda a misoginia de seus pensamentos quando se tratava da inteligência das mulheres. Quem é mulher sabe: quando uma mulher erra, toda as mulheres acabam julgadas por este único erro. E com as mulheres históricas não foi diferente.

Qual o problema das mulheres

Com quadrinhos em preto e branco, o livro é lido rapidamente. Intercalando as ilustrações bem humoradas, frases revoltantes que ainda ecoam por aí indicam o pensamento corrente entre os homens como o fato de mulheres que pensam demais têm seus peitos "murchados", ou o fato de que cabelos de "gênios" como os de Einstein, todo desgrenhado, ficassem bem apenas em homens, pois em mulheres eles seriam visto como um claro sinal de desequilíbrio mental.

Jacky aborda o apagamento de mulheres brancas e negras, abordando também o racismo. Se mulheres brancas não existiam ou eram invisíveis, o que dizer das mulheres negras? São muitas passagens ácidas em que Jacky não poupa crítica e dá nomes aos críticos à educação feminina e aos nossos feitos. Falam da luta de mulheres que queriam estudar e quando cruzavam os portões das universidades eram ofendidas, agredidas, suas roupas eram sujas e até nas salas de aula, onde faziam suas avaliações, eram interrompidas para que tirassem notas baixas.

É uma pena que o livro é curtinho! É um ótimo presente e para qualquer idade compreender as dificuldades pelas quais as mulheres passaram para tirar seus nomes da lata de lixo da história. Você vai rir, vai se indignar, vai querer socar Darwin na cara e acho que era esse o objetivo de Jacky. A tradução de Lavinia Favero está ótima e não há erros de tradução ou de revisão no livro. No final há um pequeno glossário com algumas mulheres notáveis da história.

A genialidade de Ruskin foi abrir os olhos das pessoas para a beleza da natureza - com exceção do corpo de sua esposa, que ele achava nojento. Isso causou uma especulação interminável a respeito do que teria horrorizado o crítico inglês na sua noite de núpcias...

Página 62


Ficção e realidade
Em 1871, por exemplo, Charles Darwin afirmou que a mulher era menos evoluída que o homem porque seu crânio era menor. Incomodada com tal afirmação, a feminista e cientista amadora, Caroline Kennard, enviou uma carta ao naturalista, dizendo que, dadas as mesmas oportunidades, uma mulher poderia ser tão inteligente e genial quanto um homem. Darwin não arredou pé e continuou defendendo que, intelectualmente, as mulheres eram inferiores por conta das leis da hereditariedade e que uma suposta igualdade entre os sexos prejudicaria a esfera familiar pelo abandono dos deveres do lar e com as crianças.

Caroline escreveu novamente para Darwin, em 28 de janeiro de 1882, afirmando que mulheres tinham as mesmas capacidades intelectuais que os homens, mas não tinham as mesmas oportunidades educacionais, nem estímulo em seu ambiente para poderem desenvolver seu intelecto da maneira adequada. Infelizmente, vemos que o pensamento de Darwin ainda ecoa na atualidade. Mulheres cientistas estão produzindo menos em período de quarentena por conta do Covid porque estão em casa, tendo que tomar conta das crianças e arcar com os cuidados domésticos. Chegamos aos bancos das universidades e aos laboratórios, mas os homens ainda não chegaram no chão da cozinha.

Jacky Fleming

Jacky Fleming é uma cartunista britânica.


Pontos positivos
Ilustrado
Divertido
Bem escrito
Pontos negativos

Acaba logo!

Título: Qual o problema das mulheres?
Título original em inglês: The Trouble With Women
Autora: Jacky Fleming
Tradutora: Lavinia Favero
Editora: L&PM
Ano: 2018
Páginas: 144
Onde comprar: na Amazon


Avaliação do MS?
É uma delicinha de livro! Muito curtinho, mas engraçado, ácido e crítico, o livro é daqueles presentes certeiros, pois mistura ironia com feminismo e pode levar até os mais jovens a pensar em como a história foi e é injusta com as mulheres. Cinco aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. Amei essa resenha! Sybylla, você é culpada pela minha lista de livros continuar crescendo, ahaha!
    Um pensador, não recordo qual no momento, disse certa vez que o humor revela as verdades,e a julgar pela resenha, esse livro cumpre muito bem a função de fazer refletir através do humor. Adoro esse tipo de humor que escancara uma crítica!
    Abraços e bom final de semana!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.