Resenha: Aliens, de Alan Dean Foster

A franquia Alien é uma das minhas favoritas na ficção científica. Então é claro que os livros inspirados em seus roteiros me atraíram logo de cara. Mas sou sincera em admitir que a novelização de Alien, o Oitavo Passageiro, publicado no Brasil pela Aleph, não é meu livro preferido. Achei chato e sem o clímax que consegue nos fisgar no filme. Já aqui foi diferente e o próprio autor diz que este é o seu favorito entre os vários livros de Alien que escreveu!



O livro
Começamos a história no mesmo momento do filme. Ripley e Jonesy são encontrados por uma nave de resgate enquanto estão na hiperbárica na Narcisus, a nave de resgate da Nostromo. Aliás foi difícil ler o livro sem lembrar das passagens de um filme do qual eu lembro das falas fielmente. O autor tomou mais liberdades na hora de compor certas passagens, mantendo muitas das falas originais. Por exemplo, quando Ripley acorda na Estação Gateway, as falas com a enfermeira, com Jonesy e com Burke são expandidas.

Resenha: Aliens, de Alan Dean Foster

Com mais falas e mais desenvolvimento, nós temos uma maior compreensão de certas cenas que no filme passaram um tanto batidas. Por exemplo, a ligação de Newt com Ripley não é só porque Ripley perdeu a filha. Newt viu um horror ainda maior do que Ripley e ficou bastante traumatizada. Existe uma relação de maior cumplicidade entre as duas, não apenas de "mãe e filha", mas de pessoas que sobreviveram a um embate terrível e encontraram uma na outra um suporte.

O livro não deixa nada de fora do filme original. Ele inclusiva usa algumas falas ou cenas que foram cortadas da edição do longa de Cameron. As descrições dos corpos dos colonos no subnível C do processador de atmosfera são bem mais gráficas, enquanto no filme tem muito jogo de luz e nunca vemos a cena completa. Essa é a vantagem do livro, de poder expandir praticamente de maneira infinita tudo o que vimos no longa.

Eu sugiro decolar e detonar o lugar inteiro de órbita e toda a planície onde a gente encontrou a nave que trouxe os aliens pra cá. É a única maneira de ter certeza.

(tradução livre)

Outra coisa, o filme chama o planeta apenas de LV-426, mas no livro ele também é chamado por Acheron, nome já cristalizado para os fãs dos livros e dos quadrinhos de alien. Temos também muitas conversas entre Burke e Ripley, mais do que vemos no longa, onde ele se mostra ainda mais burocrata e cretino. O Burke aqui vende uma imagem de mocinho, tal como no filme, mas ele é melhor desenvolvido no livro. E quando Ripley pede que ele seja poupado para poder voltar a cena é expandida aqui, onde ela explica os motivos, ainda que ingênuos para isso. Ah, e tem uma cena que foi cortada do filme sobre o Burke, uma depois que ele encontra o Alien dentro da base. Essa eu não vou contar, você vai ter que ler!

Do meio para o final eu senti que o autor deu uma corridinha com a narrativa. As maiores explicações ficam para o começo do livro. Quando as defesas são remontadas em Hadley's Hope enquanto eles esperam por Bishop trazer outra nave da Sulaco, as coisas se desenrolam com certa pressa. Gostaria que algumas cenas fossem melhor desenvolvidas.

Infelizmente, enquanto temos Alien em português, Aliens só tem em inglês.


Ficção e realidade
Quando se fala em busca por vida alienígena, muitas vezes a gente pensa em seres humanoides como nós. É até natural, afinal somos a única forma de vida inteligente (?) conhecida e acaba rolando aí uma padronização. Mas uma coisa que os astrobiólogos concordam é que a vida lá fora pode ser irreconhecível. Podemos até mesmo passar por ela e não reconhecer como uma forma de vida.

Antes que Ridley Scott fizesse a cagada de tentar explicar a origem dos aliens com Prometheus e Covenant, eu pensava duas coisas sobre os aliens: a primeira é que ele seriam originários de algum planeta muito hostil e que por isso eles tinham aquela carapaça rígida e sangue ácido. E a segunda é que eles provavelmente foram criados por alguma outra raça alienígena para ser algum tipo de arma e que acabou dando errado e eles abandonaram os ovos restantes em LV-426. Tá vendo só, Ridley Scott, ideias bem melhores do que aquelas suas lá.

Alan Dean Foster

Alan Dean Foster é escritor norte-americano de ficção científica e fantasia. Ele novelizou vários filmes de FC, incluindo os 3 filmes da franquia Alien, o universo Star Wars, Star Trek, Transformers e O Exterminador do Futuro, tendo novelizado vários outros filmes como Fúria de Titãs, de 1981 e A Batalha de Riddick, de 2004.


Pontos positivos
Aliens!
Ripley e Newt
LV-426
Pontos negativos
Burke (sempre)
Não tem em português
Preço

Título: Aliens
Novelizações de Alien pelo mesmo autor:
1. Alien
2. Aliens
3. Alien3
4. Alien: Covenant
5. Alien: Covenant - Origins
Autor: Alan Dean Foster
Editora: Titan Books
Ano: 2014
Páginas: 319
Onde comprar: na Amazon!


Avaliação do MS?
Estava com medo de não gostar tanto do livro já que o filme é o meu preferido de toda a franquia Alien, mas felizmente o livro não desaponta. Ele segue o filme bem de perto, inclusive com algumas cenas cortadas da edição original e do DVD e cenas que o próprio Cameron não curtiu. Indico para os fãs de carteirinha da saga que possam ler em inglês. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.