Escreva agora, mude depois

Volta e meia pelas redes sociais vejo comentários de sofredores escritores batalhando para colocar uma palavra na frente da outra. Depois jogam fora, porque foram reler e não gostaram do que viram. Acredite, eu sei bem o que é isso, mas felizmente mudei a tempo. E você deve mudar, caso sofra com isso, se quiser continuar produzindo. Escreva, depois mude.



Escreva agora, mude depois

Demorei um tempo para perceber que eu tinha um vício terrível de escrita. Sentei, escrevi alguma coisinha. Parei para continuar no dia seguinte. Quando pegava no texto de novo, eu relia tudo o que tinha escrito no dia anterior. Relia e relia, relia sem parar. Outra coisa era parar a todo e qualquer momento para corrigir o menor errinho de digitação ou de português que por acaso aparecia.

Aí sabe o que acontecia? Eu não escrevia uma linha sequer! Quantas vezes eu começava um texto, aí no dia seguinte eu voltava e editava o começo, o meio, o fim, arrumava um errinho ali pelo meio, acrescentava uma linha e terminava o dia exausta e frustrada, ansiosa e irritada, porque não tinha progredido nada. O mais curioso foi que eu levei um tempo para perceber que o meu perfeccionismo não estava me ajudando, estava era me sabotando. E vi minha orientadora no mestrado fazer a mesma coisa comigo. Trabalhávamos num artigo e no dia seguinte, ao invés de continuar de onde paramos, ela queria reler o texto. Levamos o triplo do tempo para terminar.

A vida atual já nos dá inúmeras interrupções e nem sempre é fácil desviar delas. Das notificações do celular, ao carteiro, ao gato derrubando alguma coisa na sala, parar para fazer comida ou estender a roupa, nunca é fácil, ainda mais sendo mulher. O fluxo de pensamento é interrompido tantas vezes, que nós acabamos perdendo o fio da meada e, por consequência, a concentração no que estávamos fazendo.

Cada vez que você para e arruma uma frase ruim, um erro de digitação, uma palavra que saiu errada, você interrompe esse fluxo tão precioso. Você deve sim fazer pausas na escrita e cuidar de sua saúde, o que você deve fazer também é escrever consistentemente. Não parar por coisas que você pode arrumar depois. No calor do momento, você pode achar aquele parágrafo uma grande porcaria, mas depois, com a cabeça fresca, ele não é tão ruim, você pode melhorar. Mas primeiro, TERMINE o que você estava fazendo. Não pare o texto.

São interações muito complexas para a geração de ideias e quando você se interrompe para corrigir o texto, você interrompe o surgimento delas.

Quando a gente é uma autora autopublicada é muito difícil. Você é a autora, a editora, a revisora, a capista, a marketeira, a agente, a contadora. São acúmulos de trabalho que nem sempre você sabe fazer. E nós somos nossas piores críticas e nosso olhar se vicia em nossos defeitos e não foca nas virtudes. Um medo muito comum de quem escreve é que o editor vá tesourar seu trabalho inteiro, quando na verdade, os pedidos sempre são para estender, melhorar, explicar melhor determinados momentos da obra. Um editor pode ajuda nessa hora em que você acha que a coisa está incompleta, mas você precisa apresentar a coisa toda.

O trabalho que se exige de uma revisão e edição de um texto é diferente daquele para escrever o texto. Na escrita do texto você tem um fluxo de pensamento que será direcionado para a criação. O olhar do editor e do revisor é para aparar o erros e melhorar os pontos fracos. Seu pensamento precisa terminar para a ideia ser finalizada. São interações muito complexas para a geração de ideias e quando você se interrompe para corrigir o texto, você interrompe o surgimento delas.

Em alguns momentos você vai achar sua escrita ruim porque você mesma não deu a chance para as ideias saírem e se concretizarem. O imediatismo da correção não é aliado na hora da criação. Seu fluxo de pensamentos e de ideias serão interrompidos com as arrumações em algo que nem está pronto. Não faça isso, deixe as ideias fluírem, dê tempo à elas para respirar. Corrija depois quando tudo estiver acabado e suas ideias foram desenvolvidas. Relaxe. Não se cobre tanto pelos erros que aparecerem, pois ele são inevitáveis. Lembre-se, os programas de edição de texto possuem ferramentas de autocorreção e eles estarão indicados no texto quando você terminar. Você não tem que fazer isso agora.

Sente.

Escreva.

Deixe as ideias fluírem.

Edite e mude depois.


Até mais!


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

1 Comentário

  1. O meu problema é começar. Eu sempre anoto as ideias, organizo os acontecimentos, as referências e tudo o mais. Mas nunca escrevo... :/ Pensando agora, é um costume que tenho desde quando mestrava RPG! rsrsrs

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.