Resenha: Criaturas Estranhas, de Neil Gaiman

Fãs do fantástico estão sempre em busca de novas leituras e novos autores para se deliciar. Neil Gaiman resolveu o problema com essa coletânea trazendo alguns dos nomes mais proeminentes do gênero, abordando criaturas bizarras, estranhas, fantásticas demais para nossos olhos mortais. Como a própria obra afirma: essas criaturas são improváveis, impossíveis ou nem mesmo existem.



Parceria Momentum Saga e
editora Rocco


O livro
Passeando e se interconectando com vários estilos e sub-gêneros, a coletânea organizada por Gaiman contém 16 contos que vão da ficção científica ao terror, do fantástico ao quase new weird. Alguns contos são de autores clássicos, até já falecidos, da ficção especulativa, outros são tão atuais e contemporâneos quanto Nnedi Okorafor e o próprio Gaiman.

Resenha: Criaturas Estranhas, de Neil Gaiman

Contando com uma introdução de Gaiman, ele começa falando sobre sua relação com o fantástico e como gostava de visitar o Museu de História Natural, em Londres, de passear pelas galerias de animais extintos, de deixar a imaginação correr solta junto de criaturas e feras pré-históricas. O que ele sentia falta, porém, era de ver unicórnios, lobisomens, vampiros, dragões, grifos e manticoras em exibição no museu. Onde elas estavam?

Elas existem nas mentes da pessoas, existem nos escritos de pessoas geniais que nos levam por mundos e universos fantásticos demais para nossa realidade. Mundos onde dinossauros e unicórnios podem existir juntos de seres humanos, elfos, bruxas e vampiros. Esta coletânea é uma forma de criar esse museu de seres sobrenaturais, de levar as pessoas pela exposição do bizarro e do surreal.

Também é uma forma excelente de conhecer escritores que de outra forma não seriam publicados por aqui, além de resgatar nomes que talvez não tenham mais a relevância nas livrarias que antes tinham. Como alguns deles já morreram, se suas obras não forem republicadas, como conhecer seus escritos? Neil Gaiman atuou como um verdadeiro curador de museu, tirando peças empoeiradas do porão e colocando novamente em exposição para os fãs do gênero.

São 16 contos de variados estilos e temáticas e publicados em diferentes momentos. Temos histórias de 1900 até 2011, abrangendo mais de cem anos de ficção especulativa. No começo de cada conto há uma pequena introdução do próprio Gaiman sobre a autora ou autor e sobre o conteúdo que você lerá e no final do livro há uma biografia com mais detalhes sobre cada um deles.

  • [o título é uma imagem], de Graham Wilson
  • As Vespas Cartógrafas e as Abelhas Anarquistas, de Lily Yu
  • O Grifo e o Cônego Menor, de Frank R. Stockton
  • Ozioma, A Maligna, de Nnedi Okorafor
  • Pássaro do Sol, de Neil Gaiman
  • O Sábio de Theare, de Diana Wynne Jones
  • Gabriel-Ernest, de Saki (H.H. Munro)
  • O Cacatucano; ou, a Tia-Avó Willoughby, de E. Nesbit
  • O Mal Também se Levanta, de Maria Dahvana Headley
  • O Voo do Cavalo, de Larry Niven
  • Prismática, de Samuel R. Delany
  • A Manticora, a Sereia e Eu, de Megan Kurashige
  • O Lobisomem cabal, de Anthony Boucher
  • O Sorriso no rosto, de Nalo Hopkinson
  • Ou Todos os Mares com Ostras, de Avram Davidson
  • Venha, Dona Morte, de Peter S. Beagle

Uma coisa é fato: não dá para gostar de todos os contos. Alguns são bem legais, outros são mais lentos, talvez menos conectados do momento literário atual, até porque alguns já tem mais de 50 anos, um deles tem mais de 100. É inegável a criatividade e a originalidade, mas o estilo narrativo pode não convencer todo mundo. Foi bastante revigorante, porém, ver nomes como Samuel Delany (uma das grandes autoridades em ficção científica), Nalo Hopkinson, E. Nesbit e Larry Niven em uma edição tão caprichada. Samuel Delany, por exemplo, permanece inédito no Brasil, com uma edição do seu grande clássico, Babel-17, vindo pela editora Morro Branco em breve.

Alguns dos meus contos favoritos foram o da Nnedi, até porque curto seu estilo de narrativa e a história fala de uma jovem que tem a habilidade de falar com as cobras. O conto do Samuel Delany também é ótimo, dando uma amostra do estilo do autor para quem ainda não conhece. A Manticora, a Sereia e Eu também prende até o fim. O Sorriso no Rosto, de Nalo Hopkinson, é bastante singela e poderosa ao mesmo tempo.

O livro em si tem uma capa e contracapa lindíssimas, está bem diagramado, traduzido e revisado. Cada conto vem com uma pequena ilustração no começo, junto um trabalho tipográfico do título, com uma apresentação do próprio Gaiman a respeito da história e do que você vai ler. A tradução ficou nas mãos de Antônio Xerxenesky e Bruno Mattos e está muito boa. Praticamente não há problemas de revisão no livro.

Eu gostava de animais de verdade. Mas gostava mais dos animais que existiam de uma forma mais sombria do que dos que pulavam ou deslizavam ou cavalgavam na vida real, porque eles eram impossíveis, porque poderiam existir ou não, porque só de pensar neles o mundo já se tornava um lugar mais mágico.

Introdução


Ficção e realidade
Coletâneas são um ótimo ponto de partida para as pessoas que queiram conhecer melhor estilos, gêneros e autores diferentes. Alguns desses autores não foram publicados por aqui ainda e acho difícil que sejam. Seres humanos e animais possuem uma longa história, e daí para criar seres fantásticos, impossíveis e surreais é um passo. O museu de seres sobrenaturais organizado por Neil Gaiman vai levar você pela mão em cada exposição, pra te mostrar novos nomes e diferentes estilos de se contar histórias.

Neil Gaiman

Precisa dizer quem é? Neil Gaiman é um escritor e roteirista britânico, radicado nos Estados Unidos. Começou a carreira como jornalista. Seu primeiro livro foi uma biografia da banda Duran Duran.


Pontos positivos
Vários autores
Coletânea
Seres fantásticos e sobrenaturais
Pontos negativos

Alguns contos medianos


Título: Criaturas Estranhas
Título original em inglês: Unnatural Creatures
Autor: Neil Gaiman (organizador)
Tradutores: Antônio Xerxenesky e Bruno Mattos
Editora: Fantástica Rocco
Ano: 2016 (no Brasil)
Páginas: 400
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Ainda que nem todos os contos sejam excelentes, e nem tem com ser já que gosto individual é variável, foi uma excelente iniciativa de Gaiman de levar autores um tanto esquecidos para o público leitor atual. É uma coletânea que abrange mais de um século de fantástico e sobrenatural, com histórias que podem agradar basicamente a todo mundo. Acho difícil que você termine a leitura sem ter um conto favorito. Quatro aliens para o livro e uma forte recomendação para você ler também!

MUITO BOM!

Até mais! 🧜‍♀️


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

Seja o primeiro a comentar.

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.