A procrastinação está tentando te dizer algo

Uma das grandes inimigas do século XXI, aquela que nos faz deixar tudo para a última hora, aquela que nos enche de culpa e ainda assim fazemos, é a procrastinação. Ahh, que palavra danadinha. Dizem que o brasileiro gosta de procrastinar, mas na real todo mundo, em algum momento, acaba caindo nessa. Entre os artistas em geral é uma reclamação constante. "Eu poderia estar escrevendo, mas estou na Netflix ou no YouTube vendo vídeo de gatinho", quem nunca? Mas há mais por trás dela do que a simples preguiça.

A procrastinação está tentando te dizer algo



Em um mundo cada vez mais obcecado com a produtividade, com metas, com 100% de organização e otimização de tempo, quem procrastina costuma ser visto como preguiçoso, alguém sem metas, alguém sem visão de futuro, alguém com problemas que uma empresa, provavelmente, não quer ter por perto. Não faz muito tempo vi notícias de gente que morreu de tanto trabalhar no Japão e que o país está mudando a lei para garantir ou até mesmo forçar os trabalhadores a terem dias de folga.

Procrastinar é diferente de preguiça ou ócio. Leonardo da Vinci tem muito a nos dizer sobre o assunto, já que ele demorava para entregar as encomendas - quando entregava. Ludovico Sforza foi comer o toco de Leonardo sobre a demora do artista para entregar A Última Ceia e Leozinho se defendeu, dizendo que grandes mentes precisam de tempo para trabalhar as ideias e fazê-las assentar da melhor maneira possível e assim gerar bons resultados. Quando estou escrevendo ficção, por exemplo, preciso parar uns dias e deixar as coisas se desenvolverem para depois voltar ao texto.

A gente procrastina um trabalho, responder a um email, lavar o banheiro. É o ato de postergar para amanhã. A gente empurra com a barriga até a situação se tornar insustentável e você ter que ir lá e fazer, às vezes no final do prazo, muitas vezes de qualquer jeito. Então, a primeira coisa é compreender por que a gente faz isso. Não é a preguiça ou o ócio que são bem-vindos em determinados momentos - a gente não deve ficar ocupada 24 horas por dia - é a incapacidade de começar uma tarefa e de terminá-la num prazo hábil. Se fosse pura preguiça, a gente não botava a mão na massa naquele trabalho da faculdade que precisa ser entregue amanhã.

Leia também: Como ter foco e finalizar tarefas

Então, por que? Procrastinação é um sinal de que algo não está bem. Algo está acontecendo que está te fazendo empurrar as coisas com a barriga e tendo que correr atrás do prejuízo depois. Pode ser no meio acadêmico, pode ser no trabalho ou nas tarefas da casa. Existem algumas coisas que a gente pode identificar na procrastinação.

Medo
O medo é algo primordial para o desenvolvimento da raça humana. Já pensou você atravessar a rua sem medo nenhum de ser atropelada ou cair? É uma emoção primitiva que permite que não façamos idiotices (na maioria das vezes). Mas o medo também tem outra característica: ele é paralisante. Se uma tarefa parece amedrontadora, grande ou complicada demais, a gente procrastina. Tentamos evitar a dor ou o incômodo que virá ao fazer algo a qualquer custo. Este é também um indicador do tamanho da tarefa: quanto maior nosso medo de fazer algo, mais importante ela é.


Falta de propósito
Além do medo, tem aquela velha questão: "mas por que eu tenho que fazer isso?". Motivação é algo bem frágil. A gente a perde rapidamente quando alguma dificuldade se coloca em nosso caminho. Mas uma coisa mágica sobre a motivação é que ela é renovável, então é possível encontrá-la novamente. O ideal para não perder o propósito é deixar claro os motivos para fazer alguma tarefa. Ainda que o prazo seja longo, qual é o motivo? Qual é o ganho seu com essa tarefa? Colocar as coisas em perspectiva te ajuda a encontrar o propósito e a vencer o medo.


Falta de clareza
Começamos a procrastinar quando não sabemos bem o que queremos ou devemos fazer. Quando não temos clareza do que deve ser feito, a tendência é deixá-lo de lado. O ideal aqui é você colocar no papel o que você precisa fazer (não poupe os detalhes, descreva tudo) e por que você precisa fazer (novamente, detalhe tudo). Quando você detalha as tarefas, até mesmo os problemas, consegue enxergá-los. E muitas vezes assim você percebe que pode resolver algo rapidamente ou que tem coisas que não dependem de você e assim você não precisa se preocupar com elas. Isso lhe deixa livre para tratar daquilo que apenas você pode fazer.


Mas o que fazer se mesmo depois de identificar os problemas e tentar colocar as coisas em perspectiva, você ainda estiver procrastinando? Novamente, essa não é uma questão de preguiça. O que você sente, provavelmente, é confusão, incerteza, o bom e velho medo, dúvida, Síndrome de Impostor. Ser uma pessoa organizada e disciplinada não vai te ajudar a resolver a procrastinação, você precisa encontrar outros meios.

Talvez o que ajude é estabelecer metas. E elas podem ser pequenas no início. Como por exemplo aplicar o método Pomodoro, que requer sua dedicação durante 25 minutos com períodos de descanso entre eles. Quando você sentir que pode fazer determinadas coisas vai se sentir mais confiante para continuar e passar para a parte mais chata ou complicada. Só que você tem que se comprometer com isso. Não é começar e largar. É começar e perseverar.

As metas cumpridas lhe darão uma sensação de realização e essa sensação pode vencer a procrastinação. Marco Aurélio, imperador romano, em sua obra Meditações, também discorreu sobre a necessidade de achar motivações para sair da cama, isso numa época sem eletricidade, internet ou redes sociais. E que aqueles verdadeiramente entregues às suas tarefas, quando sentem paixão por algo, deixam de comer ou dormir até terem cumprido com seus objetivos.

Sobre a preguiça e o ócio, você não tem que ficar ocupada 24 horas por dia, sete dias por semana. Você deve e precisa de momentos de descanso, períodos sem fazer nada, períodos para se dedicar a si mesma. Tem gente que se culpa por parar o trabalho e tomar um café, ou ver uma série, ou dar uma volta de bicicleta enquanto tem trabalho na mesa. Pare com isso e pare agora. Precisamos do descanso, do sono e do puro ócio sem culpa para organizar as ideias, para pensar melhor e com clareza em problemas e soluções.

Pense em Leonardo da Vinci e nas obras-primas que ele criou. Quando foi preciso, Leo se dedicou incansavelmente em busca de respostas para as questões que o inquietavam, enchendo cadernos com suas observações, tendo prazer no que fazia. E precisava dos períodos de ócio para buscar inspiração para suas obras imortais.

Até mais!


Leia também:
Por que somos especialistas em procrastinar? - Viver de Blog
15 estratégias para vencer a procrastinação de uma vez por todas - Núcleo Expert
Como vencer a procrastinação, um dos problemas mais graves para estudantes - BBC

Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

4 COMENTÁRIOS

  1. Interessante, nunca tinha pensado nos motivos para a procrastinação acontecer, só me contentava com o título dado pelas minhas amigas de "maior procrastinador" que elas conhecem. E fez todo sentido pra mim. Agora, é começar a trabalhar no trio "medo, falta de propósito e de clareza".

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo POST. Estava precisando ler algo assim. Bem mais esclarecedor que 99% do que já vi sobre o assunto em outros lugares. Ando com uma dificuldade tremenda de escrever minha dissertação e acho que, talvez, tenha começado a entender o motivo.

    ResponderExcluir
  3. A minha procrastinação está atrapalhando demais a minha vida, em especial quando quero realizar algum projeto pessoal, mesmo que seja um hobby. Eu me sinto culpada por isso.

    ResponderExcluir
  4. Eu já tinha lido a respeito do tema procrastinação, mesmo assim, ainda me sentia culpada por demorar a escrever minhas coisas, mesmo quando escrevia! Parece que nunca estamos satisfeitos... Foi muito bom ler seu artigo, já me sinto até melhor agora!

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.