Como ter um blog melhorou a minha escrita

Depois de 9 anos de escrita constante e mais de 1300 textos publicados, uma imensa ficha caiu para mim: o quanto este blog me ajudou a melhorar e avançar na escrita. Não foram só as pessoas e os contatos que fiz em todos esses anos, não foram só os trabalhos e eventos em que compareci. Um dos maiores ganhos em ter um blog foi em como ele melhorou a minha escrita e em como me fez crescer como escritora.

Como ter um blog melhorou a minha escrita



Comecei a escrever como muita gente provavelmente começa: caneta e um caderno, em geral os da escola. Eu escrevia meus enredos bizarros no final dos cadernos enquanto a aula estava chata. Foi quando nosso primeiro computador chegou - um IBM Aptiva 486! - em 1994 que comecei a passar minhas historinhas para o computador. Ninguém me levava a sério, claro. E apesar de eu ter evoluído muito na escrita e até achar que meus escritos anteriores são bem bobos e tem problemas de forma e conteúdo, tenho bastante orgulho deles. Eles tiveram sua utilidade.

Fiquei sem escrever por muito tempo por uma série de contratempos. Foram muitos os revezes que me fizeram parar de escrever, ainda que eu sempre pensasse nisso. Até hoje eu tenho um caderninho que comprei com meu salário suado e eu escrevia nele todos os dias, tirando minhas ideias do papel, marcando a data e depois na sala de informática da faculdade, alguns anos depois, onde eu passava tudo para arquivos. Essa intermitência me frustrava demais, até porque ninguém levava minha escrita a sério e eu considerava seriamente que aquilo era pura perda de tempo.

Ter o blog me colocou na escrita novamente. Eu vinha num ritmo de trabalho e estudo que era cansativo e não tinha como parar para escrever o que eu queria. Abrir o blog foi um divisor de águas, assim como foi a faculdade. Aqui eu tinha um espaço para escrever o que eu quisesse. Aqui eu podia me dedicar a qualquer coisa que não fosse minha vida, a faculdade, o trabalho, as dificuldades financeiras, qualquer coisa que eu quisesse.

Sempre me senti muito mais confortável em me expressar pela escrita. Sei que nunca será perfeito, nem serei rica e famosa (apesar de eu querer ser ryca), sei que é um desafio e continuo a fazer, com as imperfeições que tenho que aceitar, com a estrada que tenho que percorrer. Escrever num blog me conectou com o mundo e com pessoas como você, que para uns minutinhos da sua vida para me encontrar por aqui. Nem tenho como te agradecer o suficiente por isso.

Eu poderia ter abandonado o blog lá trás, logo no primeiro ano, quando lutava para ter cinco visualizações diárias. Mas eu escrevia porque precisava, escrevia porque apenas queria sentar e escrever algo, ainda que não soubesse o que. Já comentei outras vezes que não consigo escrever ficção todos os dias. E que esta regra de escrita que vemos tão repetida por aí não funciona o tempo todo. Ter um blog me fez exercitar a escrita todos os dias, sem que eu precisasse me matar para escrever um parágrafo ficcional.

O exercício da escrita é crucial para qualquer uma que queira se aventurar nessa estrada. Além de ser uma competência da linguagem, a escrita é necessária nos estudos, no trabalho, nos textões da internet. Escrever nos conecta uns com os outros, mas sem exercício, sua escrita não evolui. Escrever diariamente para este espaço me colocou para exercitar, ainda que eu demorasse para ver os benefícios disso.

Escrever no blog me fez expandir meu vocabulário e minha gramática, ler materiais novos e conhecer temas, livros, filmes, artigos e, principalmente, ideias. Mas antes de sentar e escrever, eu leio. E o blog me ajudou e ajuda nisso ainda hoje. Para escrever um único texto eu leio muito. Pesquiso e penso e elaboro estratégias para colocar no artigo o que eu quero. O segredo da arte da escrita não é um segredo, é um hábito, que é o da leitura.

Não estou dizendo que você deve sentar agora e criar um blog e começar a escrever. Se quiser pode, mas não é uma obrigação. Há muitas maneiras de exercitar a escrita. Existem muitas maneiras de se melhorar. Pode ser escrevendo em um diário todos os dias, onde você esvazia a mente e coloca sua vida em perspectiva. O que importa é você ter seu espaço de exercício, seu próprio parquinho, seu próprio caderno, seja ele online ou não.

As palavras nos ajudam a conhecer o outro, ajudam a conhecer a nós mesmas. Nos humaniza e nos dá a oportunidade de escrever e falar sobre o que quisermos. Por isso escreva. Do seu jeito, mas faça.


Já que você chegou aqui...

COMPARTILHE

3 COMENTÁRIOS

  1. Ter um blog também me ajudou com a escrita, com o desenho e, mais recentemente, com a docência. É uma forma de me conectar comigo mesma, de tirar um tempo para pensar e me expressar livremente, e me conectar com outras pessoas.
    Para mim, os blogs nunca morrerão, eles nos cativam como nenhuma outra plataforma ainda pode fazer. E é uma delícia acompanhar o teu blog. Sempre tiro um tempo para ler as tuas resenhas, e confio muito na tua opinião antes de comprar um livro ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lidi, sua linda! Adoro sua arte! 💜

      Eu ouço sobre a morte dos blogs desde que o MS foi aberto. Também acho que não morrerão, pois a gente precisa de espaços de escrita, de desenvolvimento e enquanto a humanidade existir, esses espaços existirão nos mais diferentes formatos.

      Excluir
  2. Embora eu quisesse desistir várias vezes, ter um blog também mudou muito a minha vida, principalmente porque me ajudou em questão de autoconhecimento também, e também por conhecer pessoas legais que gostam de coisas em comum! Disse tudo! E lamento tanto não ter ido em nenhum evento que tenha ido, lembro de uma vez que vi um da Editora Aleph que iria e não pude ir! :(
    Um grande beijo! <3
    www.4sphyxi4.art.br/

    (Sou ausente das redes sociais, mas tô sempre no blog, caso deseje ou precise, chama lá!)

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, com Desconhecido ou Unknown no lugar do nome, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.

O mesmo vale para comentários:

- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.

A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.