O tão propagado talento

segunda-feira, maio 14, 2018

Ahh, o talento! Coisa mágica e forte esse talento! Ele separa os meros mortais dos gênios. É claro que pra você ser bem sucedido em qualquer coisa, mesmo que seja pra amarrar o tênis de maneira eficiente e firme, você tem que ter tALenTo.

Ou não?




Este texto foi, originalmente, publicado na Newsletter Diário da Capitã, exclusiva para os apoiadores do Padrim. Apoie você também e faça parte da tripulação!

Talento é uma palavra perigosa. Você pude usá-la para separar as pessoas de acordo com o que você acredita que seja talento. E se talento é medido por uma régua particular, provavelmente ninguém o tem. Quantas vezes vimos por aí e até falamos as mesmas coisas?

"Ahh, odiei esse livro, essa pessoa não tem talento pra escrever, nem devia tentar."

"Sucesso na vida é só pra quem tem talento, desiste disso."

"Nossa, fulano é talentoso, né? Vive ganhando prêmios."

"Pra ser professor tem que ter talento!"

Quando escuto as pessoas falando sobre "talento", o que eu entendo é que elas estão dizendo que para algumas pessoas a escrita é mais fácil do que para outras e isso significa que apenas aquelas que acham a escrita algo fácil devem tentar. Em geral, o "talento" existe porque 1. aquela pessoa gosta de escrever e por gostar ela vem fazendo isso há mais tempo que a maioria. Muito ocasionalmente significa que 2. descobrir como escrever um livro requer bem menos esforço para os "talentosos", apenas porque eles já quebraram a fórmula e a executam em apenas alguns passos.

Adaptado de The Geek Feminist Revolution, de Kameron Hurley

Eu comentei pelas redes sociais que a continuação de Deixe as estrelas falarem estava com mais de 21 mil palavras, coisa que eu devo ter escrito em menos de uma semana. E um comentário chegou pelo stories, lá no Instagram: "nossa, queria ser escritora, mas não tenho talento."

De tanto a gente ouvir que artistas possuem talento, algumas pessoas passaram a acreditar que existem os artistas e existem os mortais e suas vidas mundanas. Pois o que vai explodir a mente de muitas pessoas é: escrita se ensina. Assim como a didática se ensina a quem quer lecionar. Assim como a pintura se ensina a quem quer pintar.

Aptidão é diferente de talento. Se eu precisar pregar um botão, vai parecer que tenho duas mãos esquerdas. Eu não tenho a aptidão para a costura, mas aposto que se eu tivesse que pregar um botão em um caso de urgência, pegaria agulha, linha e faria o serviço. Se vai ficar bom, é outro papo. Mas de tanto praticar, eu posso acabar uma exímia pregadora de botão.

A principal diferença entre um escritor iniciante de um Stephen King é que King escreve há mais tempo. Você não pode, nem deve, usar os outros como régua para medir o que você faz. Eu admiro muito a forma como alguns escritores escrevem e eles servem de intensa inspiração e treino pra mim. Mas se hoje eu escrevo com facilidade, houve uma época em que não era assim. De tanto escrever coisa ruim, eu melhorei e passei a escrever coisas boas.

Talento não é essa coisa misteriosa e iluminada que desce sobre a cabeça de uns poucos letrados. Troque TALENTO por FACILIDADE e você vai ver que não tem muita diferença. Quando a atriz Louise Brooks, grande diva do cinema mudo, resolveu escrever sua autobiografia, ela sabia que não tinha o conhecimento necessário, nem a facilidade para sentar e escrever sobre sua vida. O que ela fez? Pegou livros de autores que gostava e começou a copiar frases, para compreender o ritmo e a forma como as palavras eram colocadas. Em seguida, ela pegava sua vida e encaixava nas frases copiadas, seguindo o mesmo ritmo. Com o tempo, ela compreendeu a melhor maneira de compor sentenças e conseguiu escrever seu livro.

É por isso que a gente insiste tanto na máxima: pra escrever bem tem que ler. Pense nos livros de outros autores como são os periódicos científicos. Um médico que assine o The Journal of Pediatrics vai ficar sabendo das novas descobertas na área, nas novas drogas contra o câncer infantil, as novas terapias para doenças degenerativas. Para os escritores, o journal nada mais é do que o trabalho de outros escritores.

O que dizer que Maria Carolina de Jesus? Quarto de Despejo é uma das obras mais importantes da literatura brasileira, um tapa na cara da sociedade meritocrática e racista que temos. Há quem diga que Carolina não tinha TALENTO. Ora essa! Como não?! Carolina podia não ter o estudo formal, nem um teto próprio sobre a cabeça, nem a segurança financeira e sentimental para escrever, mas isso não lhe tira o livro incrível que ela escreveu à mão, nas madrugadas da favela.

A questão é: você quer mesmo, de fato, seguir esse caminho? "Ahh, queria ser escritora, mas não tenho talento pra isso." Escrita se aprende. Mexer no Word se aprende. A questão é, você quer mesmo? Para o que é importante, a gente sempre encontra tempo. Vai ter muita gente pra te desencorajar, vai ter muita gente pra dizer que isso é perda de tempo, vai ter gente dizendo que o que você escreve não é literatura, vai ter gente dizendo que isso não dá dinheiro. Se você escrever na internet, alguém vai te julgar por ser mulher, negro, gay, trans*, não-binário, bissexual, pansexual, palmeirense, loira, por gostar de K-pop e por criticar a série alheia.

Mas você vai persistir, não por ter talento, apenas porque você gosta de escrever. Não vá se comparar com quem escreve e taí publicando desde o guaraná de rolha, porque como disse a Kameron Hurley, pra essa escritora o processo é mais fácil apenas por ela fazer há muito tempo. É nisso que você tem que pensar e praticar, praticar, praticar, falhar, cair, levantar e ainda assim sentar e escrever no dia seguinte.

E com o tempo você vai notar que, se antes você se afogava na frente da tela em branco, agora você navega pelas frases. O mar bravo torna os marinheiros habilidosos. E qualquer atividade em que nos arriscarmos será assim. Aquela receita de bolo que antes precisava ser seguida à risca no caderninho, agora você tem de cor na cabeça. Apenas isso, pratique. Pratique muito. Faça essas horas todas na frente do computador ou do caderno valerem à pena. Alguém sempre estará por perto pra ler o que você faz.


Até mais! ♡

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

Deixe seu comentário!

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, em caixa alta, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes