10 coisas que você não sabia sobre Equilibrium

sexta-feira, outubro 27, 2017

Equilibrium (2002) é uma distopia pós-guerra que bebe diretamente da fonte de clássicas distopias como Admirável Mundo Novo, Fahrenheit 451 e 1984. O enredo se passa em Libria, em 2072, um estado totalitário fundado por sobreviventes da Terceira Guerra Mundial, onde toda e qualquer forma de expressão artística foi banida e as pessoas usam um supressor emocional, o Prozium II, injetado diariamente. As emoções foram consideradas culpadas por todas as atrocidades e portanto não eram mais desejadas. Governados por um conselho gerenciado pelo Pai, chamado de Tetragrammaton, Christian Bale faz parte de uma polícia que monitora, captura e executa pessoas que se recusam a ter suas emoções reprimidas.




Escrito e dirigido por Kurt Wimmer, o mesmo de Ultravioleta (2006), o filme foi um grande fracasso de bilheteria, mesmo ganhando um status de cult algum tempo depois. Ele custou 20 milhões de dólares, mas arrecadou menos de 6 milhões.

10. Hugh Ferriss
Os cenários futuristas e arrojados de Libria foram todos inspirados no trabalho de Hugh Ferriss, arquiteto e desenhista, que também teve o trabalho usado como inspiração para os cenários de Gotham City nos primeiros filmes de Batman e também nos quadrinhos.

9. Ação
Todas as cenas que desafiam a gravidade dos atores em saltos e acrobacias não tiveram o uso de cabos de nenhum tipo. Os atores foram coordenados por especialistas em efeitos e dublês. Para algumas cenas foi usado até um trampolim.

8. Prozium
No roteiro, o nome da droga que suprime as emoções se chamava Librium. Porém esse nome já é um nome registrado para um medicamento ansiolítico, o clordiazepóxido e Kurt precisou mudar. Prozium é uma combinação dos nomes Prozac e Valium, ambos remédios com propriedades calmantes.

7. Boiadeiro de Berna
O cachorrinho usado no longa é um Boiadeiro de Berna, mas todos os sons que ele faz como os ganidos de dor, os latidos e o choro foram todos feitos por um ator especialista em imitar cachorros.

6. Kendo
As espadas tipo Kendo usadas pelos atores foram criadas especificamente para o longa e foram feitas de madeira leve para que pudessem quebrar com facilidade, já que Christian Bale e Taye Diggs se empolgaram tanto que começaram a se machucar com as espadas reais.

5. Mary O'Brien
A personagem de Emily Watson se chama Mary O'Brien. O sobrenome é uma referência ao antagonista do livro 1984, de George Orwell, de onde o filme tirou muitas de suas inspirações, como emoções suprimidas e vigilância intensa da parte do governo.

4. Daniel Radcliffe
Daniel Radcliffe tinha 12 anos na época da produção do filme e ele fez teste para ser o filho do clérigo Preston, mas o papel foi para o ator mirim Matthew Harbour.

3. Christian Bale
Kurt Wimmer quis Christian Bale no papel do clérigo John Preston depois de ver o trabalho do ator em Psicopata Americano (2000). Na época, porém, Bale não estava com agenda disponível, o que fez o diretor partir para Dominic Purcell. Na última hora, Bale conseguiu espaço na agenda para interpretar Preston e Pursell ficou com o papel de Seamus, da resistência, no comecinho do longa.

2. Gun-kata
As artes marciais usadas pelos clérigos no longa foram criadas pelo diretor e roteirista em seu quintal. Ela mistura golpes de artes marciais com o uso de armas de fogo. O estilo de luta foi repetido no próximo filme de Kurt, Ultravioleta.

1. Tetragrammaton
Tetragrammaton quer dizer "palavra com quatro letras" e é usada no judaísmo para se referir a deus: YHWH.


Bora assistir? Tem na Netflix!

Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

1 comentários

  1. Acho Equilibrium um ótimo filme, que usa muito bem a influência de 1984 e Farenheit 451. Pena não ter recebido a atenção que merecia.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes