10 coisas que você não sabia sobre Inimigo Meu

domingo, julho 30, 2017

Um dos clássicos da ficção científica e da Sessão da Tarde - e um dos meus favoritos - Inimigo Meu fala sobre como lidar com o diferente, com o estranho, com o desconhecido, relação sempre pautada no medo e no desentendimento. Mas a sobrevivência força dois indivíduos a colaborar para não perecerem em um ambiente hostil.

10 coisas que você não sabia sobre Inimigo Meu



Curiosamente, o filme foi uma bomba nas bilheterias. Diversas diferenças criativas entre o primeiro diretor e o estúdio fizeram as gravações pararem uma semana depois. Com um orçamento inicial de 17 milhões de dólares, que saltou para 40 milhões com a nova equipe, o filme fez míseros 12 milhões nos cinemas, mas ganhou status de filme cult pouco tempo depois, sendo hoje uma das obras mais conhecidas de FC.

10. É baseado em um conto
Escrito por Barry B. Longyear, o conto de mesmo nome foi originalmente publicado na edição de setembro de 1979 na revista Isaac Asimov's Science Fiction. Devido ao lançamento do filme, foi publicado como livro alguns anos depois. Uma versão revisada pelo autor foi publicada em 1998, na antologia The Enemy Papers.

9. Produção complicada
O filme começou a ser produzido em abril de 1984, na Islândia, pelo cineasta Richard Loncraine, que largou a produção por diferenças criativas com os executivos da 20th Century Fox e com o produtor Stephen Friedman, paralisando as gravações. Wolfgang Petersen (Troia, 2004) assumiu a cadeira de diretor e regravou todas as cenas do diretor anterior, mudando a produção para Munique.

8. Drac
Louis Gossett Jr., que interpreta o alienígena Jeriba, disse que o idioma Drac foi criado para o longa, praticamente todo ele sendo palavras russas ditas ao contrário. O ator passava quatro horas na maquiagem para compôr seu personagem e acabou ganhando uma irritação constante nos olhos devido às lentes de contato.

7. Locações
Todas as cenas externas contendo formações vulcânicas e o lago foram filmadas em Lanzarote, uma das Ilhas Canárias, no Parque Nacional Montañas del Fuego, perto da costa do Marrocos. O restante foi filmado nos Bavaria Film Studios, em Munique, na Alemanha e ainda fazem parte do tour para visitantes.

6. Trilha sonora
A trilha original do filme foi composta e conduzida por ninguém menos que Maurice Jarre e performada pela Orquestra de Munique.

5. Jeriba
O autor do conto, Barry B. Longyear, disse que o nome do personagem Drac, Jeriba Shigan, era um tributo ao ator James Shigeta, falecido em 2014, e que ele gostaria que tivesse interpretado o Drac. Você com certeza vai lembrar dele, pois ele participou do primeiro Duro de Matar, e foi morto por Hans Gruber por não ter fornecido a senha do computador da empresa.

4. Tolerância
Uma das grandes mensagens do filme é sobre tolerância. Davidge era um piloto sedento por sangue, que foi obrigado a conviver e amar seu inimigo para poder sobreviver, sendo depois o responsável por cuidar do filho de Jeriba, que morre no parto, depois de uma reprodução assexuada.

3. A mina
Segundo o autor do conto, a parte em que Zammis, filho de Jeriba é obrigado a trabalhar com escravo em uma mina foi ideia do estúdio, que acreditava que os espectadores não entenderiam o título do filme em inglês - Enemy Mine. Isso desvirtuou completamente o conto original.

2. Futuro nem tão distante
O filme acontece entre os anos de 2092 e 2095. Quando o personagem de Dennis Quaid, o piloto Davidge, é resgatado e levado à enfermaria, seu registro declara que ele desapareceu em serviço e presumivelmente morto em 11 de julho de 2092 e que foi encontrado em Fyrine IV em 6 de setembro de 2095.

1. Fracasso
Com tantas mudanças em cenas e locações, com custos aumentando, o estúdio esperava um final de semana de estreia de arromba. O que não aconteceu; ele fez apenas 1,6 milhão. Quando perguntado quanto o filme teria que fazer para recuperar o investimento, um executivo da Fox respondeu: não importa, não vai acontecer mesmo.


Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

2 comentários

  1. Esse foi um dos filmes da minha infância, lembro muito bem das expressões do Drac e do apego do humano com o filho do alienígena e da cena do 'batizado'.

    ResponderExcluir
  2. Vi quando criança e amei o som da linguagem do Jeriba. Uma parte que me emocionou muito foi a parte em que Alien leu trechos de seu livro sagrado (q ele levava dentro de um pingente). Deu uma sensação d q se tirarmos os preconceitos e ódios descobrimos que somos no fundo muito parecidos.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes