Resenha: Pílulas Azuis, de Frederik Peeters

sábado, dezembro 03, 2016

Eu já tinha ouvido falar muito bem de Pílulas Azuis e comecei a ler ansiosa, mas foram poucas as vezes em que terminei de ler algo e fiquei transformada com a experiência. Quem nunca leu, por favor, adquira o quanto antes e deixe na estante, mas releia de vez em quando.



A HQ
Em uma narrativa pessoal, Frederik conta sua história de amor com Cati, da primeira vez em que a viu, aos encontros casuais pela rua, até se envolver com ela alguns anos depois, já com um filho pequeno. É então que ela revela: era soropositiva. Tanto ela quanto seu filho tinham o vírus HIV.


A partir dessa revelação surge toda uma história complexa e amorosa, mas também por vezes paranoica sobre o risco de contaminação. Quando ele sabe sobre a doença, todo o tipo de sentimento passa por sua cabeça. Ele não tenta bancar o bom moço que vai tentar salvar a donzela, mas mesmo que erre, ele tenta acertar. O casal enfrenta preconceito de amigos e conta sobre como as pessoas reagem quando ela revela a doença. Temos também a relação de Frederik com seu enteado e em como o tratamento contra o HIV pode ser desgastante para crianças.

Como toda história de amor, mas sem ser melosa ou piegas, há seus momentos de dúvida e apreensão. Especialmente com camisinhas furadas e os dois correm no médico para saber dos riscos. Há todo um mito munido de desinformação e preconceito a respeito do HIV e admito que eu desconhecia algumas coisas apresentadas na HQ. Fiquei envergonhada por ter parado no tempo, sem saber de tantos fatos a respeito do comportamento do vírus e do tratamento em si. Tirando o coquetel e a qualidade de vida que ele proporciona, eu não sabia de várias coisas. E aqui a HQ já cumpre um primeiro objetivo, a de informar.

As dúvidas surgem quando eles pensam em como o HIV pode afetar a intimidade do casal. Boquete pode? E ter filhos, como faz? Se a camisinha estourar, estou condenado? A maneira como o autor colocou isso foi muito sincera e direta, carregada de uma delicadeza singela ao tratar de tantos tabus e preconceitos.

Os quadrinhos são ágeis, um traço único marcando personagens e diálogos em preto e branco. Além das passagens reais dele com Cati, há momentos em que o autor viaja, como quando conversa com um mamute sobre suas dúvidas e medos. Em alguns momentos surge a questão de como contar aos pais de Frederik sobre Cati e o HIV e é quando a ideia de contar tudo em uma HQ aparece. Não sabemos qual foi a reação deles depois, porém.

Além da edição bem acabada da Nemo, há um extra de 10 páginas com entrevistas com os envolvidos, 13 anos depois da publicação original e sobre como a vida seguia.

Ficção e realidade
Sempre fico muito feliz quando pego algo para ler e aprendo coisas tão importantes, quebrando tabus. Quando virei a última página, fiquei com aquela sensação de ter lido uma obra-prima pela maneira como tratou de um assunto delicado com igual delicadeza e também sem rodeios. Falar de HIV e AIDS, de sexo e relacionamentos e ainda assim ensinar algo ao leitor é coisa para poucos.


Também devemos lembrar que cada caso é um caso, mas que é preciso ter informação. Informação salva vidas e aqui fica bem nítido isso. O casal vai ao médico, uma figura importante no enredo, que sem carregar em terminologias médicas, desmistifica coisas que o próprio Frederik acreditava, coisas que eu acreditava. E de quebra mostra a evolução do tratamento e a melhoria na qualidade de vida das pessoas.

Pontos positivos
Tema importante e bem discutido
Fala de tabus e preconceitos
Caso real
Pontos negativos

Algumas informações somem

Título: Pílulas Azuis
Título original: Pilules bleues
Autor: Frederik Peeters
Tradutor: Fernando Scheibe
Editora: Nemo
Páginas: 208
Ano de lançamento: 2015
Onde comprar: Amazon

Avaliação do MS?
Se eu elogiar mais vou acabar chovendo no molhado. De uma maneira brilhante e sem estereotipar ninguém, o autor colocou um tema nas mãos do leitor e o tratou com perícia e com humanidade. E sabemos que a humanidade falha em muita coisa, ainda carrega estigmas e rotula pessoas unicamente por suas condições médicas. E ao fazer isso, somos desumanos, somos parciais e preconceituosos. Fico muito feliz de ter seguido a recomendação dos leitores e da galera no Twitter e espero que você siga a minha também e leia Pílulas Azuis.

Até mais!

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes