Manpain

segunda-feira, novembro 07, 2016

Você já deve ter visto em algum filme, série, livro ou quadrinho, aquele momento de ira furiosa de um personagem masculino. Muitas vezes isso acontece depois que o já batido estereótipo da Mulher na Geladeira aparece. E aí, minha amiga, o mundo vem abaixo, os mares secam, as aves param de voar, o quilo do tomate chega a 50 reais, a Paçoquita cremosa desaparece dos supermercados. Prepare-se! A Manpain está vindo!

OH DEUS, como eu sofro!



Explicando brevemente o conceito de Mulheres na Geladeira, retirado do blog Nó de Oito:

Mulher na Geladeira (Woman in Refrigerator) refere-se a prática de matar, estuprar, mutilar, desempoderar, etc., uma personagem feminina, única e exclusivamente para motivar e colocar em andamento a história de um personagem masculino com quem ela se relaciona.

O grande problema desse estereótipo de Mulheres na Geladeira é que ele costuma vir com Manpain. Se a personagem feminina - namorada, mãe, irmã, o que for - sofrer algo ignóbil e violento, o personagem masculino ganha um impulso no enredo que o faz perseguir os vilões e fazer justiça. Já temos um problema aqui. O herói vai buscar justiça não porque deveria ser sua principal função, mas porque foi pessoalmente atingido. E atingido pela perda de uma mulher, que não tem outra função no enredo além de morrer, ser espancada ou estuprada.

A Manpain é quando a dor ou conflito do personagem masculino domina o enredo, passando por cima de todos os outros personagens e suas dores e/ou conflitos e de maneira exagerada. E isso não é só um estereótipo; é um padrão. Tudo no mundo acaba girando em torno desta grande dor 'ó meldels, que mundo cruel comigo, um homem privilegiado por ser branco, hetero, cisgênero e como isso é terrível'. Minha dor é maior que a sua e não ouse contradizer ou tentar colocar um pouco de bom senso no personagem, porque não rola. A dor dele é a maior dor do recinto, retire-se quem está incomodado. Podemos ver manpain, essa dor absurda, às vezes acontecendo com personagens femininas, mas em geral, nessa personagem, a manpain é facilmente identificada, nos personagens masculinos não, devido ao estereótipo de mulheres serem consideradas mais ~~sensíveis~~.

Supernatural funciona inteiramente assim desde o plot básico que colocou John Winchester e seus filhos na estrada. Os filmes do Homem-Aranha, até Lei & Ordem SVU, onde o detetive Stabler era um grande babaca em vários momentos, sendo que a parceira dele, a detetive Benson era fruto de um estupro e tinha várias camadas de sofrimento que não a tornaram um porre durante as temporadas em que ele esteve presente.

Um exemplo recente de manpain absurda foi a do personagem Travis Manawa, em Fear The Walking Dead, na season finale. Entendo a dor dele, realmente é uma barra aguentar o que ele vinha aguentando, poxa é uma apocalipse zumbi e tal, mas em um ataque de fúria incontrolável, ele matou dois rapazes e ainda machucou um tão gravemente que o rapaz morreu pouco depois. O resultado foi a expulsão dele e da família de um refúgio que tinha tudo para dar certo. Mas como os personagens de TWD e derivados, aparentemente, perderam a civilização e a inteligência, onde quer que eles chegam, o lugar se perde pouco tempo depois por pura burrice deles.

Travis em seu momento de fúria descontrolada

Enquanto isso, Madison, namorada de Travis, cujo marido se matou e o filho mais velho, Nick, é viciado em heroína e tende a sumir e fugir da família, é mantida em um controle frio e absoluto. Poucas são as cenas de Madison perdendo o controle. Se fizer isso é vista como histérica, louca, descontrolada. E adivinhe só, é ela quem vai tentar colocar um pouco de juízo na cabeça de Travis depois do que houve entre ele e o filho. Obviamente não deu certo e o cara matou três pessoas. TRÊS PESSOAS.

Personagens masculinos têm a permissão para sentir e agir sobre suas emoções - às vezes de forma exagerada e desproporcional - enquanto personagens femininas são valorizadas por sua frieza e segurança emocional. Ou seja, a ela não é permitido sofrer, se desesperar e agir desta forma, é preciso aguentar de forma resignada. Já para os homens, tá ok, exploda tudo.

Tanto o Mulheres na Geladeira quanto o Manpain são machistas porque reduzem a importância das mulheres de acordo com o valor que os homens dão a elas. A dor das mulheres é relativa, reduzida, minimizada, porque o que importa é a dor do cara. Se a mãe de Dean e Sam Winchester morreu pregada e sangrando no teto de um quarto que depois pegou fogo, sofrendo e agonizando, bom, dane-se. O que importa é a dor que todos os homens da família carregam (por impressionantes 12 temporadas). Se Jean Grey enlouqueceu e morreu, não fique triste por ela, acontece. Fique triste por Logan, coitado, que perdeu o amor de sua vida (mas Jean perdeu a vida, né?).

Para este estereótipo, se não ficar estabelecido que a personagem feminina é importante para os personagens masculinos, se não estiver em um relacionamento com eles ou estiver beijando, paquerando ou tendo amizade com um deles, você não se importa se ela morrer. Personagens femininas que não estejam ligadas a personagens masculinos costumam sofrer com o ódio da audiência, vide as Caça-Fantasmas. Se esta personagem causar qualquer dor ao personagem masculino principal, ela recebe todo o ódio misógino de uma audiência, vide Lori Grimes, em The Walking Dead. Se esta personagem for estuprada, ficar paraplégica, ter seu corpo fotografado nu e sangrando, ela é apenas um recurso narrativo para a história girar em torno da briga de Batman e Coringa.

E isso é um reflexo do mundo real, onde a mulher tem valor se estiver ligada a um cara. Quantas vezes você já viu um cara paquerar uma mulher acompanhada e depois pedir desculpas ao companheiro dela?

Qualquer dor de um personagem masculino será manpain? Lógico que não. É manpain quando ela rouba o protagonismo dos personagens ao seu redor, em especial as personagens femininas e sua reação chega ao absurdo, um atestado desproporcional de macheza que acaba até prejudicando os personagens secundários.

Quando um evento é jogado dentro de uma história apenas para trazer dor ao personagem masculino central, mas que não tem nenhum outro impacto ou utilidade no universo daquele enredo, você tem manpain. E quanto mais dor ele sente, pobre sofredor, mais heroico ele é. Se ele começa a se curar do trauma, talvez não seja uma dor tão grande assim, ele talvez não tenha tanto valor quanto sua dor. Suas emoções praticamente não existem, só a fúria incontrolável e muitas vezes ele nem deseja seguir em frente, ele vive pela vingança. O personagem não tem conexões com outras pessoas, pois ó, que dor horrível que o impede de viver.

Peguemos o exemplo do Capitão América. Ele acorda em um mundo muito diferente daquele onde vivia. Seu melhor amigo - que achava que estava morto - virou o Soldado Invernal. Ele está tentando se ajustar a esse mundo estranho, tentando fazer conexões com as pessoas e até dá uma paquerada. Essa dor do personagem é uma dor legítima, que tem função no enredo. O personagem se sente sozinho, estranho, alheio ao mundo, mas é uma dor real. E não tem mulheres sendo estupradas, mortas ou torturadas ao redor dele, ele não está em uma sede de vingança descontrolada.

Dá pra mudar? Dá. É só escrever personagens que sejam reais, cujas dores sejam reais. A vida é a inspiração primordial da arte, então por que ela parece tão irreal às vezes? Colocar personagens que sofram, que lutem, que sejam heroicas, sem matar mulheres, sem matar ninguém em volta em um surto de dor masculina também é possível. Basta ser criativo e saber escrever.

Até mais!

Leia também:
Women in Refrigerators
A woman’s place is not in the refrigerator
Fiction, gender, women's pain, and man pain
DC vs. Marvel: Women in Refrigerators List
The Cliffs of Insanity: Comics, Women, and Rape
Women in Refrigerators: Killing Females in Comics
Of Manpain, Misogyny, and The 100 Mess
Strong Female Characters, Women In Fridges and MANPAIN: Some Disordered Thoughts

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

4 comentários

  1. Post maravilhoso como sempre. Amo suas reflexões <3

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sybilla. Beleza?
    Gostei muito do artigo. Quanto mais eu leio essas coisas, mais eu penso no meu papel como escritor.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Tô mergulhando no universo feminista. Ora me projeto ao fundo, ora dou braçadas curtas. Ainda me pego tendo algumas atitudes machistas e reflito no dia a dia com ações alheias (machistas) que ocorrem frequentemente. É um exercicio diario e, desde que encontrei seu blog, sinto fome. Muita fome. E quando leio artigos como este, sinto minha fome brevemente saciada. Você me ensina muito! Muito obrigada por isso.

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Curta no Facebook

Viajantes