Resenha: Caça-Fantasmas (2016)

quarta-feira, julho 13, 2016

E o momento tão esperado chegou! As Caça-Fantasmas chegaram aos cinemas e eu fui na pré-estreia HOJE, a convite do Collant Sem Decote. Estava tão ansiosa que fiquei com a música na cabeça o dia inteiro. Se tem algo estranho na sua vizinhança, quem você vai chamar?? O Momentum Saga te diz na resenha!




O filme
Erin Gilbert (Kristen Wiig) está tentando uma cátedra em uma universidade prestigiada quando é procurada por um homem que segura seu livro, um que ela nega ter escrito. Ele precisa de ajuda com um fantasma em uma mansão tradicional em Nova York, que se transformou em um museu. Irritada por ver o livro à venda na Amazon, em ebook e físico, Erin procura sua amiga Abby Yates (Melissa McCarthy), que trabalha em uma universidade nem tão boa assim, para que ela retire o livro de circulação, pois sua carreira na Física pode acabar.


Quem trabalha com Abby é Jillian Holtzmann (Kate McKinnon), uma engenheira nuclear pouco convencional, que adora montar e desmontar coisas. Quando Abby fica sabendo sobre o fantasma na mansão, obriga Erin a ir com ela para as três estudarem o fenômeno. Uma terrível e louca fantasma mora no porão da mansão e foi invocada por algo ou alguém.

Enquanto isso, Patty Tolan (Leslie Jones), trabalha no metrô quando um sujeito esquisito pula nos trilhos, o que a obriga a ir atrás dele por questões de segurança. E ela então tem um encontro com um maligno fantasma no metrô, o que a faz ir atrás das três cientistas. Erin foi mandada embora da universidade e junto de Abby e Holtzmann elas abrem um escritório para investigar o paranormal, que tem como recepcionista o tapado personagem de Chris Hemsworth, Kevin Beckman.

Este time pouco usual se junta para investigar fantasmas que estão estranhamente aparecendo através de linhas sobrenaturais que cruzam o planeta. Algo ou alguém está provocando estes fantasmas para aparecerem. E quando os fantasmas são soltos em Nova York, o prefeito não tem outra opção além de pedir a ajuda das Caça-Fantasmas.

O filme não é um reboot, não é uma continuação. O longa é uma homenagem ao legado dos Caça-Fantasmas. Bem no começo nós vemos um busto do Dr. Egon Spengler na universidade, sendo que no final, nos créditos, o filme faz uma homenagem ao ator, Harold Ramis, que faleceu em 2014. Bill Murray, Dan Akroid (que também é o produtor executivo do filme), Ernie Hudson, Annie Potts (a Janine) e Sigourney Weaver fazem participações especiais (até Ozzy Osbourne aparece!). Isso deveria ser o suficiente para calar a boca de quem está reclamando sobre "infâncias destruídas".

É muito bonito de ver a amizade das quatro Caça-Fantasmas. Elas se apoiam, mesmo que discordem de alguma coisa e uma cobre a outra em situações de perigo. Mesmo não sendo cientista, Patty conhece profundamente Nova York e sabe de fatos e curiosidades que ajudam na caça às criaturas sobrenaturais. Há um forte sentimento familiar entre elas, não há disputas nem intriguinhas e isso é muito importante de mostrar na telona.


Os efeitos especiais são de tirar o fôlego. Os fantasmas estão muito bem feitos, assustadores e como assisti numa sala 3D eles, literalmente, pulavam em cima de mim. Todos eles estão extremamente detalhados, assustadores e o Geleia está incrível. Se você puder ver em uma sala 3D veja, mas numa sala comum já vai dar para perceber a qualidade gráfica dos fantasmas.

Agora, o melhor de tudo: o filme é hilariante. É de chorar de rir com as insólitas situações e piadas que o quarteto faz. O personagem de Chris Hemsworth é totalmente sem noção, é o rostinho bonito do filme, com todos os estereótipos que vemos sempre caindo sobre as personagens femininas. O longa inteiro desmonta vários desses estereótipos, especialmente pelo fato de duas das Caça-Fantasmas serem gordas.

Tem pontos negativos? Tem. Eu gostaria que a única negra do time não caísse em estereótipos. Ela é a única que não é cientista do time e isso me desagradou muito. Leslie Jones foi questionada várias vezes sobre o assunto e ela disse que sim, ela representa alguém: as funcionárias do metrô, as negras que são também gordas, as que estão fora do padrão de beleza e que nunca ou dificilmente são representadas em filmes. Acho que o filme é um passo para que as novas representações no cinema sejam mais inclusivas. Mas sua personagem Patty conhece bem Nova York, conhece bem as pessoas, coisa que as cientistas não são muito boas. Ou seja, é uma personagem com seu próprio arco narrativo, o que é muito bom.

Ficção e realidade
Quero voltar um pouco no assunto das infâncias destruídas. Os caras que estão reclamando que o filme é um lixo e que suas infâncias estão sendo destruídas, pelo visto, possuíram uma infância bem pobre, se ela estiver ancorada sobre dois únicos filmes. A média de idade entre eles varia de 18 a 38 anos, ou seja, uma parte nunca viveu nos anos 80.

Este novo longa nunca se propôs a substituir os filmes anteriores. Tal como Robocop, eu vi uma homenagem estilosa, nova, hilariante e que faz jus ao legado dos Caça-Fantasmas originais. E nenhuma infância vai ser destruída com esse filme, ao contrário. Outras estão sendo construídas, pois como você explica o olhar destas crianças, vestidas de Caça-Fantasmas, para a atriz Kristen Wiig?


Quem está reclamando do filme ser ruim, que estão destruindo um clássico, blá, blá, blá, está disfarçando seu machismo e sua misoginia. São quatro mulheres, duas delas gordas, uma delas negra, que são hilariantes do começo ao fim do filme, cujo recepcionista é um bibelô. Essa inversão de papéis deve deixar os caras bem furiosos mesmo, mas imagina a gente que sempre teve que ver isso?

Pontos positivos
Protagonistas femininas
Tributo aos Caça-Fantasmas
Efeitos especiais
Pontos negativos
Perde um pouco de ritmo do meio para o final


Título: Caça-Fantasmas
Título original: Ghostbusters
Direção: Paul Feig
Produção executiva: Dan Aykroyd
Data de lançamento no Brasil: 14 de julho de 2016
Duração: 116 minutos


Avaliação do MS?
Assista! É só o que eu posso te dizer! O filme é muito, mas muito bom! E fique até o final, passe todos os letreiros, ouça as músicas, veja toda a coreografia do Chris Hemsworth, pois tem participações especiais e muita informação rolando na tela para o espectador. Não saia do cinema antes, hein? Cinco aliens para o longa e uma forte recomendação para você ver também!


Até mais!


Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

5 comentários

  1. Sybylla, nunca uma crítica me deixou com tanta vontade de ver um filme como essa sua do GhostBusters, e olha que levo o MS muito em consideração.

    Assino o blogue e leio sempre que tem. Aguardo as considerações sobre o novo Star Trek, mas acho que também vou na estreia, como você.

    Beijo e obrigado pela boa leitura.

    ResponderExcluir
  2. Sempre achei o Chris "Thor-Pai do Kirk" Hemsworth com jeitão de Eye Candy! :D
    Brincadeiras a parte: você nem imagina o peso que me tirou do coração, Sybylla! Caramba eu tava torcendo muito pro filme ser bem legal mesmo pra calar essa ruma de gente besta que fica choramingando por aí, "Ai, porque estão estragando minha infância!", "Ai, mas que besteira botar mulher num filme que fez sucesso com homens" blá-blá-blá. E também por causa das atrizes que mereciam que o filme fosse muito bom.
    Estou muito feliz de saber que o filme é bom sim, que tem mulheres quebrando tudo e que vale muito a pena assisti-lo. Show!
    E que venham mais filmes com mulheres! Reboots, continuações, adaptações, originais, não importa! Já quero e muito assistir!

    ResponderExcluir
  3. "São quatro mulheres, duas delas gordas, uma delas negra" e além disso, 3 delas estão acima dos 40 anos (Leslie Jones tem 48, Melissa McCarthy tem 45 e Kristen tem 42)!!! Achei tão legal colocar 3 mulheres de 40 anos para outro tipo de papel que não seja mãe da protagonista/mulher-neurótica-que-não-consegue-marido/mulher-de-40- deprimida.

    ResponderExcluir
  4. Eu nao vi ainda o filme, e nunca fui ligado quando pequeno a franquia Ghostbusters, mas quero muito que o filme seja um sucesso para que os choroes se rasguem cada vez mais.
    Acho que pior que os adultos choroes, com esse papinho furado de ``minha infancia , minha infancia...`` sao as pessoas quem tem ate criticas que podem ser sinceras, mas tendem a ignorar toda os ataques de misoginia e racismo feitos contra o filme. Querendo acreditar que os dislikes massivos do filme sao frutos apenas da audiencia nao querendo mais os ``remakes``.
    Um exemplo disso a youtuber gringa Comicbookgirl19 , que acusa as criticas positivas de existirem apenas pelo medo do ``witch hunt`` que poderia ser feito contra os criticos, se comparando a outro youtuber, James Rolfe o AVGN, que segunda essa , apesar de ambos terem um claro desdem e desgosto por esse reboot ( o mimimi da minha infacia de sempre) , ela quase nao foi criticada, apenas por ser mulher.
    A grande ironia e que nesse mesmo video, quando ela diz que a bandeira do feminismo precisa ser levantada para coisas mais ``importantes`` como a diferencas de salarios entre homens e mulheres ( wage gap) que se ve como o tom dos comentarios do video muda, com varios comentarios dizendo que diferenca salarial entre generos nao existe, esses comentarios feitos por claro, homens.

    ResponderExcluir
  5. Curti muito o filme, no inicio nao me animei muito para assistir mas depois foi Amazing

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris