Resenha: Menina Má, de William March

quarta-feira, junho 08, 2016

Qual é a origem do mal? Nascemos maus? Ou a maldade é algo que se desenvolve ao longo da vida, na interação, ou falta dela, com as pessoas? Depois de ler Menina Má você vai se perguntar várias e várias vezes a respeito.



Parceria Momentum Saga e
editora DarkSide


O livro
Rhoda Penmark é uma garotinha adorável. Com oito anos é organizada, se arruma sozinha, tem uma linda covinha quando sorri e é uma aluna estudiosa e assídua na escola. É adorada por todos os vizinhos, que a mimam, lhe dão presentes, abraçam, sorriem e elogiam sua mãe pelo primor de criança que ela teve a sorte de ter.


Mas Rhoda é uma excelente atriz, manipuladora, fria e calculista. Suas demonstrações de afeto são sempre calculadas, premeditadas, especialmente quando quer alguma coisa. Sua mãe quebra a cabeça, tentando entender a filha e suas atitudes, mas não imaginava que algo tão sério pudesse acontecer quanto o que houve no piquenique tradicional da Escola Primária Fern, onde a filha estudava.

Mais tarde naquele verão, quando a sra. Penmark olhava para trás e se recordava, tomada por um desespero tão grande que sabia que nunca encontraria uma saída, sem ver solução para as circunstâncias que a atormentavam, lhe parecia que o 7 de junho, dia do piquenique da Escola Primária Fern, fora o dia em que sentiu felicidade pela última vez, pois, desde então, nunca mais soubera o que era uma alegria ou paz.

Página 21

Ao longo da narrativa descobrimos alguns detalhes da vida da família Penmark, o que pode explicar o distanciamento do pai, que trabalha longe, deixando a filha e a esposa sozinhas a maior parte do tempo. A mãe de Rhoda, Christine é bastante próxima da vizinha, Monica Breedlove e seu irmão. Monica adora falar e contar vantagem sobre os outros, inclusive aplicando seu conhecimento de psicanálise com o irmão, gay não assumido. Christine acaba uma mera expectadora nas longas explanações de Monica, que adora mimar Rhoda.

Depois do incidente no piquenique da escola, Christine passa a olhar a filha de outra maneira, descobrindo com horror do que ela é capaz de fazer e lembrando-se de fatos passados e até de sua própria família. Ela consegue extrair os segredos de Rhoda e tenta entender como a filha podia se comportar daquela forma. De onde viera aquela maldade, aquela frieza? Era possível que ela mesma fosse culpada pela situação de Rhoda?

Basicamente vemos o mundo de Rhoda pelos olhos da mãe e daqueles que estão ao seu redor, como o asqueroso zelador do prédio, Leroy, que inferniza Rhoda até que a menina chegue ao seu limite. Mas não espere uma longa fila de cadáveres, pois o livro tenta puxar a origem da maldade e como um psicopata pode se passar por uma pessoa tão adorável, tão simpática. Se o leitor esperar por cenas sangrentas, não é aqui que vai encontrar. Rhoda é irritante e ameaçadora, mas os personagens ao seu redor podem ser tão irritantes quanto, como Monica e suas infinitas análises sobre tudo e todos. A narrativa é carregada com a moral da época, o pós-guerra, o que aos nossos ouvidos hoje soaria antiquado e preconceituoso.

DarkSide caprichou na edição, ela está linda, perfeita, com o rosto da boneca rasgado, mostrando a crua face de Rhoda. Apesar de ter esse visual encantador e delicado, não é um livro para menores. No final temos uma biografia do autor, que morreu antes de ver o estrondoso sucesso do livro, lançado em 1954, que virou um filme e peça de teatro.

Cena do filme de 1956

Ficção e realidade
A Menina Má acabou inspirando várias outras crianças assassinas nos anos seguintes. Enquanto lia, lembrei de Anjo Malvado, com Macaulay Culkin e Elijah Wood. Rhoda Penrmark é bem visível no personagem de Culkin, pois ele mantém aquele mesmo olhar fixo, a frieza, sendo extremamente inteligente.

No entanto, crianças não podem ser chamadas de psicopatas, porque sua personalidade ainda não está formada. Nesse casos, o que pode existir é o transtorno de conduta, que é um padrão repetitivo e persistente de comportamentos que violam as regras sociais importantes ou os direitos básicos alheios. É muito comum que essas crianças maltratem animais, que furtem, que roubem e mintam para atingir seus objetivos (todos os traços que vemos em Rhoda).

Antes dos 7 anos, uma criança não tem capacidade de julgamento totalmente formada. É através de limites e exemplos positivos que ela aprenderá o que pode ou não fazer. Mas uma criança aos 8 já tem muitos limites pré-estabelecidos e exemplos suficiente para agir da maneira correta. Se não agir, pode ser que haja algo errado.

Se quiser conhecer a história de uma Rhoda Penmark real, leia sobre Mary Bell, que aos 11 anos, em 1968, matou dois garotos estrangulados. Mary vinha de um lar hostil, onde foi obrigada a se prostituir junto da mãe viciada, que lhe dava drogas e a abandonou para adoção. Hoje Mary está em liberdade, com outra identidade, casada e com filhos.


Pontos positivos
Thriller psicológico
Rhoda Penrmark
Personagens bem descritos
Pontos negativos
Devagar em algumas partes
Alguns personagens rasos

Título: Menina Má
Título original: Bad Seed
Autor: William March
Editora: DarkSide
Páginas: 272
Ano de lançamento: 2016
Onde comprar: AmazonMenina Má


Avaliação do MS?
Uma vez que você começa a ler, fica se perguntando quem pode ser a próxima vítima de Rhoda. O livro perde um pouco de ritmo pouco antes do final com as divagações da sra. Penmark, mas a narrativa é fluída, moderna, bastante ágil. É bem capaz que você odeie profundamente alguns destes personagens no final da leitura. Quatro aliens para a Menina Má e uma forte recomendação para você ler também.


Até mais!

Leia também:
Anjos Malvados - Revista Superinteressante

Já que você chegou aqui...

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

4 comentários

  1. Essa é a primeira resenha que eu leio que cita algum ponto negativo em Menina Má, achei isso bem legal! Já estava até estranhando, não era possível a obra ser perfeita! haha
    Vi o filme há pouco tempo, exatamente pela curiosidade com relação ao livro, e espero que a história seja mais bem desenvolvida do que nas telonas, achei bem devagar e alguns personagens realmente são irritantes!
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Gislaine!

      Pois é, a gente tem que apontar a parte ruim também, né? Nem tudo são flores!

      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  2. Tô com esse em casa na fila de leitura! E tem um livro com essa mesma temática "criança psicopata" que eu tô doida pra ler, da Justine Larbalestier, "My sister Rosa". Ela botou um trecho do livro no blog dela e eu tô obcecada desde então!

    http://justinelarbalestier.com/books/my-sister-rosa/excerpt/

    ResponderExcluir
  3. Amei seu blog! Espero que um dia o meu seja tão sensacional assim =*

    ResponderExcluir

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris