Resenha: The Walking Dead - A Queda do Governador, Parte 2, de Robert Kirkman e Jay Bonansinga

quinta-feira, dezembro 17, 2015

O Governador começou a cair no final do livro anterior e agora a queda dele é de vez. Ele ainda demora bem para cair, o que reforça ainda mais a impressão de que a separação em duas partes foi apenas para fins de lucro mesmo. Aqui, Philip Blake está bem próximo da imagem que tem nos quadrinhos, com todos os seus ferimentos e sua personalidade insana junto.





O livro
O governador começa esse livro da maneira pela qual é mais conhecido: mutilado. Enquanto na série de TV ele aparece apenas com um tapa-olho, aqui ele está mesmo estropiado, tal como aparece nos quadrinhos. Seu pênis foi decepado, seu olho arrancado com uma colher, o braço arrancado, pancadas, porradas. Tudo o que um déspota sanguinário e alucinado como o governador merecia por tudo o que fez. Seus aliados entram no apartamento e não acreditam que ele ainda possa estar vivo.

Adorei essa capa

O sumiço do Governador levanta uma onda de boatos por Woodbury, deixando os moradores assustados. Lilly Caul, por sua vez, descobre o que houve com ele e se inflama de ódio pelo estado deplorável do líder da cidade. Como alguém pode ter feito tal selvageria? O Governador podia ter atitudes questionáveis, mas para Lilly aquela era uma época para tais atitudes. Dessa forma, ela assume que o povo da prisão merece ser exterminado.

Nesse meio tempo, Lilly meio que assume a liderança de Woodbury. A contragosto, claro, mas ela se torna uma pedra fundamental para a população assustada e temerosa. O Governador leva semanas se recuperando, mas quando está novamente de pé, ele reúne a população, fala um monte de mentiras sobre o que houve com ele e de como o povo da prisão é ordinário. E que eles devem ser varridos da face da Terra. Até Lilly, que tanto odiou o governador, agora apoia a ideia.

Assim, eles reúnem armas, munição, suprimentos, encontram a prisão e partem para uma desastrosa missão. Vários personagens que conhecemos como Michonne, Lori e Rick Grimes aparecem aqui. E a queda do Governador é lenta, mas enfim ele teve o fim que todos esperavam depois de tantos livros.


Spoilers!

Nos quadrinhos, Lilly Caul tem uma função bem específica: matar o Governador. Tanto que a personagem não aparece mais depois que faz isso. Nos livros, seu desenvolvimento é muito maior. Ela se torna uma personagem de extrema importância para a série e de uma jovem medrosa e sem forças, ela emerge das cinzas de tantas tragédias para se tornar a nova líder de Woodbury, antes e depois do Governador. É uma personagem que pode ter atitudes bem questionáveis em alguns momentos. A gente odeia e ama em pouco tempo. Ponto para os autores que fizeram uma personagem tão crível.

Mas de novo temos o problema de dividir a queda do Governador em dois livros. Foi completamente desnecessário fazer isso. Este livro tem muito mais ação e partes importantes que o primeiro, só que é nítida a divisão e a encheção de linguiça do primeiro livro para gerar este daqui. Mesmo que fizessem uma edição maior, valia muito mais à pena deixar tudo em um volume só.


Ficção e realidade
Em um apocalipse de tal magnitude, é bem provável que todo o tipo de déspota tirano surgisse. The Walking Dead, porém se passa em um contexto onde o acesso às armas é muito mais fácil do que no Brasil por exemplo. Se o apocalipse zumbi se abatesse sobre nossas cabeças, aposto uma bala Juquinha como os principais polos de resistência seriam ao redor de quartéis da Polícia Civil, PM e das Forças Armadas, ou de qualquer organização armada, inclusive as criminosas.


E se sabemos dos abusos que autoridades cometem apenas porque são autoridades, imagine com zumbis zanzando por aí? Entra aqui aquela piadinha batida, mas real, de que o Brasil não tem estrutura para um evento desse porte. E não tem mesmo. É provável que surgissem milícias formadas por policiais e soldados, controlando combustível, arsenal e suprimentos. Quartéis costumam ser autossuficientes, possuem muros, bombas de gasolina, armas. E nós?


Pontos positivos
Woodbury
Lilly Caul
Ação

Pontos negativos

Demora a engatar
Muita violência



Título: The Walking Dead - A Queda do Governador, Parte 2
Título original: The Walking Dead: The Fall of the Governor Part 2
Série The Walking Dead
1. A Ascensão do Governador
2. O Caminho para Woodbury
3. A Queda do Governador Parte 1
4. A Queda do Governador Parte 2
5. Declínio
6. Invasão
Autores: Robert Kirkman e Jay Bonansinga
Nº de páginas: 331
Editora: Record
Ano de lançamento: 2013
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
Eu ainda recomendo a leitura para aqueles que queiram saber como é o fim do governador de forma melhor explicada, ampliada e do ponto de vista de quem vive em Woodbury, não na prisão. Quem acompanha a série pode ter uma visão dos quadrinhos na forma de livro e os fãs dos quadrinhos podem ver as HQs romantizadas. Não é um livro sensacional, mas ele tem ação, a narrativa flui fácil e Lilly Caul vale a leitura. Três aliens.


Até mais!



Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris