Resenha: Astronauta Singularidade, de Danilo Beyruth

sexta-feira, setembro 25, 2015

O primeiro volume do Astronauta, da Graphic MSP, fez tanto sucesso que eles trouxeram Beyruth para mais um volume contando as aventuras do funcionário da Brasa pelo espaço. Desta vez, ele embarca em uma missão perigosa na singularidade de um buraco negro. É só uma pena que a fórmula que funcionou tão bem no primeiro volume falhou miseravelmente neste aqui.





A graphic novel
O astronauta voltou de sua missão no magnetar e precisa passar por avaliação psicológica, coisa que ele profundamente detesta. Quer logo é voltar à ativa, danem-se os testes. A psicóloga ainda tenta extrair alguma reação dele, mas não consegue. Ele está chateado, irritado, até que uma missão aparece. Como a avaliação psicológica não terminou, ela precisa ir junto. E também um outro astronauta, desta vez major especialista em buracos negros. Como a BRASA é independente, ela precisa seguir as regras que lhe são impostas ou poderá sofrer uma militarização.


Ao se aproximarem do horizonte de evento do buraco negro, eles encontram um estranho objeto. O major pede para investigar sozinho, mas o Astronauta sabe que não é uma boa ideia. Algo naquele major o deixa nervoso, já que ele parece muito bem preparado para tudo. Eles conseguem entrar no misterioso objeto super avançado, onde o major vai realizar alguns estudos e pede que o Astronauta coloque equipamentos para estudar o buraco negro. Cabreiro, o Astronauta sai da nave estranha.

O major então descobre um possível tripulante alienígena, morto há muito tempo. Quando ele compartilha suas desconfianças com a psicóloga, ela logo supõe que ele está desequilibrado, com algum tipo de paranoia. Aí, o vilão óbvio da trama mostra sua verdadeira cara. Acho que nem preciso continuar, porque você já deve ter feito a ligação para o imenso clichê que temos aqui. A mocinha indefesa, o vilão inescrupuloso, o herói que salva o dia e se manda no final. Pronto, taí Astronauta Singularidade.

A estranha nave...

Fiquei bem chateada quando terminei a leitura porque esperava alguma surpresa, para no fim ter mais do mesmo, aquele velho mais do mesmo que preencheu páginas e páginas de contos de ficção científica durante décadas: mocinho salvando o dia e beijando a mocinha. Haja, né? Não dava para pensar em algo mais criativo, algo que homenageasse o legado do Astronauta? Por que tinham que cair na mesmice?

Toda a parte artística é muito bonita. A escolha das cores, os traços. Isso é o que salva essa graphic novel.

Ficção e realidade
Tirando a completa falta de criatividade, a graphic novel toca em um ponto interessante: a questão psicológica de astronautas que passam muito tempo sozinhos no espaço. Como nossas missões são logo ali na órbita da Terra, isso parece desnecessário. Mas mesmo estando tão pertinho de casa, ainda é um ambiente perigoso e para o qual apenas poucas pessoas estão preparadas. O que aconteceria em uma missão longa, como daqui para Marte? Quem sabe para outra estrela?


Além dos desafios técnicos, será que as pessoas estariam preparadas para deixar o planeta, podendo até mesmo nunca mais voltar? Nem todo mundo lidaria bem com isso, acredito. Somos o fruto da evolução da vida na Terra e talvez nunca encontremos um lugar onde possamos viver além daqui. Nosso pequeno palco cósmico pode nunca nos deixar ir embora.


Pontos positivos
Buraco negro
Arte
Cores

Pontos negativos
Estereótipos negativos
Clichês óbvios



Título: Astronauta Singularidade
Autor: Danilo Beyruth
Editora: Panini
Páginas: 82
Onde comprar: Amazon


Avaliação do MS?
É, uma pena mesmo que o enredo não tenha sido tão criativo, porque seria possível trabalhar as antigas tirinhas da origem do Astronauta sem cair nos óbvios estereótipos que a gente detesta. É interessante ter Singularidade na estante pela arte e para não deixar a coleção incompleta, mas no mais é mais do mesmo. Três aliens.


Até mais!

Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris