Ficção científica e os idiomas

terça-feira, setembro 16, 2014

Uma coisa que sempre me incomodou na FC é a fluência impecável que os alienígenas têm em inglês. Ok, nós temos o famoso tradutor universal de Star Trek que funciona até mesmo com raças que a Federação encontra uma única vez, mas ainda assim a forma perfeita de comunicação entre raças - onde 99% delas são humanoides com a mesma estrutura da laringe - é de impressionar. Até mesmo entre si os aliens falam um só idioma, quando muito um dialeto local.





De acordo com o compêndio Ethnologue, considerado o maior inventário de línguas do planeta, existem 6.912 idiomas no mundo (mas o número pode ser maior). O Brasil possui 188 dialetos e estima-se que haja entre 300 e 400 línguas ainda não catalogadas em regiões do Pacífico e da Ásia. O mais popular é o mandarim, principal dialeto chinês, com cerca de 870 milhões de falantes, seguido do hindi, na Índia, falado por 500 milhões de pessoas. O espanhol vem em terceiro, inglês em quarto e nossa querida Língua Portuguesa desponta na sétima colocação.

O país com mais línguas no mundo é Papua Nova Guiné, onde são falados 820 idiomas e dialetos diferentes. A Indonésia é a vice-campeã, com 742. No outro extremo, a Coréia do Norte é o único país onde só se fala uma língua. Em seguida, vem o Haiti, com dois. Cerca 497 línguas correm o risco de desaparecer em alguns anos. De acordo com a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), cerca de metade dos idiomas falados hoje em dia pode sumir ao longo do século XXI, por causa do predomínio do inglês nas páginas da internet.

Vamos agora para Star Trek, 2009. O capitão Pike pergunta para Uhura:

_ Fala romulano, cadete?
_ Os três dialetos, senhor.


Romulus fica no Quadrante Beta da galáxia. O planeta é um pouco maior que a Terra, mas possui cerca de 18 bilhões de habitantes e fala apenas três dialetos. A Terra, com 1/3 desta população, tem quase 7 mil idiomas - se é que não passou disso. Entre as milhares de raças sencientes da galáxia com capacidade de falar, se aparece um punhado de idiomas aliens aqui e ali é muito. Claro que quando você vai produzir algo para o cinema e para a TV algumas coisas podem sair caras demais. Se pensarmos exclusivamente em séries de TV, temos os idiomas Klingon, Vulcano, Minbari (Babylon 5) e criar um idioma não é tarefa fácil.

No entanto, temos aqui um porém que precisa ser discutido. É a questão da universalidade linguística. Se compararmos todos os idiomas da Terra podemos perceber semelhanças em todos eles. Por exemplo, temos distinção entre palavras que são pronomes ou verbos, diferentes pronomes de tratamento para primeira, segunda e terceira pessoas, sons que incluem vogais e consoantes e diferentes entonações para realçar sílabas tônicas. São semelhanças demais para tantas línguas diferentes, em tantos locais do globo.

Romulanos. 

O linguista Noam Chomsky acredita que essa universalidade significa, no fundo, que todos os idiomas humanos são fundamentalmente o mesmo que existe no cérebro, todos eles tendo derivado ao longo do tempo de um ancestral comum, um idioma rudimentar que surgiu entre os Homo sapiens na aurora dos tempos e que ficou gravado em nossa estrutura cerebral. Qualquer diferença que percebamos entre o inglês, o português e o mandarim seriam, na verdade, pequenas variações na gramática cerebral universal. Seriam como dialetos diferentes para um idioma terrestre.

Assim como para Uhura os três dialetos romulanos parecem diferentes, eles falariam apenas um único idioma. As entonações soariam diferentes aos nossos ouvidos, mas basicamente seriam uma coisa só. Contudo, devemos imaginar que a vida pelo universo não será, exclusivamente, humanoide, bípede, com cérebro semelhante ao nosso.

Mas tem quem não concorde com isso. Os antropólogos Charles Hockett e Terrence Deacon acreditam que a linguagem é mais um fenômeno do que apenas um mecanismo interno cerebral. Nós identificamos suas feições, mas não uma hipotética estrutura mental. Se os aliens tiverem alguma coisa que possamos identificar como uma linguagem, um dialeto, um idioma, ela seria como uma outra forma qualquer de expressão oral, um associação de símbolos e significados atribuídos às palavras, que expressam desejos, vontades, ideias, conhecimentos, etc.etc..


Difícil imaginar algo que não foi ainda encontrado e que, talvez, nunca seja. Capaz que os aliens sejam bastante semelhantes ou completamente diferentes de tudo o que já vimos. Como classificar sua forma de se expressar? Como nos expressar com eles?

Até mais!



Leia mais:
As línguas em Star Trek
Quantos idiomas existem no mundo?
One Planet, One Language: How Realistic Is Science Fiction Linguistics?


Sybylla

Fã do futuro e da ficção científica. Geógrafa, professora, blogueira, escritora de FC. Capitã da Frota Estelar. Esperando para voltar para o meu planeta. Leia mais.





Leia esses também...

0 comentários

ANTES DE COMENTAR:

Comentários anônimos, incompreensíveis ou com ofensas serão excluídos.
O mesmo vale para comentários:
- ofensivos e com ameaças;
- preconceituosos;
- misóginos;
- homo/lesbo/bi/transfóbicos;
- com palavrões e palavras de baixo calão;
- reaças.
A área de comentários não é a casa da mãe Joana, então tenha respeito, especialmente se for discordar do coleguinha. A autora não se responsabiliza por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem necessariamente as da autoria do blog.

Viajantes

Curta no Facebook

❤️


"A ficção científica é um substituto para todos os lugares que eu nunca vou alcançar nessa vida."

James W. Harris